Pular para o conteúdo principal

Proposta de simplificação tributária – FEDERAMINAS

Palavra do Presidente

Com o objetivo de recolher subsídios da classe empresarial mineira objetivando propor a simplificação do Sistema Tributário Brasileiro, através de mudanças que o tornem mais racional e justo, a Federaminas promoveu o Painel Mineiro Tributarismo em Foco – O Imposto e o Seu Negócio em Uberlândia, Montes Claros, Pouso Alegre e Belo Horizonte, com o apoio das associações comerciais dessas cidades.

Como passo seguinte, a entidade criou a Comissão de Assuntos Tributários, coordenada pelo consultor Valmir Rodrigues da Silva e que, com base nos subsídios obtidos, elaborou um conjunto de propostas a ser entregue aos poderes Executivo e Legislativo como contribuição visando a reformular a legislação tributária do País.

As propostas estão contidas neste documento, e esperamos que elas possam concorrer para a eficiente reformulação do Sistema Tributário Brasileiro.

Emílio Parolini

Presidente da Federaminas

Grupo Tributário – FEDERAMINAS*

Em vista da necessidade de termos uma estrutura tributária justa, simples e racional, com tributos de qualidade, progressiva e estimuladora da produção e do emprego, fundamental para o desenvolvimento do país, solicitamos aos nossos governantes, federal, estadual e municipal, uma análise detalhada deste documento e a sua imediata aplicação, evitando ao máximo os efeitos do desânimo da classe empresarial diante da nossa realidade hoje, e consequentemente a diminuição da sonegação e da evasão tributária.

A complexidade do atual Sistema Tributário Brasileiro é um gargalo para a consolidação é uma aberração, parece que são feitas para ninguém entender e, assim, não aplicá-las de modo correto.

São essas as nossas propostas:

1. Que se possa fazer o uso racional das obrigações acessórias, tornando ilegal a solicitação de dados redundantes por órgãos públicos. Ou seja, as empresas ficariam livres da cobrança de dados repetidos por parte dos diversos órgãos fiscalizadores.

2. Simplificar e descomplicar o Simples:

2.1. Reduzir as tabelas ao máximo de três: comércio, indústria e serviços.

2.2. Simplificar as tabelas estabelecendo-se o faturamento como parâmetro único para as alíquotas o
faturamento.

2.3. Reduzir o valor nominal das alíquotas tributárias, de forma a diminuir carga total sobre as empresas.

2.4. Ampliar limites máximos para enquadramento no Simples aumentando-se a abrangência do modelo tributário e reduzindo-se a “Síndrome de Peter Pan”, que leva as empresas a terem medo de crescer e sair do Simples.

2.5. Usar a NF-e, NFS-e e a NFC-e para gerar as guias e declarações do Simples. Uma vez que as autoridades fazendárias já possuem as informações sobre o faturamento das empresas, as guias e declarações do Simples poderiam ser preenchidas previamente, permitindo a sua confirmação ou alteração. 

2.6. Fim da Substituição Tributária para as empresas no Simples

2.7. Fim do Diferencial de Alíquota para as empresas no Simples.

3. Reduzir e simplificar a publicação de normas.

3.1. Estabelecimento do prazo de 180 dias para início de vigência de qualquer norma tributária infralegal. 

3.2. Conselho Fiscal de Contribuintes. Criar um Conselho de Gestão Fiscal, já previsto no artigo 67 da Lei de

Responsabilidade Fiscal. As principais atribuições do Conselho de Gestão Fiscal são:

Estudar, propor e acompanhar as novas alíquotas a serem aplicadas em cada fase da simplificação fiscal.

As novas alíquotas unificadas serão denidas de modo a preservar a arrecadação de cada ente da Federação. A simplificação é NEUTRA: nenhum ente ganha, nenhum ente da Federação perde. Estudar e propor a redução gradual da carga tributária.

Estudar e propor melhorias na aplicação dos recursos públicos, contribuindo para a eficiência crescente na gestão dos recursos dos contribuintes, quando estes se tornam dispêndio dos governos
(Movimento Brasil Eficiente)

3.3. Vedação de medidas provisórias que disponham sobre matéria tributária, com exceção do imposto extraordinário de guerra.

3.4. A Fazenda Pública Federal deve tornar público os critérios de seleção dos contribuintes para fins de fiscalização (malha fina), até o dia 31 de dezembro do exercício anterior.

3.5. A legislação tributária deverá, anualmente, ser consolidada e disponibilizada ao público, via internet, até 31 de dezembro, sob pena de responsabilidade da autoridade fazendária (tanto federal, estadual e municipal).

3.6. A rejeição de consultas tributárias deverá ser obrigatoriamente fundamentada

3.7.Criação do cadastro único fiscal de âmbito nacional

3.8. Possibilidade de consulta tributária por meio eletrônico

3.9. Redução das multas máximas para os seguintes percentuais incidentes sobre o valor do débito corrigido: 75% em caso de dolo, fraude ou simulação, 50% quando lançada de ofício.

4. Criação do Código de Defesa do Contribuinte.

5. Acatar as propostas de simplificação e racionalização do Sistema Tributário Brasileiro feito pela CACB e também pelo movimento Brasil Eficiente.

6. Manter a distribuição de lucros das empresas aos seus sócios isenta de Imposto de Renda e quaisquer outros tributos.

7. Que os orgãos fiscalizatórios vejam os empresários como parceiros e não como inimigos; as autuações aplicadas atualmente em grande parte não condizem com a realidade financeira das empresas, nem de seus sócios.

8. Que o novo governo elabore estratégia de comunicação, que traga forte componente pedagógico, para que a falta de acesso às informações nao prejudique o desenvolvimento e o crescimento das empresas, que o governo faça sua parte de informar a classe empresarial e não simpleismente empurrar as regras e leis para que cada um interprete a seu modo, fazendo com que as empresas corram riscos desnecessários e com autuações absurdas posteriormente.

Comissão de Assuntos Tributários Federaminas

  • Emílio César Ribeiro Parolini – emilio@federaminas.com.br
  • Valmir Rodrigues da Silva – valmir@qualconsultoria.com.br
  • Silvio Divino Vilarinho — diretoria@escritorioituiutaba.com.br
  • Carlos Moreira – carlos@moreiragalvao.com.br
  • Paulo Consentino – consentino@consentino.cnt.br
  • Roberto Dias Duarte – roberto@robertodiasduarte.com.br

*Federaminas é a Federação das Associações Comerciais e Empresarias do Estado de Minas Gerais.
Veja o documento completo:


Fonte: Roberto Dias Duarte.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…