Pular para o conteúdo principal

SPED | Admirável mundo novo na contabilidade


Por Carlos Meni,
Progresso industrial, expansão das corporações, avanços da ciência, crise econômica, desigualdades sociais. Descrito no livro Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley, de 1931, ainda no auge da Grande Depressão norte-americana, que balançou o mundo, este cenário é igual ao que estamos atualmente inseridos, mas incrivelmente diferente!
Este momento, que combina situações controversas, de preocupação pela crise europeia, e de euforia e efervescência no panorama brasileiro, faz desta ocasião algo sem igual na história do mercado nacional, em especial para setores como o contábil e de tecnologia da informação.
O Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) é desses casos emblemáticos. Por um lado, muitos estão assustados com a sua complexidade, enquanto outros surfam com desenvoltura por esta nova onda tecnologia. Outros, no entanto, dizem que o SPED é algo novo, e com certa razão, mas eu gosto de dizer que é apenas a estruturação das informações geradas pelas empresas em seu dia a dia de forma detalhada.
Com tal visão, é possível presumir que as empresas devam definir o quanto seria importante repensar a forma de fazer negócios e atender aos seus clientes. Afinal, não é à toa que o admirável mundo novo descrito por Aldous Huxley vislumbrava um futuro pautado por uma sociedade excessivamente organizada, padronizada e controlada pelos computadores. Qualquer semelhança não é mera coincidência.
A ideia de uma sociedade baseada no conhecimento está se tornando menos imprecisa e mais evidente a cada dia à medida que se evidencia a diferença que a capacidade humana pode fazer, na hora de processar a informação e transformá-la, a partir da sua experiência, criatividade, aprendizado técnico, em algo de valor.
Ter o poder e saber usar a informação: este é o grande diamante que está sendo lapidado pelo empresário da contabilidade para os seus clientes, trazendo muito valor ao seu negócio e ao de seus clientes. Este novo mundo em que vivemos desencadeou uma luta desenfreada por competitividade, gerando estresse e valores equivocados, para os quais o verbo ter, muitas vezes, supera o verbo ser em nossa sociedade.
Hoje, a informação é a matéria-prima e a tecnologia é o meio, mas é a habilidade intelectual o principal ingrediente do que é produzido, vendido e consumido no mundo. Milhares de reais estão sendo investidos pelas empresas contábeis na busca do conhecimento e em especialização, pelos contadores em todo o Brasil. A formação da inteligência contábil será muito exigida neste momento, com orientações e acompanhamento das operações, das atividades de cada cliente com suas especificidades.
A contabilidade é uma profissão que exige de seus profissionais estudo contínuo, pois são eles que auxiliam as empresas a realizar operações com rentabilidade e segurança contábil, fiscal e tributária que precisam para garantir a sustentabilidade de seus negócios.
Se até algumas décadas atrás a informação era dependente de um meio físico, como o papel, hoje ela está disponível em algum lugar na web e a agilidade ao acesso dela, em qualquer lugar e hora, é o ponto-chave para o sucesso.
As mudanças sentidas neste início do século XXI vão muito além das produzidas pelas inovações tecnológicas. O que se está transformando é a dinâmica da forma de gerenciar as empresas e os negócios, fazendo surgir um mundo novo para a contabilidade brasileira. Um mundo com o qual e para o qual as empresas devem se voltar. Um mundo onde as empresas contábeis são realmente responsáveis pelo sucesso das organizações.
Tão diferente e admirável!

Carlos Meni, presidente da Prosoft Tecnologia

Veja Também:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…