Pular para o conteúdo principal

Retificando a ECF – alguns impactos para pensar

Com a entrega da ECF 2015, em 31/07/2016, surgem algumas ideias e necessidades em relação às retificações. Questionamentos estão em vários aspectos, por exemplo a retificação da ECF implica na retificação da ECD? E o contrário também vale, ou seja, se retificar a ECD será preciso retificar a ECF? Haverá impacto na DCTF? E então é melhor retificar ou não?

Esgotar o assunto em tão poucas palavras seria impossível.  Mas ajuda sempre é benvinda. Então, na medida do possível, revisitar o processo de apuração e fechamento mensal do IRPJ e CSLL visa uma entrega segura e eficaz das obrigações acessórias.

Para iniciar, suponhamos que seja necessário a substituição da ECD após a entrega da ECF e, por hipótese, esta substituição implicar em alterações nas contas de resultado (lucro contábil), por isso o Lucro antes do IRPJ/CSLL sofrerá alterações tornando necessária a retificação da ECF.  Outra situação seria se, as diferenças no resultado tenham sido corrigidas no PVA da ECF antes do envio desta. Assim, a ECF estaria correta e a ECD, em tese, exigiria a retificação, para desta forma, manter a integridade entre a ECD entregue e aquela recuperada na ECF.

 A segunda pergunta é: Caso seja necessário retificar a ECF preciso substituir a ECD? De modo geral a reposta é não, a exceção será quando a origem da informação seja a ECD. Como citado no parágrafo anterior, é possível realizar manutenções no PVA ou livro digital da escrituração sem a necessidade de substituir a ECD, se for adequado para a correção.

E como estará a DCTF (não pensemos ainda na DCTFweb)? Nesta hipótese, dependerá do impacto do erro. Se os valores declarados para um determinado período estariam inconsistentes e ao preencher a ECF (julho do ano seguinte) o erro fosse identificado com origem no LALUR, por exemplo, gerando um valor maior a recolher haverá necessidade de retificar também a DCTF, bem como, recolher valores em atraso, também.

Para pensar em cenários mais graves, imaginemos a necessidade de retificações/substituições de anos anteriores. A ECF, por exemplo, pode ser retificada em até 5 anos. Quantas DTCF’s mensais estariam passíveis de correção e a complexidade do processo de cancelamento de autenticação da ECD? Enfim, são muitos cenários que deveremos avaliar no cumprimento das obrigações contábeis.

Com base no exposto acima, urge a mudança de cultura no controle de LALUR/LACS e nas demais obrigações acessórias. Os controles realizados de forma totalmente apartadas ainda comum, em planilhas para adições/exclusões, sem correspondente registro contábil (quando isso for necessário) estarão sob olhar rigoroso dos entes fiscalizadores. Estes ajustes, podem invalidar um livro digital da ECF, quando geram inconsistências de valores.

Assim como é feito para o ICMS, PIS e COFINS (EFD ICMS/IPI, EFD Contribuições) existe uma rotina mensal a ECD e ECF mensal deve estar na mesa de trabalho dos profissionais do IRPJ e escrita Contábil. Isso por conta do SPED? Não! Como forma das empresas minimizarem  erros e garantirem que suas apurações são confiáveis e precisas. E o cumprimento das obrigações acessórias apenas fazem parte da rotina mensal.  Sistemas como o Decision SPED, podem ajudar de forma muito categórica, pois aliam robustez em processamento de grandes volumes de dados, bem como inúmeras regras de validação e conciliação para avaliação automática dos valores declarados. Usar apenas uma fonte concentradora de informações tributárias e contábeis para o fim específico de apuração de resultado e escrituração é uma das melhores práticas.

Por Ronaldo Zanotta, Consultor Decision IT

Fonte: Decision IT via Mauro Negruni

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…