Pular para o conteúdo principal

Imposto de Renda: Nem todos precisam declarar

“Antigamente, todo o sócio de qualquer empresa estava
sujeito à entrega da declaração como pessoa física, mas
essa obrigação não existe mais”
São Paulo – Ao contrário do que muita gente pensa, não é todo o empresário que precisa fazer a declaração de Imposto de Renda agora no final de abril. “Antigamente, todo o sócio de qualquer empresa estava sujeito à entrega da declaração como pessoa física, mas essa obrigação não existe mais”, afirma o contador, advogado tributarista e diretor-executivo da NTW Pampulha, Frederico Aziz.

O empresário, assim como qualquer outro contribuinte, só é obrigado a declarar se recebeu rendimentos tributáveis superiores a R$ 28.123,91; obteve rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte acima de R$ 40 mil; ou ainda se detinha, no ano passado, bens e direitos com valor superior a R$ 300 mil. “Se o empresário não atingiu um desses quesitos, não precisa declarar como pessoa física e, se não é obrigado, é melhor não declarar”, diz o coordenador do curso de Ciências Contábeis da Faculdade Santa Marcelina, Reginaldo Gonçalves.

Para os que estão obrigados a apresentar a declaração, a advogada tributarista e sócia da Advocacia Celso Botelho de Moraes, Renata Soares Leal Ferrarezi, dá algumas dicas. O sócio de empresa optante pelo Simples deve informar as quotas possuídas na Declaração de Bens e Direitos e declarar o pro labore recebido na ficha de rendimentos tributáveis recebidos de pessoas jurídicas. Os lucros obtidos devem ser inclusos na Ficha de Rendimentos Isentos e Não Tributáveis.

MEIs

Especialistas alertam que a necessidade de apresentar a declaração não significa que o contribuinte terá que pagar IR. “Na maioria das vezes, já foi feito o pagamento dos ganhos obtidos, mas como o contribuinte não fez a declaração de forma correta pode ser multado”, explica o professor Gonçalves.

Para os MEIs, a declaração é um pouco mais complexa. Isso porque devem declarar os ganhos obtidos com a atividade, ou seja, o lucro líquido obtido pelo MEI que é isento do pagamento do IR desde que limitado ao valor resultante da aplicação das alíquotas. Os empreendedores do setor de comércio, indústria e transporte de carga devem usar o porcentual de 8%; transporte de passageiros, 16%; ou 32% para serviços em geral. Significa dizer que o empresário vai pegar o faturamento e aplicar um desses porcentuais, de acordo com a atividade. Se o lucro líquido ficar abaixo deste resultado, ele não terá que pagar imposto. Já o valor que ultrapassar o montante obtido mediante aplicação desses porcentuais caracterizará rendimento tributável e deverá ser informado na Ficha de Rendimentos Tributáveis recebidos de pessoas jurídicas. “O valor do lucro isento deve ser informado na Ficha de Rendimentos Isentos e Não Tributáveis na linha relativa aos lucros isentos recebidos”, explica Renata Ferrarezi.

“Um empreendedor do MEI veio fazer a declaração e trouxe um bloco de notas porque em 2015 quem fez a declaração dele jogou todos o ganhos na declaração, mas estava errado. É necessário dividir os rendimentos em faixas, separando a parcela isenta, que é a parcela que foi tributada, e calcular o lucro para depois definir se há Imposto de Renda a pagar”, ensina o professor do Mackenzie Henrique Formigoni.

Evite erros

Um erro recorrente de empreendedores é misturar despesas da pessoa física com a da pessoa jurídica. “A atuação da empresa deveria ser separada da pessoa física”, destaca o sócio de impostos da EY, Antônio Gil. “Quando o empresário confunde a PJ (pessoa jurídica) e a PF (pessoa física), abre espaço para questionamentos da Receita”, complementa o sócio da TG&C – Trevisan Gestão e Consultoria Jaime Rodrigues. “Esse descontrole é prejudicial para a empresa e para o empresário”, afirma o diretor da Crowe Horwath, Marcelo Lico, lembrando que toda a aplicação de recursos deverá ter uma origem compatível, por meio de receitas formais ou de terceiros, como empréstimos. “Discrepância de valores pode levar à malha fina automaticamente”, alerta Lico.

“Os empreendedores confundem a empresa com as contas pessoais e carro, apartamento e poupança acabam declarados de forma incorreta”, afirma o consultor tributário da Sage IOB Antonio Teixeira. Os especialistas afirmam que, desde que comprovada a origem dos recursos, a aquisição de bens não é motivo para temer o IR.

Rodrigues lembra que o Fisco já tem, antes mesmo de o contribuinte informar, todas as informações sobre a movimentação financeira do empreendedor. “A estrutura da Receita Federal é muito avançada e daqui a dois ou três anos certamente não vamos mais precisar fazer a declaração do IR. Vamos apenas dizer se temos imposto a pagar ou a restituir. Enquanto isso, é importante prestar informações corretas e, assim, evitar a malha fina”, afirma.

Gestão

Para evitar problemas com o Fisco e garantir prosperidade no negócio, especialistas sugerem que os empreendedores, independentemente do porte da empresa, controlem receitas e despesas da pessoa jurídica e separem seus gastos pessoais. Ao contrário do que muitos pensam, esse controle pode ser bem simples e a dica é iniciar o quanto antes a organização das contas para facilitar a declaração em 2017. “Registre suas operações, nem que seja em papel de pão. Tenha a certeza do que está sendo feito, conheça seu negocio. Muitas vezes conversamos com empresários que não sabem formar seu preço e ao estudar essa questão entende que o negócio não é viável”, afirma Aziz.

por Gilmara Santos

Fonte: DCI via Roberto Dias Duarte

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…