Pular para o conteúdo principal

Corrupção: A lógica da confusão

R$ 200 bilhões! Esse é o número da Organização das Nações Unidas que nos dá conta (de modo aproximado, talvez subestimado) do prejuízo que sofremos, anualmente, no Brasil, com a grande corrupção. Trata-se de um assalto gigantesco aos cofres públicos viabilizado por poderosas relações de compadrio entre agentes públicos e empresários que fazem de tudo para obter do Estado, de forma ilegal, secreta e imoral, os mais variados favores e privilégios.

Nessa cena, nada importa além do dinheiro, de modo que, se um empresário estiver disposto a pagar para ganhar um contrato governamental e um agente público se dispuser a vendê-lo, será feito o negócio, bastando apenas acordarem o preço para que ambos sejam igualmente beneficiados (utilidade recíproca). Portanto, esse agente fará do seu ofício um negócio como outro qualquer, cuja renda ele deseja maximizar. Aqui não há lugar para quaisquer motivações não econômicas, como a amizade, a não ser que esta seja o meio para se obter o dinheiro, caso em que será criada ou fortalecida.

Não é isso que hoje vemos descoberto no Brasil? Pois bem. Dessa inescrupulosa relação entre “amigos” deriva o modelo de capitalismo que alguns autores denominam de “capitalismo de compadrio” (Luigi Zingales, Stephen Haber, David Kang, Gustavo Franco, entre outros).

Ocorre que esse capitalismo degenerado se revela extremamente prejudicial ao potencial econômico da nossa sociedade, a julgar pela quantidade e qualidade de recursos produtivos que se perde, como sejam os recursos humanos. Isso porque, para além de antiético e criminoso, esse capitalismo é, na sua essência, ineficiente. Ora, aqui não há competição, logo, não há incentivo para que a empresa busque a eficiência e, por conseguinte, a meritocracia. Por que um empresário fará investimentos em capital humano se um agente público “amigo” pode elevar os seus lucros com um contrato governamental milionário? O sucesso, nestas bandas, advirá mais da “amizade” com o agente público (quem se conhece) do que de idéias brilhantes e eficiência produtiva daí decorrente (o que se conhece). Segundo a lógica dessa confusão, mais vale um “amigo” incompetente, conquanto monetariamente útil, do que um “inimigo” competente, porém econômica e funcionalmente inútil.

Com efeito, nesse processo de monetarização da prática social, mesmo política, não há espaço para os empresários mais inovadores, eficientes e socialmente responsáveis que, ao invés de se dedicarem a atividades aéticas e/ou ilegais, preferem investir tempo e recursos em fontes de vantagem competitiva, como, por exemplo, (a) em funcionários talentosos e com sólida qualificação; (b) em softwares que aperfeiçoem as atividades da cadeia de valor; (c) em um programa de compliance efetivo que previna, detecte e puna condutas antiéticas e/ou ilegais; ou, ainda, (d) em pactos de cooperação com outras empresas, a fim de se promover um ambiente de integridade nos negócios com o governo.

Você, prezado leitor, investiria seu tempo e dinheiro onde não lhe fosse dado condições de igualdade para competir, onde você fosse ultrapassado por um concorrente menos competente?

Em geral, a resposta será negativa, pois, conquanto rejeitemos a noção de uma natureza humana fria e imutável, como a do homem econômico do “mainstream economics” – sujeito que nunca erra na sua busca invariável pela maximização do ganho monetário, sem qualquer motivação ética ou altruísta –, estamos de acordo que a decisão de um empresário sobre o investimento em uma nova fábrica, em equipamentos mais sofisticados ou na qualificação de seus técnicos e engenheiros resultará, no mais das vezes, da certeza matemática da obtenção de lucros. Outras vezes, uma decisão positiva de investimento advirá não do cálculo econômico, mas do otimismo espontâneo do empresário sobre o futuro (“espírito animal”). De todo modo, ninguém estará disposto a tomar iniciativas econômicas de vulto em um ambiente inóspito, apinhado de práticas protecionistas e monopolistas, em que os generosos “amigos do Rei” conseguem lucrar à custa do mínimo legal da economia de mercado (“para os amigos tudo, para os inimigos a lei”).

De tudo quanto ficou dito, percebe-se que essas relações de compadrio, ao favorecerem os agentes mais inescrupulosos e incompetentes e ao afugentarem os mais éticos e produtivos, deturpam não só o andamento do jogo, como o placar final medido em termos de crescimento econômico. Isso é o que diz o professor de economia do Insper, Eduardo Giannetti, ao ressaltar a relevância da qualidade dos jogadores (agentes econômicos) e do árbitro da partida (agentes públicos) para o aumento do PIB. Afinal, não há sociedade que viva à altura de sua melhor capacidade produtiva se os seus membros passam a maior parte do tempo buscando meios para pilhar o Estado, ao invés de se dedicarem ao trabalho ou ao cumprimento de seus deveres públicos.

De fato, como bem adverte Ayn Rand, “[q]uando você perceber que, para produzir, precisa obter a autorização de quem não produz nada; quando comprovar que o dinheiro flui para quem negocia não com bens, mas com favores; quando perceber que muitos ficam ricos pelo suborno e por influência, mais que pelo trabalho, e que as leis não nos protegem deles, mas, pelo contrário, são eles que estão protegidos de você; quando perceber que a corrupção é recompensada, e a honestidade se converte em auto-sacrifício; então poderá afirmar, sem temor de errar, que sua sociedade está condenada”.

Fonte: Lec

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…