Pular para o conteúdo principal

A seletividade do imposto sobre serviços

O IPI – Imposto Sobre Produtos Industrializados, de competência da União, é regrado pela seletividade, em função da essencialidade do produto, conforme inciso I, do § 3º, do art. 153, da Constituição Federal.
Por esta razão é que os chamados produtos do vício e do luxo, de que são exemplo bebidas, cigarros, perfumes, jóias e outros que tais, são tributados com alíquotas maiores do que as aplicadas a produtos de maior essencialidade, como alimentos de primeira necessidade, medicamentos e assemelhados, outra não sendo a razão vasta tabela composta por alíquotas diversas e numerosas. Já em relação ao ICMS – Imposto Sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e Sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação, de competência dos Estados e do Distrito Federal, a regra constitucional não obriga mas admite a sua seletividade.
Também esta é em função da essencialidade das mercadorias e dos serviços, conforme inciso III, do § 2º, do art. 155, da Constituição Federal, aliás o que tem sido objeto de litígios judiciais quanto à essencialidade da energia elétrica e dos serviços de comunicação, tributados que são atualmente por alíquotas mais elevadas. Tanto assim que se encontra tramitando no Egrégio Supremo Tribunal Federal Recurso Extraordinário a que foi atribuída repercussão geral.
Isso porque, em face do desenvolvimento econômico e social, mercadorias e serviços que antes eram de oferta limitada e só eram consumidos pelas classes de maior poder aquisitivo atualmente já não o são mais, sendo mesmo rotulados de universais, o mesmo ocorrendo com produtos industrializados sujeitos ao IPI – Imposto Sobre Produtos Industrializados, de que são exemplos equipamentos de informática e aparelhos de telefonia celular.
Quanto ao ISS – Imposto Sobre Serviços, de competência dos Municípios e do Distrito Federal, a Constituição Federal não faz alusão à obrigação ou permissão da seletividade. Limita-se nos seus incisos I a III, do § 3º, do art. 156, a remeter para a lei complementar a fixação de alíquotas máximas e mínimas; a exclusão de sua incidência na exportação de serviços para o exterior; e a regular a forma e as condições como isenções, incentivos e benefícios fiscais serão concedidos e revogados.
A Lei Complementar nº 116, de 31 de julho de 2003, que estabeleceu normas gerais daquele imposto, fixou a alíquota máxima em 5 por cento; ratificou a exclusão de sua incidência na exportação de serviços para o exterior, mas não estabeleceu sua alíquota mínima nem regulou a forma e as condições de concessão e revogação de isenções, diante do que há de ser aplicado o art. 88 do ADCT – Ato das Disposições Constitucionais Transitórias.
Segundo este, a alíquota mínima do imposto é de 2 por cento e não sendo objeto de isenções, incentivos e benefícios fiscais, que resulte, direta ou indiretamente, na redução desta alíquota, concluindo-se não ser possível isenção ou redução total do imposto, nem em caso de incentivos ou benefícios fiscais. E quanto à seletividade, ainda que a Constituição Federal não tenha estabelecido regramento, e não tendo o tema ainda sido levado aos Tribunais Superiores, a doutrina dominante é pela sua possibilidade, observados os seus correspondentes nas esferas da União (IPI) e dos Estados e Distrito Federal (ICMS), desde que respeitadas as alíquotas mínima de 2 por cento e máxima de 5 por cento. Claro que ao transformar esta seleção em Projeto de Lei – via de regra Complementar –  o Poder Executivo deverá se haver com bastante cautela no sentido de equilibrar o desenvolvimento local com a eficiência da arrecadação.

Fonte: Tribuna do Norte – RN via Mauro Negruni.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

eSocial: 53 Dúvidas Respondidas por Zenaide Carvalho

Zenaide Cavarlho é uma das pessoas que admiro, contadora, administradora, especialista em Auditoria e Controladoria, pós-graduanda em Direito do Trabalho e em Pedagogia Empresarial. Professora de pós-graduação em Análise Tributária, ministro treinamentos na área trabalhista e previdenciária para empresas privadas e órgãos públicos em todo o país. Mantém um o site http://www.zenaidecarvalho.com.br. Ela responde uma série de dúvidas  que chegaram a ela por email no Seminário pela UNIFENACON.
eSocial – Dúvidas Respondidas (parte 4) 1) Existe alguma Instrução Normativa que fale sobre a obrigatoriedade e o prazo das empresas em fazerem o SPED – Folha e DCT-PREV? Zenaide:  Não. O que saiu até hoje (23/10/2013) foi o Ato Sufis 05/2013 em julho, disponível no site WWW.esocial.gov.br. Lá diz que a agenda será disponibilizada em ato específico (que ainda não foi publicado). 2) Tem alguma previsão sobre qual o cronograma de ingresso para as empresas sem fins lucrativos? Zenaide:  tem uma agenda e…