Pular para o conteúdo principal

Mundo Contábil | Valorize-se, contador! Porque se nem você não o fizer, ninguém o fará!


Por Cassius Coelho
Batendo na mesma tecla, mas com notas mais graves

Desde criança comecei a participar dos movimentos classistas, levado pelos meus pais. Recordo dos discursos e falas que ressaltavam a importância de valorização da classe contábil. Isso nos idos de 1985 mais ou menos. 
De lá pra cá muitas gestões passaram pelos conselhos e entidades e continuamos a propagar, ouvir e discutir sobre a necessidade de valorização da classe contábil. 
Quase 30 anos depois e ainda são muitos os debates relacionados à falta de valorização da classe e lamentações por parte de muitos profissionais que reclamam que não estão sendo valorizados como deveriam, que os empresários não querem pagar os honorários adequados pelos serviços prestados, que o fisco e diversos órgãos públicos desprezam a importância dos profissionais da contabilidade e que os próprios colegas de profissão se desvalorizam com o aviltamento de honorários. 
Refletindo sobre o que de fato acontece e na posição de gestor e presidente atual do CRC-CE, procurei entender os diversos aspectos que poderiam influenciar ou ser os causadores de tantos anos de "descaso" ou de desvalorização para com a profissão e entendo que a visão sobre a questão precisa ser posta por outro ângulo. 
Gosto de comparar a valorização profissional a um relacionamento entre um casal. Muitas vezes exigimos ser amados, queridos, respeitados, mas sequer nos amamos como pessoa, nem cuidamos de nossa saúde, de nossa aparência e reclamamos por que o parceiro deixa de gostar, ou não nos ama o quanto gostaríamos de ser amados, e ficamos sem entender por que os relacionamentos acabam. 
Na ótica profissional vejo da mesma forma. Não adianta reclamarmos que nosso cliente não nos valoriza, não quer pagar os honorários que julgamos ser justo, ou ainda que os órgãos públicos não nos dão o devido valor, se nas oportunidades que temos de levantar a bola e nos valorizar, muitos sucumbem e praticamente se sujeitam a cobrar valores ridículos por serviços de altíssimo risco, com prazos cada vez mais apertados e multas confiscatórias e que exigem conhecimentos especializados que foram adquiridos a custa de muito sacrifício e investimento em capacitação e treinamentos. 
Claro que há exceções, que nos deparamos como empresários desonestos, com servidores públicos corruptos ou coisas que o valham, mas não creio que isso seja a regra. 
Defendo que precisamos buscar, incondicionalmente, reconhecer o nosso valor, olhando de frente para os desafios e demandas de nossa profissão, e cônscios de nosso papel enquanto profissionais e da importância que temos para a sociedade empresarial, mostrarmos que podemos e devemos ser reconhecidos pelo que somos. 
Contador que cobra esmola como se honorários fosse, está na hora de começar a repensar a profissão que escolheu e mudar o rumo! 

Valorize-se, contador! Porque se nem você não o fizer, ninguém o fará! 

Cassius Coelho
Presidente do CRC-CE
Fonte: http://www.crc-ce.org.br/crcnovo/home.php?st=listinfo&info_id=644#opiniao

Veja Também:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…