Pular para o conteúdo principal

SPED: Gestão da Informação Digital – Uma nova era para as empresas contábeis


Por Felipe Ferreira Caldeira
A era digital tem exercido profundo impacto em pessoas e empresas. Ao longo do tempo, os escritórios contábeis passaram por evoluções digitais e tiveram que se adaptar. Nas décadas de 80 e 90, predominavam os Birôs e CPDs utilizando sistemas em MSDOS; nas décadas de 90 a 2000, eram os PCs e nova geração de sistemas em Windows. De 2000 até hoje, houve uma crescente utilização dos recursos da internet.
Especialmente na última década, a evolução digital foi ainda maior. A diminuição dos custos de Tecnologia da Informação (TI) foi outro fator que favoreceu a adoção de tecnologia pelos escritórios. Governos também se beneficiaram das evoluções tecnológicas e da diminuição dos custos, permitindo a criação de novas obrigações e formas de fiscalização, baseadas em arquivos magnéticos. Podemos citar: NF-e, Sped Contábil, Sped Fiscal, FCONT e Sped PIS Cofins. Com certeza muito mais está por vir com o EFD-Social.
Como assegurar que as informações estão sendo entregues corretamente? Quem pagará as multas pelos erros cometidos, os contadores ou empresários? Como ter uma gestão eficaz das informações digitais?
Estas perguntas têm sido feitas e não há uma resposta simples a todos estes anseios. É preciso avaliar uma série de fatores e quebrar alguns paradigmas para conseguirmos encontrar luz no fim do túnel.
De forma geral, a responsabilidade das informações entregues é de quem as produz. Exclusivamente sob este ponto de vista, caberia às empresas avaliar seus sistemas e garantir que as informações produzidas e armazenadas estejam corretas. Como garantir que as empresas estejam cientes desta importância?
Outro fator importante são as informações que não estão nos ERPs dos clientes e estão no sistema das empresas contábeis, e que são apuradas dentro dos escritórios.
Existe corresponsabilidade do escritório contábil neste processo? Como fazer para gerar os arquivos magnéticos de fontes distintas?
Sob o ponto de vista de que os contadores assinam pelas informações contábeis e fiscais, claramente existe um forte aspecto de responsabilidade.
É necessário promover uma maior proximidade entre os contadores, seus clientes e as empresas de software.
Uma verdadeira aliança com um objetivo comum: a gestão da informação digital.
Para gerenciar estas informações, é preciso uma mudança de cultura, rever conceitos e a forma de trabalho atual. O momento nos parece ideal para que cada escritório contábil crie um novo departamento em sua empresa, como o antigo CPD, mas que tivesse um foco direcionado para a gestão da informação digital, tendo profissionais capacitados que realizem ações proativas frente a seus clientes. É importante ressaltar que o perfil destes profissionais deve ser diferente, atuando mais como consultores, gerando informações gerenciais para seus clientes de forma on-line, acompanhando a saúde financeira das empresas, propondo melhoria em seus processos e garantindo que as informações digitais entregues ao Fisco estejam corretas. Agilidade, infraestrutura, software, conhecimento do negócio dos seus clientes são elementos importantes nesta nova etapa para executar um serviço com alto padrão de qualidade.
Os contadores também precisam do apoio das empresas de TI, que possuem recursos e ferramentas necessárias para integrar, consistir de forma analítica os dados, garantindo que não existam inconsistências fiscais e tributárias. Assim, haverá uma redução de custos, mais agilidade e segurança, trazendo benefícios para todos os envolvidos nesta aliança.
Estamos diante de uma nova era para as empresas contábeis, com muitos desafios mas ao mesmo tempo com muitas oportunidades.
Você está preparado?

Felipe Ferreira Caldeira
Gerente de Produtos da Prosoft Tecnologia Ltda.
Publicado na revista SESCON RJ  Número 96   Julho/Agosto de 2011

Veja Também:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…