Pular para o conteúdo principal

Mundo Contábil | Contabilistas em Tempos Modernos



Por Alex Araujo

Outro dia estava assistindo ao filme "Tempos Modernos", um clássico do gênio Charlie Chaplin. Este filme foi produzido em 1936 e nunca esteve tão atual dentro do conceito de sociedade moderna. Todavia, eu, enquanto contabilista peço licença e tomo a liberdade de me apropriar de algumas idéias desta magnífica obra, para demonstrar o quanto as mesmas fazem parte de nosso cotidiano.


O filme se inicia em uma fábrica onde os operários são constantemente monitorados pelo dono, através de circuito interno de TV, recurso que não existia na época. Além do "monitoramento digital" os operários eram vigiados por supervisores e capatazes, que os forçavam a produzir continuamente, sem descanso, exceto para o almoço e toalete (muito rapidamente). Em um determinado momento uma mosca pousa no rosto do personagem de Chaplin e ele embora incomodado, não pode parar sua produção para espantá-la. Neste momento visualizo nós, profissionais contábeis, abarrotados de atividades a serem cumpridas em tempo hábil (produção). Estamos constantemente sendo monitorados por sistemas que cruzam informações e vigiam se estamos fazendo tudo certo de acordo com a visão do fisco. Os fiscais, embora no cumprimento de seu dever, ficam em cima de nós, como os supervisores e capatazes da fábrica, nos cobrando, nos pressionando, mais em busca de uma brecha do que de acertos. Como se não soubéssemos que um pequeno erro pode nos custar duras penalidades.

A mosca que incomoda o personagem simboliza o quanto abdicamos de nossas vidas, sem ter tempo até para cuidar de coisas simples e isso irrita bastante. Por conta de tantas obrigações acessórias a serem apresentadas, tantas responsabilidades, deixamos de cuidar de nossas vidas da maneira adequada para cuidar dos problemas de nossos clientes. Quantos profissionais estão deixando de cuidar de sua saúde, de seus estudos, de suas finanças, família, porque dedicam quase todo o seu tempo para atender exigências fiscais, contábeis, legais, etc ?

Num outro trecho do filme, o dono da fábrica aparece de repente numa tela de vídeo dando ordem para que o capataz aumente a velocidade das máquinas e consequentemente acelere a produção. Isto me lembra o momento em que estamos produzindo normalmente e inesperadamente os órgãos de fiscalização implementam uma nova declaração, com um tempo extremamente curto para a entrega e isto acelera demasiadamente o ritmo de trabalho (como se já não tivéssemos o bastante). Muitas vezes para dar conta é necessário contratar mais mão de obra, aumentando assim as despesas. Se não quiserem ter mais gastos é simples: trabalhe mais e trabalhe até mais tarde. Você é obrigado a adaptar-se ao ritmo que lhe é imposto.

Retornando ao filme, após acelerar o ritmo de trabalho, o personagem de Chaplin começa a ter surtos seguidos de tiques nervosos, provocados por esforço repetitivo. Quantos profissionais se encontram assim neste momento ? Os tiques aqui representam o forte estresse ao qual somos submetidos sumariamente. Assim como o personagem do Chaplin surtou, imagino que falta muito pouco para que muitos profissionais da área contábil também tenham surtos. Muitos erros cometidos pelos colegas e por nós mesmos acontecem por conta do cansaço, fadiga, estresse, etc. Resumindo: muitos são induzidos ao erro.

A realidade atual se confunde com a ficção e a rotina dos contabilistas nesses "Tempos Modernos" parece um filme interminável. Seria cômico se não fosse trágico, contudo, este é o drama vivido pelos contabilistas, documentado verdadeiramente num filme em preto e branco.
www.administradores.com.br | via www.joseadriano.com.br

Veja Também:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…