Pular para o conteúdo principal

PIS e COFINS e os créditos sobre insumos: basta ser utilizado ou é necessário ser essencial?


A definição de insumos é a questão mais polêmica de PIS e COFINS. Boa parte dessa polêmica se deve ao entendimento adotado pela Receita Federal, que, nas palavras do próprio Superior Tribunal de Justiça – STJ, “restringiram indevidamente o conceito de insumos”. Mas a problemática não está restrita ao órgão fiscalizador. Ainda encontramos muitas divergências na jurisprudência, tanto administrativa, quanto judicial.

A jurisprudência

É de longa data que os órgãos julgadores vêm rechaçando a definição adotada pelo fisco (baseada no IPI) e aquela desejada pelos contribuintes (amparada no IRPJ). Como já afirmou o STJ, o conceito de insumos para as contribuições sociais:

não se identifica com a conceituação adotada na legislação do Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI, posto que excessivamente restritiva. Do mesmo modo, não corresponde exatamente aos conceitos de "Custos e Despesas Operacionais" utilizados na legislação do Imposto de Renda - IR, por que demasiadamente elastecidos.

De fato, as Leis nºs 10.637/2002 e 10.833/2003, ao permitirem o aproveitamento de créditos sobre “bens e serviços, utilizados como insumo na prestação de serviços e na produção ou fabricação de bens ou produtos destinados à venda”, não quiseram limitá-los aos gastos aplicados ou consumidos diretamente na produção, como vem entendendo o fisco a partir da aplicação da Instrução Normativa SRF nº 404/2004. E igualmente, não quiseram alcançar todos os gastos da empresa, como muitas vezes esperam os contribuintes.

Não estaria correta, portanto, a Receita Federal quando não aceita o aproveitamento de créditos sobre gastos com serviços de limpeza da área fabril (Solução de Consulta 419/2010 - 8.ª Região Fiscal), como também não estaria correto o contribuinte que espera enquadrar como insumo os gastos com propaganda e publicidade, pelo simples fato de serem necessários à atividade.

Como vem entendendo a jurisprudência, o conceito de insumos está muito próximo à definição de custos de produção da contabilidade. Este é o entendimento que também tenho expressado nas várias edições do livro “Definição de insumos para apropriação de créditos do PIS e da Cofins”.

Todavia, ainda que mais equilibradas, as decisões dos órgãos julgadores não deixam de apresentar algumas divergências. Em alguns casos, a conceito de custos de produção é reduzido e em outros é ampliado. E dessas variações chega-se ao objeto deste artigo, que é saber se o conceito de insumos está restrito àquilo que é “essencial ao processo produtivo” ou se bastaria ter sido “utilizado no processo produtivo”.

Utilizado ou essencial?



Para melhor compreensão deste impasse, podemos voltar ao exemplo dos gastos com limpeza. Em algumas atividades, a exemplo da indústria alimentícia, são essenciais ao processo produtivo, seguindo determinações das autoridades sanitárias. Em outras situações, como no caso de uma metalúrgica, essa essencialidade não é tão aparente, até por falta de imposições legais.

Para enquadrar no conceito de insumos das Leis nºs 10.637 e 10.833 seria necessário comprovar essa essencialidade ou bastaria demonstrar se houve tal gasto? De acordo com o Acórdão 3401-002.547, de 16/05/2014, da Quarta Câmara do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais - CARF, para que algo seja enquadrado como insumo “é necessário constatar a essencialidade do bem ao processo produtivo do contribuinte”.

Por meio do Acórdão 3101-001.606, de 28/08/2014, a Primeira Câmara do CARF decidiu que “não cabe ao intérprete dimensionar a necessidade ou a essencialidade material dos bens e serviços adquiridos, mas tão somente verificar se foram ou não utilizados”.

Ou seja, com apenas três meses, estamos diante de decisões antagônicas, que não possuem nem lapso temporal para justificá-las!

Conclusões

No caso em tela, entendo correta a segunda decisão – e não por que é mais favorável ao contribuinte – mas pelo simples fato de que as Leis nºs 10.637 e 10.833 colocaram como condição que o bem ou serviço fosse UTILIZADO no processo produtivo. As Leis poderiam ter limitado aos gastos ESSENCIAIS, mas se não o fizeram, não cabe a nós – intérpretes da lei – o fazer, como bem colocou o Acórdão do qual sou partidário.

Apesar de termos avançado bastante na definição do conceito de insumos, ainda não podemos fixar exatamente quais são seus limites nos órgãos julgadores, haja vista que cada decisão possui suas peculiaridades.

Isso reitera a importância de uma eficiente gestão do risco fiscal, na qual os operadores da área tributária devem conhecer, além da legislação, a posição do fisco, dos órgãos julgadores e da doutrina, de maneira a formar sua convicção e orientar os órgãos decisores da empresa para que possam seguir os melhores caminhos, balanceando riscos e benefícios.

por Fabio Rodrigues de Oliveira

Sócio-diretor na Systax Sistemas Fiscais

Fonte: Linked in

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…