Pular para o conteúdo principal

O Apagão II: Sem Código de Barras você não emitirá Nota Fiscal Eletrônica




Edgar Madruga -  blogdosped.blogspot.com


Você já incluiu o código de barras nos cadastros dos seus produtos? Com a publicação da Nota Técnica 2011/004, a partir de 01 de novembro de 2011 sua nota fiscal eletrônica será rejeitada se você não informar corretamente o mesmo.
Resumindo a minha mensagem: Se você não colocar os códigos de barras no cadastro dos seus produtos, não terá faturamento na sua empresa!

Tenho certeza que você não deseja que isso aconteça. Para isso procure informar-se que o sistema de gestão/ERP da sua empresa já contempla esta atualização. A mesma foi publicada em julho de 2011 e, com certeza, a sua prestadora de soluções de TI já atualizou seus sistemas. Se não foi feito ainda é tempo.

É importante ressaltar que o que está sendo modificado agora é apenas a validação do campo pois a obrigatoriedade de preenchimento do mesmo é desde 01 de julho de 2011.

Indo além, considerando que os cadastros de produtos normalmente são únicos, era conveniente que esta informação já estivesse sendo informada desde o ingresso da empresa no SPED pois a exigência de informar o código de barras no SPED Fiscal ICMS/IPI ocorre desde o início da obrigatoriedade de entrega do mesmo.

Se você for usuário de emissor de cupom fiscal – ECF, esta obrigatoriedade é mais antiga ainda. Vejamos o que está publicado no Convênio ICMS 09/09; Seção V; Cláusula 54:

O código utilizado para identificar as mercadorias ou prestações registradas em ECF deve ser o Número Global de Item Comercial - GTIN (Global Trade Item Number) do Sistema EAN.UCC.
  
Você pode estar se perguntando: Não venho fazendo nada disso. Tem como corrigir?
A Nota Fiscal Eletrônica emitida incorretamente não é tão simples de ser corrigida mas é possível, se não iniciado algum procedimento de fiscalização na sua empresa, retificar pelo menos os arquivos do SPED, minimizando os riscos tributários

 A fiscalização tributária cada vez mais tem feito uso de codificações para confirmar a correta tributação das mercadorias vendidas. NCM, CFOP, CST e mais recentemente os códigos de barras passaram a ter uma importância direta na identificação da operação e dos produtos portanto um cadastro errado pode levar a uma tributação incorreta e provocar auditorias e multas fiscais em valores elevados. Seja previdente e evite que isso aconteça.

Importante afirmar ainda que, se o produto especificado na NF-e não possuir o código de barras e se somente não possuir, ele não deve ser preenchido. 

Fica uma dica final: neste endereço (http://www.slideshare.net/edgarmtj01/codigo-de-barras-manual-prtico) tem um manual prático sobre código de barras.

Veja também: 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…