Pular para o conteúdo principal

Atualização torna-se obrigatória

“Por se tratar de uma atividade intelectual, depende de conhecimento
multidisciplinar. Além disso, é uma área muito dinâmica e a atualização
é fundamental para o exercício da profissão”.
A atualização profissional é fundamental em qualquer atividade, mas no caso dos contadores ela se tornou obrigatória a partir deste ano.

Isso porque está em vigor o novo programa de Educação Profissional Continuada instituído pelo Conselho Federal de Contabilidade (CFC). Segundo a nova norma, os contadores que atuam como auditores independentes devem participar de atividades programadas por entidades reconhecidas para continuar exercendo suas funções profissionais.

O objetivo, segundo especialistas, é atualizar e expandir conhecimentos, competências técnicas, habilidades multidisciplinares, relacionamentos e padrões éticos dos profissionais do segmento. “A atualização profissional ainda é bastante tímida no Brasil. A título de comparação, os norte-americanos investem 31 horas de treinamento por ano por pessoa em suas empresas. Por aqui, são apenas 16 horas”, compara a arquiteta educacional da empresa especializada em treinamentos corporativos DCF Associados, Susana de Carvalho Ferreira.

16 normas por hora

A necessidade de atualização é resultado da crescente especialização da área. Para se ter uma ideia, somente no ano passado, de acordo com levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), foram editadas novas 32.023 normas tributárias. Isso representa 127 novas regras por dia útil ou 15,88 por hora comercial. Há 352.366 normas tributárias no País, uma para cada 580 brasileiros.

Além desse cenário causado pela crescente complexibilidade tributária, os profissionais são mais exigidos com a entrada em vigor do Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) e eSocial, o programa que unifica as informações dos empregados que as empresas enviam ao Fisco. “Também há a necessidade de adequação das Normas Brasileiras de Contabilidade aos padrões internacionais para a unificação às regras de outros 120 países”, destaca o presidente do Sindicato dos Contabilistas do Estado de São Paulo (Sindcont-SP), Jair Gomes de Araújo.

Neste sentido, a obrigatoriedade da educação continuada pode ter papel fundamental no processo de tornar os contadores brasileiros mais próximos dos americanos quando o assunto é qualificação. “Por se tratar de uma atividade intelectual, depende de conhecimento multidisciplinar. Além disso, é uma área muito dinâmica e a atualização é fundamental para o exercício da profissão”, destaca o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.

Contingente

Com o objetivo de contribuir com a qualificação profissional, as entidades de classe têm investido na realização de cursos, palestras e eventos de atualização para contadores. No Sescon-SP, por exemplo, cerca de 15 mil pessoas participam, anualmente, de programas elaborados pela entidade. Há palestras gratuitas com alertas e dicas sobre temas que podem impactar na profissão.

Já no Sindcont-SP, somente em 2015 foram realizados 66 seminários e palestras, além de 111 cursos, totalizando 10.712 participantes. Em São Paulo, o Conselho Federal de Contabilidade realizou 603 atividades presenciais no ano passado, com 52.276 participações.

A Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas (Fenacon) chegou a criar uma universidade corporativa. “No Brasil, infelizmente, não temos a cultura da atualização profissional, fundamental para a boa prestação de serviços ao cliente”, afirma a gerente da UniFenacon, Helen Carolina Gama. No ano passado, a entidade criou 28 cursos, que contaram com a participação de11 mil alunos.

Engatinhando

“Se considerarmos o universo de profissionais contábeis em todo o País (atualmente são mais de 520 mil, conforme dados do CFC), ainda é pouco, mas estamos caminhando para quebrar esse paradigma”, complementa Helen. De acordo com ela, os cursos on-line têm contribuído para que mais pessoas, especialmente as que estão longe dos grandes centros, tenham acesso à atualização profissional.

Além das entidades, também as empresas estão atuando fortemente no processo de atualização de profissionais. A Deloitte Brasil é uma das companhias com programas de qualificação e atualização, tanto para colaboradores quanto para profissionais. “As normas regulatórias são bastante dinâmicas no Brasil e a universidade corporativa é uma iniciativa que oferece conhecimento técnico e de gestão para os profissionais”, destaca o diretor da Deloitte Educação Empresarial, Marcos Braga.

Por Gilmara Santos | DCI/SP

Fonte: DCI – SP via Roberto Dias Duarte

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…