Pular para o conteúdo principal

Sefaz processa rede de supermercados de GO

Empresa foi vendida em 2010 e deve mais de R$ 10 milhões em impostos ao Estado

A Secretaria da Fazenda do Estado de Goiás (Sefaz) divulgou ontem (16) que propôs representação penal ao Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO) contra os empresários que eram donos de uma rede de supermercados goiana. O gerente de auditoria de varejos da Sefaz, Luciano Correia Caldas, explica que a instituição foi vendida em 2010, mas segue com débito tributário de R$ 10 milhões por sonegação praticada pelos antigos donos. O nome da empresa ainda não foi divulgado. 

A Sefaz alega que, mesmo após diversas negociações– que começaram na época da venda–, os novos donos da rede recusaram-se a arcar com a antiga dívida. Porém, o artigo 133 do Código Tributário Nacional determina que “a pessoa natural ou jurídica de direito privado que adquirir de outra, [...] e continuar a respectiva exploração, sob a mesma ou outra razão social ou sob firma ou nome individual, responde pelos tributos, relativos ao fundo ou estabelecimento adquirido”. Ou seja, a responsabilidade, de acordo com a lei, é dos novos proprietários. 

O vice-presidente da Comissão de Direito Tributário da seccional goiana da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-GO), Julio Anderson Alves Bueno, explica que deixar de pagar impostos não é, em si, crime. “Quando a empresa passa por problemas financeiros, a primeira atitude dos administradores é não pagar impostos, pois não é possível cortar o salário dos funcionários ou o investimento em mercadorias”, afirma. Essa atitude é tomada porque há prazo maior para o pagamento de tributos, diz Bueno. O advogado lembra que, mesmo com aceitação do Judiciário, os antigos sócios da empresa têm direito à ampla defesa e ao contraditório. 

Luciano Caldas afirma que os novos proprietários já foram informados pela Sefaz sobre a representação. Neste caso, a ação é contra os antigos donos, por causa de supostos crimes cometidos para esconder que havia dívida com o Estado. “A Sefaz poderá entrar com representação contra os atuais donos para que os R$ 10 milhões sejam quitados. Mas isso acontecerá no futuro”, diz o gerente.  

Pena pode chegar a 5 anos de reclusão 

A ação contra a rede de supermercados foi protocolada no MPGO no início de março e está em andamento. Se for aceita pelo MPGO e acolhida pelo Judiciário, o nome da empresa tornar-se-á público. Os sócios antigos sócios podem ser condenados por crime contra a ordem tributária, que prevê pena de reclusão de cinco anos e pagamento de multa. Ainda de acordo com Caldas, a Sefaz está trabalhando nos mil maiores processos administrativos tributários do Estado e já está em negociação também com outras empresas. 

“Todos os proprietários e sócios serão chamados. Queremos demonstrar quais são os benefícios, para que os débitos com o Estado sejam quitados”, explica. O gerente afirma que as empresas podem negociar a dívida junto à Sefaz e, antes de representação no MPGO, podem parcelar o valor em até 60 vezes. A ação da pasta faz parte das medidas de ajuste fiscal proposto pelo governo de Goiás para equilibrar as contas do Estado. Caldas garante que todas as gerencias estão trabalhando para levantar a situação dos grandes devedores e realizar a cobrança. 

Karla araújo

Fonte: O HOJE.COM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…