Pular para o conteúdo principal

Na contramão da crise: uma aventura que cresce 700%


“MacGyver” de seu próprio negócio: como Vitor Torres e Fabio Bacarin conseguiram fazer uma disrupção no mercado de contabilidade, com a Contabilizei.

Fabio Bacarin tinha uma ideia: digitalizar menus de restaurantes. Inscreveu seu plano de negócios na aceleradora de Vitor Torres, mas foi logo rejeitado. Não que a ideia fosse ruim – pelo contrário, a startup tomou forma! O problema era que a aceleradora não tinha nenhuma expertise no meio. Apesar disso, Fabio tinha um brilho nos olhos diferente e Vitor ficou impressionado.

Assim nasceu não só uma amizade, como uma sociedade que tem dado certo desde 2012 e que deu origem a uma plataforma disruptiva de contabilidade para micro e pequenas empresas. Mas antes de falarmos da Contabilizei, precisamos falar de quem está por trás de tudo.

Da lama ao escritório

Volta a fita. O ano é 1990 e Vitor é um menino de apenas 8 anos que adorava assistir ao MacGyver na TV. Em sua imaginação, corria por trilhas cheias de lama, numa Land Rover verde oliva equipada de mantimentos e kits de sobrevivência. Sua mãe sempre perguntava:

- FILHO, O QUE VOCÊ VAI SER QUANDO CRESCER?

- EU VOU SER AVENTUREIRO

Talvez por isso ele tenha ido rastejar na lama 10 anos depois, quando atingiu a maioridade, nos treinamentos do Exército Brasileiro. Vitor foi Oficial por três anos, servindo como segundo tenente no Rio Grande do Sul. Enquanto isso, concluía a faculdade de Administração.

Por mais três anos, atuou como analista e consultor de negócios em consultorias internacionais em São Paulo. Depois de passar por vários estados brasileiros, foi buscar experiência fora do país. Em Londres, trabalhou por dois anos em sua área, no International Golf & Resort Management.

Mas a realização do sonho de aventura começou mesmo quando decidiu que iria empreender. De volta à sua cidade natal, Porto Alegre, fundou uma empresa de educação corporativa e consultoria em liderança, a Mind On. Apesar do sucesso, ele já sabia que queria iniciar um negócio de tecnologia. De mudança para Curitiba, fundou a Supernova, primeira aceleradora do Paraná, que o expôs à cena empreendedora tech no Brasil.

Startupeiro de formação

Enquanto isso, Fabio se graduava em Ciência da Computação na Universidade de Maringá. Foi da faculdade para a Celepar, uma empresa pública de Tecnologia da Informação, onde trabalhou como desenvolvedor por quase 7 anos.

Antes de sair, no entanto, Fabio já tinha sido contagiado pelo vírus do empreendedorismo. Começou duas empresas: a primeira foi a 3WMobile, que desenvolvia soluções em Android e IOS para empresas. A segunda foi a MenuRápido (o caso lá do início), uma plataforma online para transformar cardápios em aplicativos móveis com poucos cliques.

A época em que Fabio deixou a Celepar e a MenuRápido coincide justamente com o período em que a Contabilizei começou a ganhar corpo, em que os dois entraram totalmente de cabeça. O convite veio de Vitor depois de mais de um ano de pesquisas.

Pessoas certas e… dinheiro no bolso?

Vitor sempre viu a dificuldade das empresas lidarem com a parte contábil, quando consultor. Na Mind On, os desafios ficaram ainda mais claros, quando sentiu a burocracia na pele. As altas taxas e as etapas longas o frustravam por serem quase estritamente manuais e offline, o que permitia mínimo controle.

PERCEBENDO A OPORTUNIDADE DE AUTOMATIZAR UM PROCESSO ARCAICO, SE ENFURNOU NA FIRMA DE CONTABILIDADE DE UM AMIGO POR UM MÊS PARA OBSERVAR A DINÂMICA DO SETOR.

Mas Vitor não era especialista nem em contabilidade, nem em sistemas. Também não tinha capital para dar os primeiros passos, quanto mais casado, com uma filha de 10 anos, e a segunda a caminho. Escutou muitos “não” e “esquece isso”, de várias pessoas, mas ele sabia onde queria chegar. Só precisava de gente que topasse a aventura com ele.

Errou nessa escolha duas vezes, até se unir a Fabio, que comprou a ideia com muito entusiasmo. “Encontrar um desenvolvedor é fácil, mas o mais importante é encontrar um sócio desenvolvedor. E, aqui, está a grande diferença: sócio! Não digo na questão societária apenas, mas no comprometimento, na paixão pelo produto e em mudar a vida de milhares de micro e pequenos empresários no Brasil”, ele conta.

Por muito tempo, a Contabilizei sobreviveu com as economias da família. Vitor havia vendido sua parte da Mind On e seguiu em frente sem nenhuma remuneração. Foram mais de 12 meses sem dinheiro nenhum entrar, até receberem um investimento da Curitiba Angels em 2014. Foi só a cereja do bolo para o negócio começar a decolar.

Um modelo campeão

O modelo apostou em fornecer todos os serviços de um escritório de contabilidade tradicional – cuja contratação é obrigatória segundo a legislação brasileira -, mas na nuvem e com maior transparência.

Os clientes têm acesso em tempo real a relatórios e balanços e contam com suporte de contadores e especialistas, além de gerar guias de impostos online, notas fiscais eletrônicas e enviar alertas sobre datas de vencimentos. E como tudo é digital, os planos também são bastante acessíveis: “conseguimos repassar o ganho que temos em redução de custos para o cliente e democratizar o serviço”, conta Vitor.

Com isso, a Contabilizei consegue atender até 60 vezes mais MPEs que uma firma comum e gerar uma economia de até 90% em serviços contábeis, facilitando a vida de empreendedores. Dessa forma, eles mantêm suas empresas regularizadas, mas ainda têm tempo de focar no que importa: fazê-las crescerem!

Crise?

Por falar em crescimento, não tem nada que Vitor e Fabio têm feito além disso. Depois de um teste beta bem sucedido e o lançamento oficial da plataforma no início de 2014, a dupla aumentou a base de clientes em 1.200% em pouquíssimo tempo. No ano seguinte, o faturamento subiu mais de 700%.

Mas não pense que o trabalho é fácil, ou que a vida dos dois ficou mais tranquila quando veio o sucesso. A rotina de Vitor começa às 4h da manhã, quando todos em casa estão dormindo. Foi a forma que ele encontrou de equilibrar o trabalho e a convivência com a família.

Além disso, para lidar com a guinada e os recursos limitados, eles precisaram ser os “MacGyvers do próprio negócio”, brincam. Vitor, por exemplo, aprendeu a desenvolver sites com tutoriais de internet, executar rotinas contábeis e realizar o atendimento aos clientes, dado o volume da demanda.

EM MENOS DE DOIS ANOS, A CONTABILIZEI E SEUS 50 COLABORADORES PERMITIU QUE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS EM 30 CIDADES ECONOMIZASSEM MAIS DE R$25 MILHÕES EM SERVIÇOS CONTÁBEIS.

A trajetória do negócio e de Vitor e Fabio acabou chamando a atenção dos criadores do Mercado Livre, também fundadores da Kaszek Ventures, que entraram como sócias no último ano.

Novas aventuras

Não há dúvidas de que Vitor e Fabio estejam revolucionando o mundo dos negócios. Mesmo com uma crise em curso, eles conseguiram provar que a disrupção tem espaço no Brasil e que vencer essa aventura é viável – quem sabe até usando os obstáculos de um sistema burocrático a seu favor, não é mesmo?

Por causa dessa forte visão, espírito empreendedor e pelo diferencial e potencial de escala do negócio, os dois acabam de ser aprovados como Empreendedores Endeavor! O 64º Painel Intenacional de Seleção (ISP) aconteceu no último 27 de Maio, em Madrid, Espanha, onde enfrentaram a última fase do processo, após uma série de entrevistas e análises da empresa.

Com a aprovação, Vitor Torres e Fabio Bacarin passam a receber mentoria de uma rede composta pelos maiores empreendedores e especialistas de negócios do Brasil, para que continuem crescendo, gerando empregos e facilitando a vida de mais aventureiros fundadores de empresas pelo país.

Como em qualquer jornada desbravadora, desafios sempre vão surgir. Mas Vitor e Fabio nunca pensaram em desistir, nem mostram sinais de que a Contabilizei será qualquer coisa menor que gigante. Afinal, quando que o MacGyver achou alguma coisa impossível?

Fonte Endeavor Brasil

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…