Pular para o conteúdo principal

BUSINESS INTELLIGENCE | Fisco mineiro usa soluções analíticas para otimizar gestão de arrecadação

Um comentário: O Fisco de Goiás utiliza uma solução de BUSINESS INTELLIGENCE da SAP, o Business Objects, desde 2006 com resultados efetivos no monitoramento de contribuintes e incrementos reais da arrecadação. E você ainda não sabe o que é BUSINESS INTELLIGENCE ? O Fisco sabe e usa !!!


O artigo original:

A empresa SAS venceu licitação para implantar soluções analíticas na Secretaria da Fazenda de Minas Gerais. O edital foi aberto no final de 2010 e o contrato, assinado em maio do ano passado.
O projeto ainda está em andamento e a previsão é de que seja concluído no início do próximo ano. Mesmo assim, os benefícios já podem ser mensurados, observa Soraya Naffah, diretora da Superintendência de TI da Secretaria de Fazenda.
Colocada em prática para dar uma ampla visão dos contribuintes, desde a arrecadação aos indicadores de desempenho, a iniciativa fez da Secretaria da Fazenda pioneira na modelagem estatística de previsão de contribuintes.
Além disso, gerou inteligência nas análises de informações recebidas pela Secretaria de Fazenda, que é responsável pelo processamento de mais de 800 mil Notas Fiscais Eletrônicas (NF-e) por dia.
Outra abordagem que justificou o desenvolvimento do projeto é o ganho de excelência e modernização dos processos internos.
O principal objetivo foi proporcionar uma melhor estrutura à instituição, capaz de contribuir de forma efetiva na formulação das políticas econômica, financeira, fiscal e tributária.
“Partimos do zero. Saímos do processo manual de análise de dados de tributação, fiscalização e arrecadação para uma plataforma analítica que nos proporciona visão holística das informações”, afirma Soraya.
Segundo ela, “com aumento no volume de dados ficou praticamente impossível tratar tantas informações sem um sistema analítico como este”.
As soluções analíticas implementadas – previsão da arrecadação, indicador de desempenho fiscal e painel executivo – serão responsáveis pela integração de dados, estudos sob demanda, mineração de informações e textos, previsão e simulação de cenários, além de otimização de fiscalizações e painel executivo integrado com mapas georreferenciados.
A partir desses projetos desenvolvidos, as Superintendências de Fiscalização e de Arrecadação, além da Subsecretaria do Tesouro, terão conhecimentos importantes das informações dos contribuintes, o que ajudará na tomada de decisões.
A Secretaria de Fazenda informa que está fazendo investimentos para ampliar e aprimorar a oferta de serviços através do Sistema Integrado de Administração da Receita Estadual (Siare).
No final de junho, foram implementadas as seguintes melhorias no módulo de Nota Fiscal Avulsa:
1) Permitir ao usuário externo “reimprimir” a Nota Fiscal Avulsa cujo registro no sistema conste como já “impressa”.
2) Permitir ao usuário externo imprimir sua Nota Fiscal Avulsa quando a fase do requerimento de NFA for igual a “Deferido” ou “Deferido Automático”, mesmo se a data de saída indicada no requerimento estiver vencida. Nesse caso, ao ser acionado o comando “Imprimir NFA”, a data vencida será automaticamente substituída, pelo sistema, para a data atual.


Veja Também:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…