Pular para o conteúdo principal

Quem ganha com o Refis

É falsa a alegação, sempre invocada pelos beneficiados, de que os programas de parcelamento de débitos tributários contribuem para o aumento da arrecadação, pois eles permitem que contribuintes que nada vinham recolhendo passem a pagar o que devem, conforme as regras negociadas com o Fisco. Na verdade, só grandes devedores ou os que sistematicamente deixam de recolher os impostos devidos ganham com esses programas. O mais recente deles, instituído no início de outubro, permitiu o refinanciamento de débitos tributários de R$ 680 bilhões. Mas estudos da própria Receita Federal sobre os diversos programas de renegociação de tributos vencidos adotados nos últimos anos mostram que muito pouco do valor renegociado é recolhido.
Mais eficaz para a arrecadação seria ampliar a fiscalização e cobrar – por meios judiciais, se necessário – os tributos devidos e não recolhidos. Mas a frequência com que o governo institui programas de refinanciamento de débitos tributários – com a concessão de diferentes vantagens para os maus pagadores de impostos, como isenção de multas, redução de juros e da correção dos valores devidos e longos prazos para a quitação do débito – estimula o não pagamento, enfraquecendo a ação da Receita.
Os resultados desses programas são pífios para os cofres públicos. Como mostrou reportagem do Estado (29/10), o governo consegue arrecadar apenas 15% das dívidas tributárias incluídas nos diversos programas de refinanciamento, como o Refis e outros adotados nos últimos anos. Esse dado consta de uma nota técnica elaborada pela Coordenação-Geral de Arrecadação e Cobrança (Codac), órgão subordinado à Subsecretaria de Arrecadação e Atendimento da Receita Federal. O estudo mostra que de 55% a 85% das empresas beneficiadas com o parcelamento do débito tributário deixam de fazer os pagamentos devidos e são excluídas desses programas, que são aprovados, com alterações, desde 2000.
Duas conclusões do trabalho da Receita mostram como as seguidas reedições desses programas acabam por gerar um círculo vicioso, que faz crescer a inadimplência e, consequentemente, a pressão sobre o governo para a concessão de novos parcelamentos. O estudo constatou que, a cada novo programa, cai o índice de recuperação do crédito e aumenta o índice de contribuintes em atraso. Isso significa que mais contribuintes que refinanciaram a dívida pararam de pagar as parcelas e, possivelmente, deixaram de pagar também os impostos correntes.
Outra conclusão do estudo é que, no momento em que a Receita começa a excluir dos programas de refinanciamento os contribuintes que interromperam os pagamentos, começa também a surgir no Congresso propostas de criação de novo programa de refinanciamento.
O governo Dilma vinha afirmando que, depois do Refis da Crise, instituído em 2009, não haveria mais programas como esse. Eram, e continuam sendo, fortes os argumentos técnicos da Receita contra esse tipo de benefício. Muitas empresas aderem a esses programas para obter a certidão de regularidade de sua situação fiscal, o que as habilita a firmar contratos com o poder público e empresas estatais. Obtida a certidão, abandonam o programa. E o fazem porque esperam a implementação de novo programa, como ocorre com regularidade há mais de uma década.
Em muitos casos, a Receita vinha cobrando na Justiça, com boas possibilidades de êxito, débitos tributários vencidos que acabaram tendo sua renegociação permitida por algum programa de refinanciamento. Na última versão desses programas, incluída pelo Congresso na Medida Provisória 615 – já transformada em lei -, foi reaberto o prazo para a adesão de empresas ao Refis da Crise e o benefício da renegociação foi estendido para empresas multinacionais e bancos.
A medida tem efeito fiscal imediato, pois a adesão de grandes empresas ao programa implicará o pagamento imediato de parte da dívida total renegociada. O governo calcula que esse pagamento poderá chegar a R$ 12 bilhões em 2013, o que representa ajuda importante para o cumprimento da meta de superávit fiscal. Mas estimula o não pagamento de impostos.

Fonte: O Estado de S. Paulo via Mauro Negruni

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…