Pular para o conteúdo principal

Sefaz processa rede de supermercados de GO

Empresa foi vendida em 2010 e deve mais de R$ 10 milhões em impostos ao Estado

A Secretaria da Fazenda do Estado de Goiás (Sefaz) divulgou ontem (16) que propôs representação penal ao Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO) contra os empresários que eram donos de uma rede de supermercados goiana. O gerente de auditoria de varejos da Sefaz, Luciano Correia Caldas, explica que a instituição foi vendida em 2010, mas segue com débito tributário de R$ 10 milhões por sonegação praticada pelos antigos donos. O nome da empresa ainda não foi divulgado. 

A Sefaz alega que, mesmo após diversas negociações– que começaram na época da venda–, os novos donos da rede recusaram-se a arcar com a antiga dívida. Porém, o artigo 133 do Código Tributário Nacional determina que “a pessoa natural ou jurídica de direito privado que adquirir de outra, [...] e continuar a respectiva exploração, sob a mesma ou outra razão social ou sob firma ou nome individual, responde pelos tributos, relativos ao fundo ou estabelecimento adquirido”. Ou seja, a responsabilidade, de acordo com a lei, é dos novos proprietários. 

O vice-presidente da Comissão de Direito Tributário da seccional goiana da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-GO), Julio Anderson Alves Bueno, explica que deixar de pagar impostos não é, em si, crime. “Quando a empresa passa por problemas financeiros, a primeira atitude dos administradores é não pagar impostos, pois não é possível cortar o salário dos funcionários ou o investimento em mercadorias”, afirma. Essa atitude é tomada porque há prazo maior para o pagamento de tributos, diz Bueno. O advogado lembra que, mesmo com aceitação do Judiciário, os antigos sócios da empresa têm direito à ampla defesa e ao contraditório. 

Luciano Caldas afirma que os novos proprietários já foram informados pela Sefaz sobre a representação. Neste caso, a ação é contra os antigos donos, por causa de supostos crimes cometidos para esconder que havia dívida com o Estado. “A Sefaz poderá entrar com representação contra os atuais donos para que os R$ 10 milhões sejam quitados. Mas isso acontecerá no futuro”, diz o gerente.  

Pena pode chegar a 5 anos de reclusão 

A ação contra a rede de supermercados foi protocolada no MPGO no início de março e está em andamento. Se for aceita pelo MPGO e acolhida pelo Judiciário, o nome da empresa tornar-se-á público. Os sócios antigos sócios podem ser condenados por crime contra a ordem tributária, que prevê pena de reclusão de cinco anos e pagamento de multa. Ainda de acordo com Caldas, a Sefaz está trabalhando nos mil maiores processos administrativos tributários do Estado e já está em negociação também com outras empresas. 

“Todos os proprietários e sócios serão chamados. Queremos demonstrar quais são os benefícios, para que os débitos com o Estado sejam quitados”, explica. O gerente afirma que as empresas podem negociar a dívida junto à Sefaz e, antes de representação no MPGO, podem parcelar o valor em até 60 vezes. A ação da pasta faz parte das medidas de ajuste fiscal proposto pelo governo de Goiás para equilibrar as contas do Estado. Caldas garante que todas as gerencias estão trabalhando para levantar a situação dos grandes devedores e realizar a cobrança. 

Karla araújo

Fonte: O HOJE.COM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…