Pular para o conteúdo principal

Mundo Contábil | Contabilistas em Tempos Modernos



Por Alex Araujo

Outro dia estava assistindo ao filme "Tempos Modernos", um clássico do gênio Charlie Chaplin. Este filme foi produzido em 1936 e nunca esteve tão atual dentro do conceito de sociedade moderna. Todavia, eu, enquanto contabilista peço licença e tomo a liberdade de me apropriar de algumas idéias desta magnífica obra, para demonstrar o quanto as mesmas fazem parte de nosso cotidiano.


O filme se inicia em uma fábrica onde os operários são constantemente monitorados pelo dono, através de circuito interno de TV, recurso que não existia na época. Além do "monitoramento digital" os operários eram vigiados por supervisores e capatazes, que os forçavam a produzir continuamente, sem descanso, exceto para o almoço e toalete (muito rapidamente). Em um determinado momento uma mosca pousa no rosto do personagem de Chaplin e ele embora incomodado, não pode parar sua produção para espantá-la. Neste momento visualizo nós, profissionais contábeis, abarrotados de atividades a serem cumpridas em tempo hábil (produção). Estamos constantemente sendo monitorados por sistemas que cruzam informações e vigiam se estamos fazendo tudo certo de acordo com a visão do fisco. Os fiscais, embora no cumprimento de seu dever, ficam em cima de nós, como os supervisores e capatazes da fábrica, nos cobrando, nos pressionando, mais em busca de uma brecha do que de acertos. Como se não soubéssemos que um pequeno erro pode nos custar duras penalidades.

A mosca que incomoda o personagem simboliza o quanto abdicamos de nossas vidas, sem ter tempo até para cuidar de coisas simples e isso irrita bastante. Por conta de tantas obrigações acessórias a serem apresentadas, tantas responsabilidades, deixamos de cuidar de nossas vidas da maneira adequada para cuidar dos problemas de nossos clientes. Quantos profissionais estão deixando de cuidar de sua saúde, de seus estudos, de suas finanças, família, porque dedicam quase todo o seu tempo para atender exigências fiscais, contábeis, legais, etc ?

Num outro trecho do filme, o dono da fábrica aparece de repente numa tela de vídeo dando ordem para que o capataz aumente a velocidade das máquinas e consequentemente acelere a produção. Isto me lembra o momento em que estamos produzindo normalmente e inesperadamente os órgãos de fiscalização implementam uma nova declaração, com um tempo extremamente curto para a entrega e isto acelera demasiadamente o ritmo de trabalho (como se já não tivéssemos o bastante). Muitas vezes para dar conta é necessário contratar mais mão de obra, aumentando assim as despesas. Se não quiserem ter mais gastos é simples: trabalhe mais e trabalhe até mais tarde. Você é obrigado a adaptar-se ao ritmo que lhe é imposto.

Retornando ao filme, após acelerar o ritmo de trabalho, o personagem de Chaplin começa a ter surtos seguidos de tiques nervosos, provocados por esforço repetitivo. Quantos profissionais se encontram assim neste momento ? Os tiques aqui representam o forte estresse ao qual somos submetidos sumariamente. Assim como o personagem do Chaplin surtou, imagino que falta muito pouco para que muitos profissionais da área contábil também tenham surtos. Muitos erros cometidos pelos colegas e por nós mesmos acontecem por conta do cansaço, fadiga, estresse, etc. Resumindo: muitos são induzidos ao erro.

A realidade atual se confunde com a ficção e a rotina dos contabilistas nesses "Tempos Modernos" parece um filme interminável. Seria cômico se não fosse trágico, contudo, este é o drama vivido pelos contabilistas, documentado verdadeiramente num filme em preto e branco.
www.administradores.com.br | via www.joseadriano.com.br

Veja Também:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…