Pular para o conteúdo principal

Crescimento de compras on-line cria desafios para segurança no e-commerce


RIO - A febre das compras pela internet já é uma realidade no Brasil e no mundo, mas a disparada dos e-commerces traz à tona a iminente preocupação dos consumidores com a segurança de suas compras on-line. Questões como a autenticidade dos sites e a transmissão de dados bancários são as principais inseguranças dos clientes.
Apenas 2% da população brasileira confiam plenamente em sites de comércio ou de bancos, segundo uma pesquisa realizada pela Unisys este ano. Para mudar este cenário, a aposta dos e-commerces tem sido oferecer mais segurança aos consumidores por meio de selos de certificação digital, que garantem a confiabilidade dos sites e protegem as informações dos usuários.
Atualmente, existem dois tipos de selos: aqueles que apenas monitoram a qualidade do serviço e os prazos prometidos pelo site e o modelo SSL (Secure Sockets Layer), que atesta a autenticidade do domínio e cria um canal de criptografia entre o usuário e o servidor do portal.
Recentemente, a Google lançou um selo conhecido como Google Trusted Stores, que pretende ajudar os compradores a identificar quais lojas oferecem a melhor experiência na hora da compra. Ao passar o mouse sobre o selo do Trusted Stores, o consumidor pode ver as notas dadas pela Google ao site. No entanto, esse modelo de selo não passa de um ranking sobre a qualidade do atendimento de um e-commerce, não oferecendo então, nenhuma garantia específica de segurança. De acordo com a diretora comercial da empresa Certisign, Regina Tupinambá, o tipo SSL ainda é o mais completo e até hoje, nenhum hacker conseguiu quebrar esse protocolo.
“É muito importante para quem entra nesse mercado estar adequado e seguir as boas práticas de segurança, o que é possível mediante o aval de uma autoridade certificadora que conta com expertise e forte atuação no segmento de e-commerce. Mais do que a autenticidade, o selo dá credibilidade aos sites iniciantes e os coloca no mesmo patamar de confiabilidade que os grandes do setor”, explica Regina Tupinambá.
O trabalho feito pelas entidades certificadoras, como a Certisign, é auditado e fiscalizado pela ICP-Brasil, órgão criado por medida provisória em 2001. Segundo a executiva, ao clicar no selo o consumidor pode ver, em tempo real, o documento de validação do site. Ela acrescenta que hoje em dia os sites que não têm condicao de adequar seu serviço às exigências de uma autoridade certificadora provavelmente vão começar a sofrer prejuízos em seus volumes de negócios e ainda alerta sobre os e-commerces que simulam estar certificados por selos seguros.
“Quando acessamos alguns deles, ainda encontramos uma coleção de selos aplicados que ‘supostamente’ mantém o site seguro. Na verdade eles são apenas imagens ou logo de empresas que prestam outros serviços aos sites, sem identificar e proteger suas comunicações”, completa a executiva.
Com faturamento de R$ 250 milhões em 2011 e previsão de 20% a mais na receita de 2012, a Certisign foi a primeira empresa brasileira a fornecer esse tipo de serviço no país e continua suas apostas no comércio eletrônico brasileiro. Apesar de já contar com 80% das empresas do setor em sua carteira de clientes — tais como Magazine Luiza, Submarino, Americanas, Mercado Livre, OQVestir, NetShoes, entre outros, a empresa lançou em março uma campanha de incentivos para quem quer entrar no ramo.
A partir de um programa de descontos no fornecimento do certificado digital, a Certisign conseguiu incorporar mais 180 clientes, todos com menos de 18 meses de existência, abrindo oportunidade para que os novos sites de comércio eletrônico também possam investir num ambiente seguro para seus clientes.
“Nosso objetivo é preservar a segurança na internet, resguardando os usuários e estimulando a percepção do valor que um certificado digital tem", afirma a diretora comercial.


Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/tecnologia/crescimento-de-compras-on-line-cria-desafios-para-seguranca-no-commerce-5567810#ixzz23RUPPdMP 

Veja Também:


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…