Pular para o conteúdo principal

SPED | NFE | Você está obrigado a Nota Fiscal Eletrônica e não sabe!

Por Edgar Madruga

A Nota Fiscal Eletrônica teve como objetivo principal a implantação de um modelo nacional de documento fiscal eletrônico, que substituiu a sistemática do documento fiscal em papel, simplificando as obrigações acessórias dos contribuintes, ao mesmo tempo que permite um controle em tempo real das operações comerciais pelo Fisco.

Desde 2008 as empresas foram aos pouco sendo obrigadas ao uso deste documento eletrônico. Vamos dar uma olhada nesta obrigatoriedade? Mais recentemente ela é baseada no Protocolo ICMS 42/2009. Estudos estimam que 1.500.000 de empresas foram obrigadas por este protocolo mas ainda em agosto de 2011, conforme o portal de NFe, menos de 650.000 estão emitindo a mesma.  Você conhece realmente a extensão da obrigatoriedade contida nesta lei? Será que você é destes obrigados e não sabe?

Vejamos um trecho do P R O T O C O L O ICMS 42/2009:
 
“Cláusula primeira Acordam os Estados e o Distrito Federal em estabelecer a obrigatoriedade de utilização da Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) prevista no Ajuste SINIEF 07/05, de 30 de setembro de 2005, em substituição à Nota Fiscal, modelo 1 ou 1-A, para os contribuintes enquadrados nos códigos da Classificação Nacional de Atividades Econômicas – CNAE (grifo meu) descritos no Anexo Único, a partir da data indicada no referido anexo”.
“§ 3º Para fins do disposto neste protocolo, deve-se considerar o código da CNAE principal do contribuinte, bem como os secundários, conforme conste ou, por exercer a atividade, deva constar em seus atos constitutivos ou em seus cadastros, junto ao Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ) da Receita Federal do Brasil (RFB) e no cadastro de contribuinte do ICMS de cada unidade federada.”

“Código da CNAE principal do contribuinte, bem como os secundários, conforme conste ou, por exercer a atividade, deva constar.” ... Pela análise parcial deste Protocolo, temos duas perguntas que devem ser respondidas: Qual é a regra para incluir um CNAE secundário de uma empresa? E como o próprio texto diz, importa ele constar ou basta exercer a atividade?

Um CNAE secundário deve ser incluso nos cadastros de uma empresa independente do percentual que ela exerce uma atividade. Este percentual pode ser de até 1%. Mas o CNAE não é o mais importante. Exercer a atividade é o mais importante. Portanto se você exerce a atividade de industrialização ou de atacado, independente do percentual que estas atividades na sua empresa, você está obrigado a NFe.

Definir uma atividade de industrialização é relativamente simples. Costumo dizer nos cursos que realizo que “entrando um treco e saindo outro” você está realizando uma atividade de industrialização. Mas como definir de forma prática a atividade de atacado? Se você vende para alguém revender, você está exercendo a atividade de atacado e portanto obrigado a NFe. Evite multas e passe a emiti-las o mais breve possível.

Vejamos, ainda, o parágrafo 2º da Cláusula décima oitava do Ajuste SINIEF 07/05: “Nos casos em que o remetente esteja obrigado à emissão da NF-e, é vedada ao destinatário a aceitação de qualquer outro documento em sua substituição, exceto nos casos previstos na legislação estadual.”

Ao você comprar mercadorias acobertadas por uma nota fiscal modelo 1 (em papel) de um contribuinte obrigado a NFe que não a esteja usando você está comprando com um documento fiscal irregular, um documento em “juridiquês tributário” inidôneo, não podendo, no mínimo, aproveitar o crédito dos impostos destacado nela.

Se toda a indústria e todo atacado está obrigado, não importando o percentual destas atividades (CNAE principal mas também o secundário....) todos os seus fornecedores estão obrigados a NFe (desde 01 de dezembro ), salvo se você for consumidor final do produto que estás comprando.

Então, porque você ainda está aceitando nota em papel em suas compras?

Edgar Madruga - Administrador de Empresas e Auditor. Especialista em SPED, Informática Pericial e na gestão de Arquivos Digitais e suas interações com o FISCO. Com mais de 80 cursos e palestras realizadas sobre o assunto. Instrutor da SEFAZ - Goiás, da Escola de Negócios Contábeis - ENC, do Conselho Regional de Contabilidade e do SESCON do Estado de Goiás.
Blogdosped.blogspot.com



Veja também:



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…