Pular para o conteúdo principal

SPED PIS COFINS | Chegou a reta final. Velocidade ou direção? Como proceder?

Por Aurélio Moura Souza, da ASIS Projetos.
Qualquer profissional que esteja de alguma forma ligado ao Projeto SPED, já sabe que o mercado está passando por uma "turbulência" quando o assunto é EFD PIS COFINS.
De um lado, temos as empresas de Tecnologia (conhecidas como software-houses) correndo contra o tempo para desenvolver e ajustar seus módulos de extração dos arquivos a fim de atender as demandas do mercado. Na outra ponta, estão os contribuintes – também sobrecarregados e sob forte pressão, buscando respostas na tentativa de entregar com sucesso o Projeto EFD PIS COFINS.
Mas, aqui já nos deparamos com duas importantes questões.
1º – Tecnologia da Informação de um lado e contribuintes (usuários) do outro?
Sabemos que principalmente com a chegada do SPED, as áreas de "tributos" e "TI" devem estar em sinergia sempre, para que consigam juntos vencer os desafios e os próximos passos – que certamente não serão poucos.
2º – E o que significa, do ponto de vista fiscal, entregar com sucesso um arquivo?
Existe aqui um grande problema conceitual. O fato de um arquivo EFD PIS COFINS ter sido assinado, validado, e enviado não garante que sua empresa esteja livre de possíveis passivos tributários. Mesmo que o Programa Validador e Assinador do Sped Pis Cofins tenha realmente ficado "mais competente e criterioso" como dizem por aí, os contribuintes não devem se esquecer que existem diversas informações que o PVA não vai "enxergar" e que podem acarretar em pesadas autuações. Ainda nesse contexto de eficiência do PVA, chamamos a atenção para uma lógica conseqüência: como o PVA da Escrituração Fiscal Digital do Pis e da Cofins "não aceita qualquer informação", o tempo gasto na "fase de ajustes" tem sido muito maior…
Questões como essas vem sendo discutidas diariamente em todo o Brasil. Mas, o que precisa ser considerado (e em caráter de urgência) é: haja discussão ou não, culpemos o Fisco ou qualquer outro envolvido no projeto, o tempo está passando e o relógio não pára! Temos menos de 70 dias úteis para que se iniciem as primeiras entregas do arquivo.
Embora o foco deste artigo não seja causar ainda mais polêmicas (ou até mesmo abrir infinitas discussões que possam nos tirar do foco), é extremamente importante uma rápida reflexão para que esse cenário não se torne freqüente em nosso meio. Reflitamos:


“O que aconteceu com o tempo obtido a partir da prorrogação do prazo que trata a Instrução Normativa nº 1.161/2011 de 31 de maio de 2011?”
 … … … (?)
… … …(?)



Sem dúvida, existem as mais variadas respostas a essa indagação. Então, é possível perceber que mais uma vez, o mercado inicia sua corrida contra o tempo, inclusive "torcendo" para que exista uma nova prorrogação no prazo de entrega. Lembre-se que esse mesmo movimento aconteceu nos meses de fevereiro, março, abril e maio de 2011. Mas dessa vez, ainda vem com uma agravante diferença: temos também o F-Cont que já bate à nossa porta. A saber, a data de envio do arquivo F-Cont ano-calendário 2010, será excepcionalmente em 30/11/2011. A propósito, a sua empresa conseguiu se adequar corretamente? É certo que o assunto não está gerando tanta repercussão como o Sped Pis Cofins. Dois possíveis motivos; ou a maioria das companhias conseguiu de fato se adequar e estão somente aguardando a data do envio ou o fato de o foco estar voltado à EFD PIS COFINS acabou fazendo com que esse assunto foi deixado em segundo plano.
Chego inclusive a pensar que o problema não é o "relógio" e sim a "bússola". Lembre-se da máxima: a direção é mais importante que a velocidade!
Seja qual for a sua situação e o status de seus projetos internamente, fica aqui uma produtiva e eficiente dica:
Procure fornecedores e/ou profissionais que tenham expertise comprovada no "Projeto SPED", antes mesmo de tomar suas próximas decisões (seja seu "entrave" / "demanda" de cunho tecnológico ou de aspectos tributários, fiscais e contábeis).
Nesse cenário em que o mercado se encontra, é altamente recomendado que as empresas busquem trocar experiências e se relacionar com quem realmente entenda do assunto. Temos presenciado diversos casos em que uma única orientação de um especialista em SPED, gera grande economia de tempo no processo como um todo além de conferir maior segurança às empresas, pois são suportadas com decisões e ajustes extremamente assertivos e embasados.
De acordo com especialistas da ASIS Projetos (empresa com foco em projetos voltados ao SPED e especializada em Auditoria Eletrônica), com o know-how adquirido em outros projetos é possível ter uma visão bastante sistêmica do processo. Com o auxílio de uma empresa especializada, todo o processo poderá ser otimizado, porque em alguns casos o suporte da equipe técnica vai desde a correta geração e validação, até complexas checagens tributárias na qualidade das informações apresentadas, visando minimizar as exposições e riscos fiscais, inclusive auxiliando na geração de economia tributária sustentada de forma Legal.
Dessa forma, o campo de trabalho dos profissionais que atuam diretamente nesses projetos, não está limitado somente à geração e/ou validação dos arquivos no PVA, e portanto é mais provável que se tenha sucesso nas diversas fases do Projeto: Mapeamento dos Campos e Registros, Geração do Arquivo, Validação no PVA e Auditoria do Conteúdo (Dados Tributários). E não se esqueça: você deverá ainda ter certeza que sua EFD PIS COFINS está convergente com sua DACON. Por isso, essa ajuda externa é tão valiosa nesse momento. Para tal, se faz necessário uma metodologia de trabalho que consiga unir em seu escopo a experiência e a inteligência tributária às melhores ferramentas sustentadas em tecnologias de ponta.



Publicado originalmente em: SPEDNEWS 
Ver publicação original
* Aurélio Moura Souza é Gerente na ASIS Projetos em Minas Gerais.

Veja Também:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…