Pular para o conteúdo principal

Declarar próprio imposto requer organização

A Receita Federal disponibiliza todas as informações necessárias ao contribuinte na internet para evitar erros
(Foto: Rogério Uchôa)
Da época em que a Declaração do Imposto de Renda era feita num bloco de papel até a atualidade do serviço online, o servidor público federal, José Urias, 61 anos, presta as contas com o leão, sem o auxílio de um contador.

São cerca de 30 anos declarando, e uma única vez na malha fina. Segundo ele, por erro de informação do empregador. José diz que para quem declara o IR sozinho, o segredo está na leitura das informações.

O servidor sempre lia as instruções nos manuais e hoje acompanha tudo pela internet. Ano passado teve dúvidas quanto à declaração de um imóvel recebido. Além de estudar muito sobre o assunto, procurou se informar com quem tinha mais experiência.

“Tive uma dúvida. Consultei o site da própria receita e de alguns profissionais da área. Se a pessoa não pesquisar ou entrar no site, realmente pode errar. É uma das coisas mais difíceis que encontrei até hoje’’, diz.

O especialista em IR e professor de MBA em contabilidade e direito tributário professor Edgar Madruga, explica que é possível fazer todo o processo sozinho. E reforça que exige ordem.

“O Imposto de Renda exige organização. O segredo é pegar todos os seus recibos, os dedutíveis e ir guardando, pega uma pasta coloca lá no armário. Tudo que gastou com médico, recibo, escola. Isso facilita fazer o imposto de renda depois. Se eu tiver uma única fonte de renda, se tiver pouca avaliação patrimonial, com tranquilidade e esforço da pra fazer o imposto de renda’’.

Segundo o especialista, pessoas jovens, solteiras, sem dependentes, e nem com grandes investimentos, encontram mais facilidade na hora de declarar, pois não há tanto a detalhar.

Para aqueles que possuem dependentes, mais de uma fonte de renda, movimentação bancária, despesas médicas, empregada doméstica, a atenção deve ser redobrada.

“O primeiro passo é separar as rendas, recibos e as coisas que podem ser dedutíveis como despesas médicas, escola. Isso já seria suficiente para fazer uma declaração tradicional. O segundo são os patrimônios. As contas e investimentos, veículos, imóveis, declarar se houve reforma’’, orienta.

A princípio, mesmo que parece simples, Edgar frisa erros recorrentes que os contribuintes cometem por falta de orientação. “Não declaração de renda. É um caso comum.

O cara é fiscal de prova, ganhou R$ 50. Tem que declarar, porque é renda. Qualquer renda que você tenha, tem que ser declarar. Outra é a colocação de dependentes equivocados.

O dependente pode ser filho e pais, mas um afiliado ou uma pessoa que você não tem a guarda judicial, não pode ser declarada como dependente’’.

O contribuinte deve estar atento as instruções no site da receita. Informações erradas podem acarretar em dois problemas: pagamento a mais de imposto e malha fina.

“O 13° salário, tem uma forma de declarar. Nele já é recolhido o imposto de renda. Tem um campo específico. Dependendo do campo que a pessoa preencher, paga imposto a mais. Ele não deve ser somado à renda anual. E omissão de renda é malha fina’’.

Em caso de dúvidas, a orientação é. “A minha recomendação é você ter cuidado para não pagar um imposto a mais e errado. Se você vai ser jogado na malha fina, vai passar por dor de cabeça, e o barato sai caro’’, ressalta Edgar.

Dicas para organizar a declaração

SEPARAR AS RENDAS – organizar todos os recibos e documentos de todas as rendas do ano. Para os assalariados, a empresa oferece uma espécie de contracheque.

TIPOS DE RENDAS: plano de saúde(despesas médicas), escola, saldos bancários, contrato de empregada doméstica

com carteira assinada, planos de previdência privada.

PATRIMÔNIO: contas, investimentos, veículos, reformas, aquisição ou venda de imóveis. Se houve venda de algum imóvel e obteve-se lucro, tem que declarar e pagar o Imposto Sobre Ganho de Capital. Caso tenha vendido o imóvel, lucrou e nos últimos seis meses comprou outro imóvel, declarar a venda, mas não paga pelos impostos.

(Diário do Pará via Diário Online

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…