Pular para o conteúdo principal

Mundo Digital | TJ-MS adotará processo digital em 2º grau a partir de julho


O Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul (TJ-MS) programou para o dia 23 de julho o lançamento do sistema de processo digital em segunda instância.
Significa que todas as novas ações tramitarão em formato digital e deverão ser peticionadas eletronicamente. A medida vale, também, para os processos digitais em andamento nas comarcas.
Desta forma, todos os recursos relativos a processos digitais de qualquer comarca do Estado deverão ser encaminhados digitalmente para o Tribunal de Justiça. Somente serão aceitos fisicamente os recursos oriundos de processos físicos.
A decisão de implantar o processo eletrônico em julho foi tomada em decorrência do volume de processos digitais encaminhados ao TJ-MS: 5 mil no total, dos quais mais de 3 mil deles referentes a recursos da Fazenda Pública de Campo Grande, revela o desembargador Luiz Tadeu Barbosa Silva, presidente do Comitê Gestor de Informática do Poder Judiciário de Mato Grosso do Sul.
“A expectativa é de que o Tribunal de Justiça entre na vanguarda, tornando-se o primeiro tribunal estadual com tramitação exclusivamente eletrônica de processos, em aproximadamente dois anos”, comenta.
Para a condução do projeto, o TJ-MS implantou o SAF SG5, o sistema que permite a tramitação eletrônica de processos em 2º grau.
De acordo com Arnaldo Liogi Kobayashi, diretor da Secretaria Judiciária do TJ-MS, a exemplo dos processos digitais de 1º grau e juizados, os advogados precisarão fazer uso do certificado digital padrão ICP-Brasil para fazer a petição eletrônica.
O horário de peticionamento, que hoje coincide com o período de funcionamento do tribunal, passará a ser das 6 às 23 horas por meio do Portal E-Saj.
A orientação é para que os advogados sejam sucintos em suas petições, a fim de evitar o sobrecarregamento do sistema em decorrência do tráfego de arquivos muito grandes.
Uma das grandes vantagens da adoção do processo eletrônico é a extinção do chamado “tempo morto” do processo.
O feito digital garante celeridade nas ações e o serviço se torna menos braçal, pois atividades como juntadas de documentos, carga dos autos, numeração de páginas e colocação de capas nos processos são eliminadas.
Os servidores encarregados destas funções podem se dedicar a trabalhos mais técnicos, garantindo assim um andamento mais rápido dos processos.
Em outro esforço de modernização e busca de agilidade em procedimentos tais como inquirição de testemunhas e interrogatórios, o TJ-MS implantou um sistema de videoconferência.
A ferramenta, que já faz parte da realidade dos magistrados de Campo Grande e de 22 comarcas desde 9 de março, pode ser utilizada também para a realização de cursos voltados aos juízes e servidores.
No total, foram adquiridos 30 terminais de videoconferência de alta tecnologia. Em Campo Grande foram instalados oito pontos de equipamentos.
Os restantes funcionam nas comarcas de Dourados, Corumbá, Três Lagoas, Ponta Porã, Paranaíba, Dois Irmãos do Buriti, Chapadão do Sul, Jardim, Nova Andradina, Coxim, Bandeirantes, Terenos, Cassilândia e Miranda.
O sistema permite que as videoconferências sejam gravadas, além da transmissão com áudio e vídeo, semelhante a uma ligação telefônica. São diversos ramais instalados e, para realizar uma videoconferência com determinado local, basta chamar o ramal desejado.
“Com a videoconferência, teremos um trabalho mais eficaz e isso significa dizer uma prestação jurisdicional mais eficiente”, comenta o desembargador Luiz Carlos Santini, presidente do TJ-MS.
Segundo ele, o judiciário do Mato Grosso do Sul será o primeiro no País a ter a totalidade de suas comarcas digitalizadas.  “Das 54 comarcas, 37 já são totalmente digitais e estimamos que até outubro as restantes também o sejam”, acrescenta.
Já o desembargador Ruy Celso Barbosa Florence, diretor-geral da Escola Judicial de Mato Grosso do Sul (EJUD/MS), destaca que “por meio de convênios e parcerias firmadas em todo o País, mais de 200 magistrados e mais de 4 mil servidores serão alcançados pela nova ferramenta.”

Veja Também:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…