Pular para o conteúdo principal

COMPUTAÇÃO EM NUVEM | Modelo é a melhor opção para auxiliar empresas na adoção do SPED


A computação em nuvem está avançando no mercado brasileiro e já é o modelo de oferta adotado por grande parte dos fornecedores de software para diversos tipos de aplicação. A estratégia comercial de muitos deles contempla, inclusive, as áreas fiscal e tributária.
As empresas detectaram no projeto SPED (Sistema Público de Escrituração Digital) e em outras obrigações que já fazem (e as que farão em breve) do calendário fiscal e tributário dos potenciais clientes uma boa oportunidade para alavancar os negócios com a oferta de soluções na nuvem.
Na avaliação do professor Roberto Dias Duarte, especialista em questões fiscais e tributárias, as características do modelo e as particularidades do Brasil favorecem o avanço da computação em nuvem.
Sobre o conceito, é consenso no mercado que sua adoção reduz os custos operacionais, pois dispensa a empresa da necessidade de investir na montagem de uma infraestrutura tecnológica própria para rodar as aplicações.
Quem contrata o serviço paga um valor mensal correspondente ao serviço que efetivamente foi consumido e tem garantidos a manutenção, o suporte e o update dos equipamentos e sistemas.
No que diz respeito às particularidades o Brasil, o professor Duarte lembra que se trata de um país com dimensões continentais, que tem uma legislação fiscal e tributária complexa e um imenso mercado a ser explorado, que as empresas não conseguem suprir com o modelo tradicional de venda de licença de uso de software.
Como exemplo da complexidade legal, o professor lembra que o Brasil possui 33 normas legais modificadas por dia. Além disso, cada um dos 27 Estados, incluindo o Distrito Federal, e dos mais de 5,5 mil municípios adota legislações específicas de ICMS e ISS.
Para atender esse mercado no modelo de licença de uso seria preciso uma grande quantidade de profissionais qualificados para alimentar o sistema de ERP com os parâmetros de alíquotas, códigos tributários e normas, afirma. “Os fornecedores na têm como levar o serviço de tecnologia da informação para apoiar o negócio das empresas. E mesmo que fosse viável, não há pessoal disponível”, salienta.
Citando dados da Receita Federal, Sebrae e IBGE, o professor diz que o Brasil tem no total 7,127 milhões. Nem todos, porém, possuem software de ERP. Desse universo, 1,719 milhão fazem parte do programa Microempreendedor Individual (MEI); as que aderiram ao Simples Nacional somam 3,871 milhões; as tributadas com base no regime do Lucro Presumido são 1,387 milhão; e 150 mil empresas são do Lucro Real.
Mas há, também, os informais, que totalizam 13,800 milhões de empreendimentos, que tendem a regularizar sua situação perante o Fisco.
Com base nesse cenário, o professor Duarte acredita que a computação em nuvem é único modelo que permite alcançar esse contingente de empresas. Mas, segundo ele, existe um grande desafio. É que as micro, pequenas e médias empresas, que são a grande maioria, muitas vezes terceirizam o serviço de contabilidade e, não raro, a troca de informações ainda se baseia no papel.
“O empresário envia as notas fiscais em um envelope, o contador digita as informações e gera os arquivos para o SPED. Isso gera uma ineficiência e ineficácia grandes porque erros acontecem, sempre faltam documentos e as informações costumam ser imprecisas”, explica.
Quem pensa em explorar as potencialidades do mercado tem que ter em mente que precisa mudar esse cenário, ou seja, fazer com que a comunicação entre a empresa e o escritório contábil seja eletrônica e na nuvem, observa o professor Duarte.


Em http://www.tiinside.com.br/ via www.joseadriano.com.br




Veja Também:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…