Pular para o conteúdo principal

Fraude com café no Espírito Santo leva 36 aos banco dos réus

Trata-se do maior esquema de sonegação da história do Estado

Depois de se arrastar por quase dois anos no Judiciário, a denúncia por corrupção passiva contra os envolvidos no maior esquema de sonegação já visto no Estado, desbaratado pela Operação Robusta, foi aceita pela Justiça. A ação penal proposta pelo Ministério Público do Espírito Santo será julgada pela 6ª Vara Criminal de Vitória, que acatou a tramitação do processo na semana passada.

Trinta e seis pessoas são rés e vão responder por crimes contra a ordem econômica, falsidade ideológica, corrupção passiva e organização criminosa devido à participação nas fraudes no setor cafeeiro, que culminaram em prejuízo bilionário aos cofres do Estado.

Além de responderem por atos contra a administração pública, os acusados e as 27 empresas beneficiárias pela manobra contra o Fisco são alvo ainda de outros procedimentos, desta vez tributários, em mãos do Comitê Interinstitucional de Recuperação de Ativos (Cira).



Segundo o promotor de Justiça Lidson Fausto, presidente do grupo, para resgatar os recursos irregularmente ocultados pelos sonegadores e ressarcir o Estado, o Cira vai recorrer a bloqueios de bens e a penhoras.

Pelo levantamento feito até agora, as companhias devem mais de R$ 1,7 bilhão. Parte do valor, aproximadamente R$ 1 bilhão, é referente a créditos de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) obtidos por meio de notas fiscais frias, em falsas operações de compras de café.

Em paralelo às ações do Cira, correm no Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do MPES, inquéritos para apurar crimes contra a ordem tributária, que devem culminar em ações na Justiça.

Fraudes

Entre os 36 processados na ação aceita pela Justiça, estão donos de grandes empresas do comércio de café no Estado, além de laranjas, pessoas que cederam os nomes para constituição de empresas de fachada com registros no Rio de Janeiro. Os negócios fantasmas eram usados para emissão de notas fiscais falsas, que simulavam operações de compra e venda de café.

Também são acusados dois auditores fiscais do Rio de Janeiro, apontados como idealizadores do esquema. Segundo as investigações, eles levavam uma vida de milionários e recebiam “mesadas” das companhias beneficiárias da fraude. Eram eles que avaliavam as notas fiscais, concedendo-as aparência de legalidade.

Segundo a assessoria de imprensa do governo do Rio, um dos servidores públicos, após as investigações, foi afastado do cargo. O outro se aposentou um mês depois das acusações.
Já os empresários capixabas apresentavam as notas frias ao Fisco para ganharem os créditos de ICMS e abater em débitos futuros.

A deflagração da Operação Robusta, dividida em duas fases ostensivas, levou ao cumprimento de diversos mandados judiciais de buscas e apreensões, prisões temporárias e preventivas, quebras de sigilo bancário, interceptações telefônicas e telemáticas, quebras de dados de GPS de caminhões transportadores, dentre outros pedidos cautelares judicialmente deferidos, sendo reconhecida como a maior operação anticorrupção realizada no Espírito Santo.

A denúncia foi oferecida em 16/10/2014 na 4ª Vara Criminal de Vitória. No entanto, passou por outras três Varas até o que Tribunal de Justiça resolvesse o conflito de competência para julgar o caso, o que aconteceu no ano passado.

Fonte: GAZETA ONLINE

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…