11 de abr de 2012

SPED | O custo da tecnologia aplicada à contabilidade


Por Pedro Coelho Neto*
As empresas em geral têm sido obrigadas a investir pesado na aquisição de equipamentos e de softwares de gestão para atender a complexidade das operações e as exigências dos fiscos municipais, estaduais e federal. O mesmo tem acontecido nas empresas de prestação de serviços contábeis responsáveis pelas contabilidades da maioria das empresas de pequeno e médio porte.
O investimento maciço em tecnologias não tem sido uma exclusividade das áreas administrativas e contábeis. A prática da medicina, por exemplo, vem mudando diuturnamente, com a realização de exame cada vez mais sofisticados e que exigem equipamentos de alta performance. O mesmo tem ocorrido com outras áreas.
Dessa realidade ninguém pode fugir, entretanto os tomadores de serviços têm que dar o valor devido e reconhecerem os altos investimentos realizados pelos prestadores dos serviços para poderem prestar serviços de qualidade e com margem de risco aceitável.
É comum o cliente argumentar que com integração de sistemas, com a adoção do SPED Fiscal, o SPED Contábil e tantas outras novidades os serviços ficaram mais ágeis e, assim, demandarão menos mão de obra. Infelizmente isso não vem acontecendo. Pelo contrário, a contabilidade, seja executada interna ou externamente, está exigindo profissionais cada vez mais qualificados e antenados com a modernidade tecnológica. Portanto, é um engano pensar que os sistemas e as máquinas, principalmente no âmbito das ciências administrativas e contábeis, prescindirá do ser humano.
O que se tem observado é uma crescente gama de informações sendo exigidas pelos governos com tendência de que se estenda a todas as empresas, independente do porte. É preciso, assim, primar pela qualidade das informações enviadas ao fisco, pois elas serão a base das futuras autuações. Receber a visita de fiscais será cada vez mais raro, pois o correio será o mensageiro das más notícias decorrentes de informações inconsequentes.
Hoje já existem no mercado vários sistemas para rastrear irregularidades de forma preventiva e que nada mais são do que investimentos para um futuro mais tranquilo. Querer fazer economia nessa área é algo muito arriscado e pode custar caro para aqueles que preferem o barato em detrimento da qualidade.
*Pedro Coelho Neto é contador, sócio diretor da Marpe Contabilidade e atua como conselheiro do Grupo Brasileiro de Empresas de Contabilidade – GBrasil.
Fonte: Marpe Digital. Edição Nº 27 (2012)

Veja Também:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilhando idéias e experiências sobre o cenário tributário brasileiro, com ênfase em Gestão Tributária; Tecnologia Fiscal; Contabilidade Digital; SPED e Gestão do Risco Fiscal. Autores: Edgar Madruga e Fabio Rodrigues.

MBA EM CONTABILIDADE E DIREITO TRIBUTÁRIO DO IPOG

Turmas presenciais em andamento em todo o Brasil: AC – Rio Branco | AL – Maceió | AM – Manaus | AP - Macapá | BA- Salvador | DF – Brasília | ES – Vitória | CE – Fortaleza | GO – Goiânia | MA - Imperatriz / São Luís | MG – Belo Horizonte / Uberlândia | MS - Campo Grande | MT – Cuiabá | PA - Belém / Marabá / Parauapebas / Santarem | PB - João Pessoa | PE – Recife | PI – Teresina | PR – Curitiba/ Foz do Iguaçu/Londrina | RJ - Rio de Janeiro | RN – Natal | RO - Porto Velho | RR - Boa Vista | RS - Porto Alegre | SC – Florianópolis/Joinville | SP - Piracicaba/Ribeirão Preto | TO – Palmas

Fórum SPED

Fórum SPED