Pular para o conteúdo principal

Temos que comemorar o mundo conectado

Em meio a tantas notícias desagradáveis, seja da economia ou da política brasileira, uma boa notícia precisa receber seu destaque e a devida comemoração: estamos em uma era digital.

Estamos numa era digital. Os bancos, principais inovadores por questões de rentabilidade, aprenderam a aplicar seus recursos na Tecnologia da Informação como meio para chegar onde, em meios convencionais, não chegariam. É muito natural para pessoas de todas as idades, não irem até as agências para realizar transações. Os aplicativos bancários nos smartphones é quase obrigatório para realizar transações com segurança.

Também é desta forma, digital, que chamamos táxi, pizza, olhamos a previsão do tempo, jogamos, capturamos fotos e vídeos e enviamos para nossos amigos e familiares. Não é atoa que aplicativos como o Whatsapp tornaram-se uma “febre“ e permitem que pessoas ao redor do mundo estejam conectadas facilmente.

Estamos numa era de conexão e esta conexão é digital. Não há outra forma de viabilizar esta nova realidade, senão através da Internet. Médicos realizam, ou assistem, cirurgias em pacientes que nem mesmo estão no mesmo continente. Isso é conexão. Deixamos para trás as barreiras físicas, as fronteiras e outros limitadores. Estamos ao redor do mundo: conectados.

Também é assim que fazemos negócios e pagamos contas no Brasil ou no exterior. Compramos produtos da China ou Japão com a mesma facilidade que compramos na mercearia da esquina. As compras apenas demoram mais para chegar.

Este mundo digital em que uma pessoa discute com outra uma solução, uma ideia ou mesmo faz um bate-papo, também é utilizado pelos vários meios de fiscalização e organização estatal país afora. Através do Sistema Público de Escrituração Digital – SPED, dois agentes fiscalizadores podem estar em locais distintos, digamos um em Bento Goncalves/RS e outro em João Pessoa/PB, e podem levar adiante um projeto de auditoria digital sobre uma instituição localizada em Goiânia/GO, por exemplo. O banco de dados central está onde? Isso não importa. O que realmente importa é o acesso adequado aos serviços da rede (não necessariamente física) para compartilhar informações, discutir, visualizar ou selecionar informações que estão no sistema.

Os bancos de dados estão, e estarão, ainda mais na “rede”, e nós humanos estaremos cada vez mais conectados aos seus dados. Programas que analisam comportamentos de organizações estão sendo utilizados na operação Lava-Jato, por exemplo, para verificar fluxos de ligações telefônicas ou remessas financeiras. As policias investigativas dos estados, no mundo todo, afirmam que só será possível combater o narco-tráfico se houver integração de informações entre os países. Não faz muito tempo que falávamos em integração entre as polícias. Ou seja, o foco mudou porque o mundo mudou. O foco atual é no resultado de garimpagem de dados, qualidade da informação e precisão nas ações baseadas em dados.

Algumas poucas pessoas pensam no grande “circo” que precisa ser montado para realizar uma venda ao consumidor num loja qualquer deste país (e do mundo). A principal é a conexão com o mundo virtual através da Internet. Sem ela não poderemos nos comunicar, pagar ou receber. Não poderemos pesquisar a satisfação do consumidor que está na nossa frente sem ter a “rede” à nossa disposição, pois os dados dos demais consumidores estarão….na “rede”.

Boa a iniciativa dos governos Brasileiros (e do mundo) que migram para a “rede” pois é lá que estará a riqueza de informações. É no mundo conectado que teremos nossa vida virtual com amigos a muitos quilômetros de distância, bem como, nossa atividades profissionais.

Você ainda duvida? Para você é mais importante ter o último modelo de aparelho ou sinal da operadora para usar seu smartphone? Mantenha-se conectado!

Por: Mauro Negruni, Diretor de Conhecimento e Tecnologia da Decision IT

Fonte: Baguete

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…