Pular para o conteúdo principal

Como pensa a nova geração do empreendedorismo contábil

Além de dominar a técnica da profissão, eles estão mergulhando em áreas
essenciais a qualquer outra empresa, como gestão de marketing e estratégias de
engajamento de Recursos Humanos.
Delegar as tarefas operacionais para se dedicar em período integral à gestão da empresa, adotar estratégias de marketing voltadas a segmentos específicos e investir em tecnologia de ponta a fim de atender clientes a cada dia mais exigentes em relação à qualidade dos serviços contratados.

Se para muitos dos contadores considerados tradicionais tudo isso pode parecer um enorme bicho-de-sete-cabeças, os novos empreendedores contábeis têm encarado essa transformação com naturalidade e de maneira assertiva.

Em geral, já compreenderam que apenas os conhecimentos técnicos não são mais o bastante para criar um negócio sustentável e bem-sucedido no ramo contábil. Por isso, além de dominar a técnica da profissão, eles estão mergulhando em áreas essenciais a qualquer outra empresa, como gestão de marketing e estratégias de engajamento de Recursos Humanos.

Ao contrário de muitos empresários tradicionais, estes jovens concebem a tecnologia como condição natural de existência do ser humano e reconhecem a importância de estudar o empreendedorismo antes de dar os seus primeiros passos rumo à vida empresarial.

Este movimento, na realidade, faz parte da própria mudança do perfil do empreendedor brasileiro, cujo nível de exigência em relação ao mercado em que atua tem crescido exponencialmente.

A partir do momento que ele se prepara, faz um plano de negócios detalhado e se dedica a uma análise mercadológica eficiente, dentre outros fatores, passa a exigir de seus fornecedores o mesmo profissionalismo e seriedade em sua atuação.

Hoje, no Brasil, apenas 13% dos empreendedores procuram o auxílio de profissionais especializados antes de abrir o seu negócio. Na área contábil, por sua vez, percebo que um percentual ainda pequeno dos cerca de 54 mil escritórios está se preparando para inovar sua oferta de serviços, indo muito além do mero cumprimento de obrigações acessórias. Eles buscam a excelência em seus processos internos por meio de programas de certificação de qualidade, mas não param por aí. Sabem que para inovar precisam de apoio estratégico, tecnológico e mercadológico.

A tendência é que estes números cresçam exponencialmente nos próximos anos, embalados sobretudo pelos jovens empresários e por aqueles que souberem enxergar a necessidade de mudar de rota e se capacitar para oferecer uma experiência diferenciada aos seus clientes.

Num cenário de globalização, essa transformação se torna ainda mais urgente para competir com as empresas internacionais em atendimento e custo.

É empolgante perceber que essa nova geração de empreendedores contábeis já está despertando para essa realidade e buscando maneiras de identificar oportunidades e atuar de maneira mais próxima de seus clientes.

Só assim conseguirão se manter competitivos perante a concorrência internacional e dos próprios escritórios que, sem o devido preparo, terão de apostar tão somente no fator preço como diferencial, até dar os seus últimos suspiros no mercado brasileiro.

Por Roberto Dias Duarte

Roberto Dias Duarte é sócio e presidente do Conselho de Administração da NTW Franquia Contábil

Fonte: Roberto Dias Duarte

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…