Pular para o conteúdo principal

SPED | SPED para desenvolvedores: O que é? Como começar?

Texto bem interessante sobre os desafios do "pessoal do TI"  para atender ao SPED

Texto original do Ricardo Gimenez publicado originalmente em www.baguete.com.br

Lembro-me bem da primeira reunião com a equipe de desenvolvimento para o SPED do Grupo Coldwell.
Começamos assim, escrevi a palavra “SPED” na lousa e pedi para cada membro da equipe escrever em uma folha de papel o que achava que significava essa sigla, foi no mínimo divertido.
O pessoal escreveu as coisas mais engraçadas do mundo.
Tínhamos um consultor funcional que era um contador bastante experiente que escreveu: “Serviço de Procuradoria Especializada em Diagnósticos”, nós rimos muito juntos!
Era 2007, e ninguém havia lido nada sobre o Sistema Público de Escrituração Digital ou SPED.
Se um contador com 25 anos na área sabia o que o governo brasileiro queria, imaginem só uma equipe de desenvolvimento na faixa de 20 a 25 anos de idade, mais interessada na nova versão de Microsoft Visual Studio, em discutir se o Linux ia acabar com o Windows e em criar comunidades engraçadas no velho Orkut.
Não existia Facebook ainda. Era 2007!
Um projeto SPED supera o conhecimento técnico de ferramentas de Desenvolvimento, seja Java, C#, .NET ou o bom VB, amplia nossa visão de aglutinar dados de áreas complexas como contábil, fiscal e previdenciária, além de lidar com interfaces, integrações de bancos de dados e transferências de arquivos TXT e XML.
É necessário concentrar a atenção em layouts enormes! O do SPED PIS e COFINS podem chegar a mais de 1,8 mil campos que compõem arquivos de alto volume, em alguns casos tendo que ser fracionados devido a ter 1GB ou mais.
Tive a oportunidade de trabalhar em projetos de desenvolvimento de SPED de clientes com dezenas e, em alguns casos, com centenas de filiais e um volume superior a 6 milhões de notas fiscais.
Para se ter uma idéia, o arquivo texto desse cliente supera mais de 15 milhões de linhas ou quase 4GB de dados por mês, em uma rotina de geração de 2 horas de processamento numa maquina de quatro processadores, coisa grande mesmo!
O segredo de um projeto SPED, seja Contábil, Fiscal, FCont, PIS e COFINS ou qualquer outro, é manter a aderência e integração entre os dados dos sistemas legados, ERP e outras fontes como planilhas Excel e o arquivo final.
Para resolver esse dilema de o que vai para qual arquivo, criamos um índice de DEPARA entre a NFE (Nota Fiscal Eletrônica 2.0) e todos os arquivos SPED.
Fica mais fácil compor uma documentação de qual SPED contêm o que, sim os dados de um SPED se repetem em outro e assim por diante, por exemplo: O SPED EFD Fiscal contêm dados de capa e itens de notas fiscais eletrônicas e manuais que são os mesmos usados no SPED EFD PIS e COFINS - falo dos blocos C170 e C190 do layout.
O SPED Contábil detém registros de saldos contábeis mensais de contas de despesa e receita que são os mesmos do SPED FCont, sendo os bloco I200 e outros.
A grande armadilha para uma equipe de desenvolvimento é que os layouts não são fixos ou obrigatórios em sua totalidade.
Nem todos os campos e blocos devem ser preenchidos por todos os clientes.
Em layouts como o do SPED Fiscal, existem campos para ECF, cupom fiscal.
Se sua empresa ou cliente não emitem, então esse campo não deve ser preenchido, no caso do SPED Pis e Cofins, se não houver crédito presumido de impostos, determinados campos também não devem ser preenchidos e por aí vai a “encrenca”.
Esses casos devem seguir um rígido controle de mapeamento e DEPARA, que serão de qualidade superior se a equipe de desenvolvimento dispuser do apoio de um consultor funcional ou contador com “tarimba” em desenvolvimento de softwares para contabilidade e área fiscal.
Outra grande ajuda a um projeto desse tipo são os vários blogs que encontramos na internet, onde destaco já o do Professor Roberto Dias Duarte e do José Adriano, ambos profissionais muito requisitados e experientes no SPED.
Sempre quando converso com uma equipe de desenvolvimento destaco o valor de ter um código bem comentado, detalhes fazem a diferença em grandes projetos com equipes diversas, às vezes são necessárias mais de uma plataforma.
Trabalhei em projetos com até três ambientes diferentes (ABAP4, NET e JAVA), verdadeiras “saladas técnicas” e a salvação eram bons comentários nos códigos e uma documentação completa de funções, conexões e rotinas de atualização, regras de negócios de validação e geração.
Esse parágrafo parece “pregação de professor de lógica”, mas, é isso aí: “Gente, comentem o código!”, vocês já ouviram isso, não é?!
Nenhum projeto SPED é bem sucedido sem ter uma boa equipe de implementação.
Esse time tem de ser parceiro do time de desenvolvimento e fazer uma boa interface com o cliente ou área de negócios.
Certos detalhes sobre o SPED só podem ser aprendidos na prática, assim a cada novo cliente ou projeto, você e sua equipe aprenderão mais uma lição, mais um “macete” ou modo diferente de implantar e atender o SPED.
Em resumo, nunca vi um projeto de SPED sem um bom trabalho em equipe, todo bom desenvolvedor conhece a diferença entre o herói e o mocinho nos filmes, o herói sempre “morre” no final.
Pra contar o final da minha odisséia com o SPED, posso dizer que apenas começou.
Esse ano teremos o novo eLALUR, depois o SPED Social e por aí vai.
*Ricardo Gimenez é sócio-diretor do Grupo Coldwell, especializado em serviços de alta tecnologia.


Veja também:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…