Pular para o conteúdo principal

SPED traz grandes impactos para as empresas brasileiras


Gestão do risco fiscal e necessidade de profissionais qualificados nortearam as discussões no segundo dia do Fórum BlueTax

Terminaram na sexta-feira as atividades do 1º Fórum SPED BlueTax, realizado no museu Iminá de Paula, em Belo Horizonte. O evento reuniu mais de 160 profissionais, além de algumas referências nacionais do SPED. Segundo o organizador do evento e sócio diretor da Bluetax, José Adriano, a realização do fórum superou todas as expectativas. “Belo Horizonte, se comparada a outras grandes cidades, é carente de eventos que contemplem os avanços nessa área. Acreditamos que muito ainda precisa ser discutido e, por isso, tivemos um retorno expressivo em relação ao número de inscritos”, disse.

As atividades foram abertas com a palestra de Jorge Campos, sócio dretor da empresa Aliz, destacando os principais pontos da EFD Social, que tem a previsão de se tornar obrigatório para as empresas a partir de julho de 2013. Ele destacou que a EFD Social, que se refere à folha de pagamento, não é responsabilidade apenas do setor de Recursos Humanos das empresas e vai integrar Receita Federal, INSS, Previdência Social e Ministério do Trabalho e Emprego, além de eliminar algumas obrigações acessórias como Manad, GFIP e DIRF num segundo momento. “A perspectiva é que a carteira de trabalho deixe de existir daqui a cinco anos e que o Número de Inscrição do Trabalhador (NIT) seja substituído pelo CPF”, disse.

Fernando Sampaio, consultor empresarial, falou sobre as infinitas possibilidades de cruzamento das informações, sobre o atual momento de adaptação e ajustamento vivido pelas empresas e sobre a ampliação e criação de controles internos pelos contribuintes. “As informações que envolvem o CPF e o CNPJ serão cruzadas através de NF-e com cartórios, bancos e os Detrans de todo país. Nos âmbitos Municipal, Estadual, Federal e também no Trabalho e Previdência, pessoas físicas e jurídicas ficarão em constante auditoria e cruzamento”.

O organizador do evento, José Adriano, também falou sobre a falta de profissionais qualificados e, consequentemente, da necessidade de capacitação para lidar com as mudanças. “Além da qualificação dos profissionais por meio de cursos presenciais ou online, o projeto SPED introduziu no mercado um grande número de empresas desenvolvedoras de soluções fiscais e de auditorias digitais, mudando um pouco a realidade das empresas”.

Outros pontos abordados foram os cuidados que as empresas precisam ter, uma vez que hoje a qualidade das informações está ruim e, por isso, precisam ser revistas.  Márcio Tonelli, consultor empresarial, falou sobre o Controle Fiscal Contábil de Transição (FCONT), a Declaração do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (DIPJ), sobre a Escrituração Contábil Digital (ECD) e sobre o Livro de Apuração de Lucro Real Eletrônico (E-Lalur), que passará a ser obrigatório também a partir de 2013 e que irá simplificar e eliminar algumas obrigações.

A gestão do risco fiscal e a qualidade do arquivo foram pontos também abordados por Edgar Madruga, administrador de empresas e auditor fiscal. “O empresário precisa ter em mente que a responsabilidade sobre tudo que possa colocar seu negócio em risco é dele, inclusive a gestão do Sped. É preciso que ele entenda o processo como um só e que tenha uma visão sistêmica, pois os problemas se encontram na incoerência das informações”, destacou.

As atividades do dia foram encerradas pelo palestrante e especialista em Tecnologia da Informação, Roberto Dias Duarte, destacando a importância da visão empresarial sobre todos esses processos. “É importante sensibilizar os líderes empresarias sobre os cuidados necessários com a gestão fiscal, pessoal e tributária, pois todas essas mudanças afetarão o modo de condução das empresas”.

O 1o. Fórum de SPED BlueTax foi patrocinado pela Mastermaq SoftwaresMax Partner ConsultingMega Sistemas CorporativosLynasLogic e DecisionIT.

Apoiaram na divulgação os Jornais Diário do ComércioFolha do Comércio, Hoje em Dia, O Tempo e Estado de Minas, além dos sites BeloTurFISCOSoftJAPs-SPEDSPEDBrasilSpeditoMauro NegruniBlog do SPEDTânia GurgelFernando SampaioTI InsideClube dos ContadoresMercado ContábilRádio ContábilEssência sobre a Forma e UniBH, dentre outros.

Os slides das palestras, fotos e outras informações sobre o 1º Fórum BlueTax estarão disponíveis ainda nesta semana em http://ow.ly/bDnAt.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…