Pular para o conteúdo principal

O ICMS é ‘insalvável’, diz ex-ministro


Por Thais Heredia | Portal G1

A aprovação iminente das mudanças na cobrança do ICMS sobre os importados não garante o final da “guerra dos portos”, muito menos uma queda na “invasão” de produtos estrangeiros no país.
A Resolução 72, que está para ser aprovada pelo Senado Federal, pretende acabar com o privilégio de alguns estados na cobrança de um ICMS menor sobre as importações, criando uma alíquota única de 4% do imposto para todas as operações interestaduais com os produtos que entram no país.
“O ICMS é ‘insalvável’. Ele contém um erro de origem na reforma tributária de 1965, do governo Castelo Branco, que criou o imposto. O erro foi o de atribuir aos estados a arrecadação do principal  tributo do Brasil. Não era problema na época porque tínhamos um regime militar e o governo federal impunha um nível razoável de harmonização. Os estados não tinham poder para mudar as alíquotas”, comenta o ex-ministro Maílson da Nóbrega, sócio da Tendências Consultoria.
Foi a Constituição de 1988 que deu autonomia aos estados. A partir de então, cada estado passou a ter o poder de legislar sobre si mesmo, fixar alíquotas, dar isenção e decidir sobre prazos e formas de pagamento e hipóteses de incidência dos impostos.
“Já está provado que, dado a natureza do sistema político brasileiro, a autonomia dos estados não tem conserto.  Tentando acabar com a guerra dos portos, o  governo está atirando em espantalho. O incentivo (dado por alguns estados) de hoje é ruim, porque eles tomam receitas um do outro. Seguramente, (a resolução 72) vai ter efeito mínimo ou nulo no volume das importações, como quer o governo”, avalia Maílson.
Quem vai perder com as mudanças na cobrança do ICMS dos importados alega que a resolução 72 é inconstitucional porque fere o chamado pacto federativo, que dá a autonomia aos estados.  Alega ainda que vai perder bilhões de reais na arrecadação ao perder clientes, já que não vai mais fazer diferença, para os importadores, o valor do bilhete nos portões de entrada.
A diferença na taxação acontece há bastante tempo, principalmente no Espírito Santo e em Santa Catarina. O resultado é que muitos produtos importados que entram por esses lugares, acabam pagando menos imposto do que os nacionais. Além de causar prejuízo aos estados que optaram por não dar incentivos fiscais aos importadores.
O governo federal quer acabar com a regalia de poucos e se empenha, mesmo com ambiente político desfavorável, para passar logo pelo Congresso Nacional. Mas a tarefa mais árdua terá que vir em seguida.
“Como muitas coisas no Brasil, o governo vai ter que negociar para que os estados que serão prejudicados com a mudança tenham alguma saída.  Ninguém é contra um plano de desenvolvimento dos estados. Qualquer incentivo fiscal é legítimo, mas é preciso ter uma dose de isonomia na cobrança, para evitar distorções”, diz o economista Júlio Almeida, do IEDI.
No debate acalorado sobre a legalidade e eficiência das mudanças, há ainda a defesa de uma política de combate às desigualdades regionais do país.
“Eu não gosto desse nome, ‘guerra fiscal’. O problema das desigualdades regionais ficou totalmente em segundo plano. O histórico de concentração da riqueza no país não pode ser varrido para debaixo do tapete de uma hora para outra. A resolução 72 não vai resolver o que se propõe; a indústria vai continuar com o mesmo tamanho, com os mesmos problemas.”, avalia Michal Gartenkraut, conselheiro da consultoria Rosemberg e Associados.
Para mudar para valer o sistema tributário brasileiro, não dá para fugir da malfadada reforma tributária que transita em Brasília. Transita de um gabinete a outro, sem sair do envelope.
“Uma mudança para valer implica conquistar os governadores para um pacto ousado, passar uma borracha em tudo isso e criar um imposto nacional. Não é simples, é muito complexo, tem que vencer muitas barreiras”, diz Maílson da Nobrega.
Quem começa?

Veja Também:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…