Pular para o conteúdo principal

O FIM DO SIGILO, INCLUSIVE FISCAL

Nos dias atuais, dentre tantas mudanças, talvez a mais impressionante seja a noção do que é sigiloso ou não. Talvez nós mesmos, nas redes sociais, tenhamos trazido um novo conceito, muito menos elástico, daquilo que queremos manter longe dos olhos de todos. E é certo que Governos e Fiscos ao redor do mundo também reagiram ao fenômeno e querem transparência total no fluxo de rendas e receitas ao redor do mundo.

As revelações trazidas por Edward Snowden e o Wikileaks chacoalharam o mundo de uma forma selvagem. Todos estão espionando tudo e todos. No universo tributário, o escândalo do Luxleaks, revelado no final de 2014, também trouxe grandes e importantes mudanças no comportamento de Governos e contribuintes.

Foram reveladas inúmeras estruturas de planejamento tributário de grandes corporações em que bilhões e bilhões de dólares deixaram de ser reconhecidos como receitas em diversos países foram direcionadas para Luxemburgo, onde a tributação é flagrantemente menor do que em outros países europeus e americanos. De nada adianta culpar as empresas de consultoria que vendem tais planejamentos, já que tais ideias estão protegidas por Lei. As Big4 não têm obrigação de moralizar o mundo.

Poderíamos nos perder aqui em discussões sobre a legalidade desses planejamentos tributários. Afinal de contas, não há proibição. Mesmo para pessoas físicas, hoje há uma verdadeira indústria de venda de certificados de naturalização ou nacionalização meramente baseadas em investimentos. Para a grande maioria das pessoas que nasceram nesse nosso mundo, nacionalidade não é opção, mas sim atribuição divina. Para milionários em geral, é uma questão de escolha. Quem quiser ser americano, inglês, húngaro, canadense, basta querer e poder.

O que os países querem de fato?  Fim do sigilo. Os Fiscos querem saber onde está sua renda e tributá-la. De que adianta um país ter tantos milionários, se os tributos que decorrem dessa fortuna beneficiam outros países? Como no caso da França, que ameaçou tributar seus milionários de forma bastante forte e acabou tendo de suportar uma ameaça da Rússia de conceder cidadania a seus contribuintes pródigos, como artistas e atletas. Procure por Gérard Depardieu na internet e ele aparecerá como russo! Deve ser o primeiro Gérard eslavo que se tem notícia.

Alguns sinais de reação já são perceptíveis e a OCDE está trabalhando ativamente para mudar essa realidade. 2015 será um ano muito produtivo nesse aspecto. Em um futuro próximo, alguns paraísos fiscais certamente serão meros paraísos e suas informações estarão disponíveis a todos. Muitos serão tributados sobre sua riqueza em dois ou mais países. E, como consequência, as fronteiras geográficas entre os países serão cada vez mais importantes e delimitadas. Será a prova final de que a globalização pode ser algo bacana, desde que não afete o bolso de ninguém.

Fonte: Pensamentos Tributários.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…