Pular para o conteúdo principal

SPED | NFe | Validade do XML baixado no Portal Nacional


Tenho observado nestes dias muitos comentários sobre este assunto. Entendo ser oportuno colocar um ponto de vista sobre o mesmo.
A legislação tributária exige que um contribuinte guarde pelo prazo decadencial todos os documentos que geraram a sua contabilidade do período. O procedimento legal no caso das NFe’s seria a guarda dos arquivos XML’s das mesmas. Isso obrigava ao contribuinte exigir dos fornecedores a disponibilização do mesmo.
Na prática quase ninguém cumpria com essa exigência. Fazendo uso da criatividade e do “jeitinho”, as softwarehouses passaram a buscar os dados das NFe’s diretamente no Portal da NFe, copiando os dados da consulta disponibilizada.
E qual seria o risco deste procedimento? Esta consulta não possui validade jurídica.
Recentemente a RFB alterou o site da consulta e provocou um “caos” nos sistemas contábeis, totalmente dependentes deste “chupa cabras”. O impacto foi enorme e gerou uma forte demanda por mudanças.
A disponibilização do download do XML foi um avanço conquistado pelas entidades que representam os contadores e as softwarehouses de sistemas contábeis.
Sem artifícios, as empresas passaram a ter acesso ao arquivo XML dos fornecedores diretamente do Portal Oficial da NFe. Com esta disponibilização, surgiu uma nova polêmica: Este arquivo seria válido? É necessário ainda obter o XML originário dos fornecedores? Sem o arquivo XML, os créditos poderiam ainda serem “glosados”?
Diversas opiniões foram colocadas em artigos publicados nestes últimos dias mas fica aqui um ponto de vista:
Os créditos poderiam ser “glosados” por falta do XML original? Somente se os arquivos e informações não constarem ou forem diferentes dos constantes da base de dados do FISCO. O FISCO buscará em auditoria as informações constantes dos seus bancos de dados e os confrontará com a escrituração da empresa. Somente se havendo diferenças estes créditos seriam indevidos!
E nestes casos somente o XML original poderia provar que mesmo não constando do banco de dados a NFe existe e é válida.       
Respeito as opiniões diferentes, mas sinceramente não acredito na hipótese um auto de infração que estorne os créditos por falta de XML de NFe constantes do banco de dados do FISCO. 
É possível multa formal? Sim, é possível mas na maioria dos FISCOS não existe inclusive previsão legal para esta autuação ou ela é muito insignificante. Mas no sentido estrito da lei é possível. Fica a consciência de cada um sobre o assunto e a mensuração dos riscos individuais. Recomendo por fim a leitura dos dois artigos abaixo elaborados por colegas que tratam do assunto para você forme sua opinião sobre o assunto.



  1. http://blogdosped.blogspot.com.br/2012/04/sped-nf-e-xml-baixado-do-portal-vale.html
  2. http://blogdosped.blogspot.com.br/2012/04/xml-baixado-no-portal-nacional-nf-e.html
Veja Também:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…