Pular para o conteúdo principal

Governança: prioridade máxima para as empresas

Empresas e instituições no mundo estão se empenhando cada vez mais na melhoria das práticas de governança corporativa. Aqui no Brasil não é diferente, os desafios para a implantação de boas práticas são temas prioritários que aparecem de forma consistente em nossas corporações. Em recente encontro promovido pelo ACI Institute, em São Francisco, na Califórnia, e que reuniu conselheiros de administração, membros de comitês de auditoria e líderes empresariais, incluindo uma delegação brasileira, muito se discutiu sobre como superar as expectativas dos investidores, stakeholders e das próprias empresas com relação a este assuntos.

Um dos pontos que mais gerou preocupação entre os participantes foi o crescente ativismo dos acionistas que, de forma significativa, pressiona a agenda do conselho de administração. O fato é que este maior ativismo tem se focado numa maior prestação de contas pelo conselho, com relação ao longo prazo. Questões relacionadas ao plano estratégico e a continuidade do modelo de negócio, atreladas ao plano de remuneração dos executivos são cada vez mais assuntos de escrutínio pelos investidores. Para lidar com isso, é necessário conhecer melhor e com mais profundidade as prioridades e interesses de cada acionista e a forma como interagem com a administração.

Outro assunto que vem pautando as discussões entre os membros de conselhos de administração é a ação das inovações disruptivas e como as constantes mudanças tecnológicas podem desestabilizar o negócio de uma forma rápida e significativa. Em um ambiente globalizado, as empresas e os seus conselhos de administração precisam estar preparados para os riscos relacionados às transformações que podem impactar significativamente o seu modelo de negócio ou mesmo a continuidade da empresa. Por isso, mais uma vez se enfatiza a importância do conselho estar diretamente envolvido na definição das estratégias e saber que elas podem precisar de ajuste ao longo do tempo, por vezes, de modo significativo.

Ainda dentro dos riscos, os cibernéticos permanecem como ponto de atenção. Torna-se cada vez mais essencial, inclusive, a presença de um especialista no assunto compondo o conselho de administração para permitir uma discussão mais aprofundada, visto que, atualmente, as ameaças virtuais precisam ser tratadas não só como um risco da área de tecnologia da informação, mas também como corporativo

Por fim, o que ficou claro também é que cada vez mais as ações regulatórias possuem abrangência global. A integração das leis anticorrupção (como o FCPA, UK Bribery Act e a Lei Anticorrupção Brasileira) e as regras internacionais de tributação (BEPS) proporcionam uma rica troca de informações e atuações em conjunto em investigações e nas definições de penas entre os órgãos reguladores. Nesse sentido, os conselheiros devem assegurar-se de que as empresas possuam sistemas e processos adequados e que possam cumprir as decisões acordadas.

Diante de tudo isso, os conselhos de administração precisam estar atentos e focar esforços nas questões de ética e de conduta, no ambiente de controles internos, no gerenciamento de riscos e na atuação do comitê de auditoria, já que eles serão fundamentais para a saúde financeira da empresa e para o atendimento ao compliance regulatório. Dessa forma, eles já terão dado o passo principal para manter a reputação da empresa, base fundamental para um crescimento sustentável e fortalecido.

Por Sidney Ito

Fonte: administradores via José Adriano

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…