Pular para o conteúdo principal

Sensação do dever cumprido (bem cumprido!)

Artistas quando vão ao palco, mesmo os mais experientes, sentem um “calafrio” na espinha ao fazerem estreias de espetáculos, ao menos é o que relatam. Nesta mesma linha, os palestrantes do Fórum SPED Porto Alegre, ano após ano tem sentido uma mistura de sensações de alívio e realização, pois após o início das palestras, pelo domínio do tema, acalmam-nos e ocorre tudo como previsto (idem aos artistas de teatro, com um improviso aqui um equívoco ali...).

Ano após ano temos realizado (equipe de organização) o Fórum que como no caso dos artistas, a cada temporada vai se tornando melhor, mais organizado e mais elogiado (ufa! ainda bem). Nesta edição, que pela primeira vez, foi realizado num formato de teatro, no Teatro do CIEE e contou com efeitos de luzes, camarins e o próprio “clima” do local (um teatro), além do grande palco, óbvio.


 Os temas do Sistema Público de Escrituração Digital – SPED, foram abordados um a um, através de uma agenda criteriosamente elaborada e criou um clima de atenção na plateia – formada por advogados, analistas de sistemas e negócios, contadores, administradores e gestores (especialmente de RH) de vários locais do país – em que poderia ouvir-se uma borboleta voando naquele espaço enorme.

Jorge Campos, Edgar Madruga, Roberto Dias Duarte, José Alberto Maia, Jonathan Oliveira e eu (Mauro Negruni) passamos pelo palco do teatro, mas poderíamos dizer que fluímos pelos manuais e conceitos da legislação do Bloco K, da auditoria digital, da gestão fiscal, do eSocial, da EFD Contribuições, da EFD Fiscal e documentos digitais (NFCe, cupom eletrônico SAT-ECF, NFe, CTe, etc) e Dr. Clóvis  Peres Coordenador Nacional do SPED encerrou com magnífica palestra sobre a Contabilidade Fiscal – ECF.

Autores, co-autores de livros, especialistas renomados, estudiosos do assunto, “dedicados acadêmicos – graduados pela experiência em fazer o dia-a-dia das obrigações” fomos repassando assuntos polêmicos e impactantes nas organizações de forma que os “ecos” deste fórum acompanhem os participantes por um longo período. Como sempre recebemos pessoas de todos o Brasil, predominantemente profissionais do sul e sudeste do Brasil, contudo representantes do norte, centro-oeste e nordeste fizeram sua marca num dos maiores fóruns do Brasil sobre o tema.

A grande parceria dos apoiadores, patrocinadores, entes estatais com a grandiosa organização permitiu que a realização desta edição tivesse o grande resultado que obtivemos em qualidade de conteúdo, parabéns para a aficionada equipe da Decision IT. Aliado ao grande clima de conhecimento juntou-se o brilhantismo da mestre de cerimonias professora Ana Tércia Rodrigues.           

Mais do que um espetáculo o Fórum SPED Porto Alegre sempre foi considerado um momento de reflexão e críticas no sentido de melhoria do ambiente de obrigações com os entes estatais. Mais claro que nunca ficou o interesse dos presentes em redução do esforço de cumprimentos de obrigações, simplificação de processos e maior ganho de gestão para as companhias. Neste sentido iniciou-se uma campanha para a eliminação de redundâncias de obrigações, redução da burocracia (digital ou não) e melhoria de gestão sobre os dados públicos entregues ao SPED. 

Os patrocinadores, apoiadores, palestrantes, organizadores e espectadores devem colocar em local de destaque sua participação, pois a colaboração mútua propiciou um grande evento digno das suas centenas de cadeiras ocupadas por um dia inteiro de pensar em SPED e questionamentos interessantíssimos a serem publicados, juntamente com as manifestações dos palestrantes, no blog www.mauronegruni.com.br para que mais profissionais possam ter acesso ao conteúdo do Fórum SPED Porto Alegre 2015.

Por Mauro Negruni

Fonte: baguete

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…