Pular para o conteúdo principal

Sensação do dever cumprido (bem cumprido!)

Artistas quando vão ao palco, mesmo os mais experientes, sentem um “calafrio” na espinha ao fazerem estreias de espetáculos, ao menos é o que relatam. Nesta mesma linha, os palestrantes do Fórum SPED Porto Alegre, ano após ano tem sentido uma mistura de sensações de alívio e realização, pois após o início das palestras, pelo domínio do tema, acalmam-nos e ocorre tudo como previsto (idem aos artistas de teatro, com um improviso aqui um equívoco ali...).

Ano após ano temos realizado (equipe de organização) o Fórum que como no caso dos artistas, a cada temporada vai se tornando melhor, mais organizado e mais elogiado (ufa! ainda bem). Nesta edição, que pela primeira vez, foi realizado num formato de teatro, no Teatro do CIEE e contou com efeitos de luzes, camarins e o próprio “clima” do local (um teatro), além do grande palco, óbvio.


 Os temas do Sistema Público de Escrituração Digital – SPED, foram abordados um a um, através de uma agenda criteriosamente elaborada e criou um clima de atenção na plateia – formada por advogados, analistas de sistemas e negócios, contadores, administradores e gestores (especialmente de RH) de vários locais do país – em que poderia ouvir-se uma borboleta voando naquele espaço enorme.

Jorge Campos, Edgar Madruga, Roberto Dias Duarte, José Alberto Maia, Jonathan Oliveira e eu (Mauro Negruni) passamos pelo palco do teatro, mas poderíamos dizer que fluímos pelos manuais e conceitos da legislação do Bloco K, da auditoria digital, da gestão fiscal, do eSocial, da EFD Contribuições, da EFD Fiscal e documentos digitais (NFCe, cupom eletrônico SAT-ECF, NFe, CTe, etc) e Dr. Clóvis  Peres Coordenador Nacional do SPED encerrou com magnífica palestra sobre a Contabilidade Fiscal – ECF.

Autores, co-autores de livros, especialistas renomados, estudiosos do assunto, “dedicados acadêmicos – graduados pela experiência em fazer o dia-a-dia das obrigações” fomos repassando assuntos polêmicos e impactantes nas organizações de forma que os “ecos” deste fórum acompanhem os participantes por um longo período. Como sempre recebemos pessoas de todos o Brasil, predominantemente profissionais do sul e sudeste do Brasil, contudo representantes do norte, centro-oeste e nordeste fizeram sua marca num dos maiores fóruns do Brasil sobre o tema.

A grande parceria dos apoiadores, patrocinadores, entes estatais com a grandiosa organização permitiu que a realização desta edição tivesse o grande resultado que obtivemos em qualidade de conteúdo, parabéns para a aficionada equipe da Decision IT. Aliado ao grande clima de conhecimento juntou-se o brilhantismo da mestre de cerimonias professora Ana Tércia Rodrigues.           

Mais do que um espetáculo o Fórum SPED Porto Alegre sempre foi considerado um momento de reflexão e críticas no sentido de melhoria do ambiente de obrigações com os entes estatais. Mais claro que nunca ficou o interesse dos presentes em redução do esforço de cumprimentos de obrigações, simplificação de processos e maior ganho de gestão para as companhias. Neste sentido iniciou-se uma campanha para a eliminação de redundâncias de obrigações, redução da burocracia (digital ou não) e melhoria de gestão sobre os dados públicos entregues ao SPED. 

Os patrocinadores, apoiadores, palestrantes, organizadores e espectadores devem colocar em local de destaque sua participação, pois a colaboração mútua propiciou um grande evento digno das suas centenas de cadeiras ocupadas por um dia inteiro de pensar em SPED e questionamentos interessantíssimos a serem publicados, juntamente com as manifestações dos palestrantes, no blog www.mauronegruni.com.br para que mais profissionais possam ter acesso ao conteúdo do Fórum SPED Porto Alegre 2015.

Por Mauro Negruni

Fonte: baguete

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…