Pular para o conteúdo principal

SPED | EFD-Contribuições | Perguntas e respostas – Fórum Paraense do SPED

por Fabio Rodrigues de Oliveira

Perguntas e Respostas

Este documento consolida as perguntas feitas durante o Fórum Paraense do SPED, não respondidas durante o evento em decorrência do tempo.

OBRIGATORIEDADE:
PERGUNTA
Uma empresa que está sem movimento, mas que paga parcelamentos de dívida ativa é considerada inativa? Neste caso, é obrigada a entregar a EFD-Contribuições?

RESPOSTA: Considera-se que a pessoa jurídica está inativa a partir do mês em que não realizar qualquer atividade operacional, não operacional, patrimonial ou financeira, inclusive aplicação no mercado financeiro ou de capitais.
O pagamento de tributo relativo a anos-calendário anteriores e de multa pelo descumprimento de obrigação acessória, no entanto, não descaracteriza a pessoa jurídica como inativa no ano-calendário.

CST:
PERGUNTA
Qual a importância do CST para a EFD-Contribuições?

RESPOSTA: O CST (Código de Situação Tributária) define o enquadramento tributário de cada operação (tributada, isenta, alíquota zero, não incidência etc). Dessa forma, se for informado um CST errado, consequentemente o contribuinte estará declarando um valor incorreto de apuração. Esse pode ser, inclusive, o motivo de muitas apurações na EFD- Contribuições ficarem divergentes ao DACON.

CRÉDITOS:
PERGUNTA
Quando são utilizados veículos próprios, os gastos a eles vinculados, a exemplo de combustíveis, permitem o aproveitamento de créditos?

RESPOSTA: Somente os gastos relacionados no art. 3º das Leis nºs 10.637 e 10.833 permitem a apropriação de créditos. Dessa forma, referidos gastos somente podem gerar créditos se classificados como insumos, a exemplo do combustível de um veículo utilizado na compra de matérias-primas. Todavia, como essa separação é difícil, é comum encontrarmos decisões da RFB vetando tais créditos.

PERGUNTA
É possível o aproveitamento de créditos de devoluções na EFD-Contribuições?

RESPOSTA: Cabe destacar, a princípio, que a EFD-Contribuições não alterou as regras de apuração ou as possibilidades de créditos previstas na legislação. A devolução de vendas, tributadas na operação anterior pelo contribuinte sujeito ao regime não cumulativo, permitem o aproveitando de créditos, de forma a “anular” a incidência anterior. O documento fiscal que acobertar essa operação deve ser registrado no bloco C.
No caso de contribuinte sujeito ao regime cumulativo, no entanto, a devolução de vendas tributadas na operação anterior pode ser excluída da apuração, através do bloco C ou, não sendo possível, pelo bloco M.

PERGUNTA
Que tipo de atividade econômica pode se creditar de PIS e COFINS na aquisição de vale-transporte?

RESPOSTA: De forma taxativa, a legislação prevê que somente as pessoas jurídicas que explorem as atividades de prestação de serviços de limpeza, conservação e manutenção podem aproveitar créditos sobre despesas com vale-transporte, vale-refeição ou vale-alimentação, fardamento ou uniforme.

PERGUNTA
É possível o aproveitamento de crédito sobre gastos com transporte para aquisição de bens para revenda enquadrados na incidência monofásica (medicamento, por exemplo)?

RESPOSTA: O frete na aquisição de bens para revenda segue o principal, ou seja, a mercadoria. Assim, se for possível o aproveitamento de créditos na aquisição de tal mercadoria, também será possível o aproveitamento de crédito sobre o correspondente frete.
No caso de mercadorias sujeitas à incidência monofásica, tendo em vista que não é possível o aproveitamento de créditos, conclui-se que também não é possível descontar créditos sobre o correspondente crédito.

INFORMAÇÕES A SEREM PRESTADAS:
PERGUNTA
Uma empresa que em a atividade de factoring tem a receita de faturização acobertada por Nota Fiscal, mas as receitas de deságio estão previstas apenas em contrato. Onde informar essas receitas?

RESPOSTA: As receitas de serviços acobertadas por documento fiscal devem ser informadas no bloco A. As receitas que não estejam vinculadas a um documento fiscal, devem ser informadas no bloco F. No presente caso, portanto, devem ser usados os blocos A e F.

PERGUNTA
No EFD-Contribuições, se não houver crédito nas compras, é obrigatório informar o correspondente bloco?

RESPOSTA: A princípio, cabe observar que não há blocos específicos para os créditos. Nos mesmos blocos onde são informadas as receitas, também são informados os créditos. Posto isso, cabe observar que somente as notas fiscais de entrada, que geram créditos, devem ser informadas na EFD-Contribuições, motivo pelo qual, inclusive, as empresas do regime cumulativo não precisarão incluir as notas fiscais de entrada nesta nova obrigação social.

PERGUNTA
Uma nota de remessa para reparo ou conserto fora do Estado é tributada pelo PIS e pela COFINS? Devem ser informadas na EFD-Contribuições?

RESPOSTA: O PIS e a COFINS incidem sobre a receita (regime não cumulativo) ou faturamento (regime cumulativo) da empresa. Remessas de mercadorias não se configuram como receita ou faturamento e, portanto, não estão sujeitas ao PIS e a COFINS, como também não estão as transferências e doações feitas.
Tendo em vista que somente as operações geradoras de receita ou crédito devem ser informadas na EFD-Contribuições, conclui-se que uma nota fiscal de remessa de mercadorias para reparo ou conserto não devem ser informadas nesta obrigação acessória.

PERGUNTA
O CFOP 2353, referente a operações de frete, não está na tabela de operações geradoras de créditos divulgada pela RFB. Nesse sentido, como apurar os referidos créditos na EFD-Contribuições?

RESPOSTA: Os créditos sobre despesas com fretes, quanto admitidos, devem ser informados no bloco D. De acordo com a RFB, somente é possível o aproveita de créditos em relação a:
0 – Operações de vendas, com ônus suportado pelo estabelecimento vendedor;
2 – Operações de compras (bens para revenda, matérias prima e outros produtos, geradores de crédito).

PERGUNTA
As empresas do Lucro Presumido, por estarem enquadradas no regime cumulativo, devem informar na EFD-Contribuições apenas os documentos fiscais de venda?

RESPOSTA: Na EFD-Contribuições devem ser informadas, basicamente:
a) todas as operações geradoras de receitas, ainda que não tributadas ou acobertadas por documentos fiscais;
b) os custos e despesas que permitam o aproveitamento de créditos;
c) as retenções de PIS e COFINS sofridas
Uma empresa do Lucro Presumido, portanto, deverá informar todas as receitas auferidas a as retenções por ventura sofridas.

PERGUNTA
Em uma empresa prestadora de serviços de engenharia, não contribuinte do ICMS, como ficará a EFD-Contribuições?
RESPOSTA: Pouco importa o fato da empresa ser ou não contribuinte do ICMS. Tratando-se de empresa que emita documentos fiscais previstos na legislação municipal, deverá usar o bloco A da EFD-Contribuições para informá-las. No caso de empresa do Lucro Presumido, no entanto, ao invés de detalhar as notas fiscais no bloco A, poderá usar os registros
específicos do bloco F para informar suas receitas.

Fonte: http://www.joseadriano.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…