Pular para o conteúdo principal

Temos que comemorar o mundo conectado

Em meio a tantas notícias desagradáveis, seja da economia ou da política brasileira, uma boa notícia precisa receber seu destaque e a devida comemoração: estamos em uma era digital.

Estamos numa era digital. Os bancos, principais inovadores por questões de rentabilidade, aprenderam a aplicar seus recursos na Tecnologia da Informação como meio para chegar onde, em meios convencionais, não chegariam. É muito natural para pessoas de todas as idades, não irem até as agências para realizar transações. Os aplicativos bancários nos smartphones é quase obrigatório para realizar transações com segurança.

Também é desta forma, digital, que chamamos táxi, pizza, olhamos a previsão do tempo, jogamos, capturamos fotos e vídeos e enviamos para nossos amigos e familiares. Não é atoa que aplicativos como o Whatsapp tornaram-se uma “febre“ e permitem que pessoas ao redor do mundo estejam conectadas facilmente.

Estamos numa era de conexão e esta conexão é digital. Não há outra forma de viabilizar esta nova realidade, senão através da Internet. Médicos realizam, ou assistem, cirurgias em pacientes que nem mesmo estão no mesmo continente. Isso é conexão. Deixamos para trás as barreiras físicas, as fronteiras e outros limitadores. Estamos ao redor do mundo: conectados.

Também é assim que fazemos negócios e pagamos contas no Brasil ou no exterior. Compramos produtos da China ou Japão com a mesma facilidade que compramos na mercearia da esquina. As compras apenas demoram mais para chegar.

Este mundo digital em que uma pessoa discute com outra uma solução, uma ideia ou mesmo faz um bate-papo, também é utilizado pelos vários meios de fiscalização e organização estatal país afora. Através do Sistema Público de Escrituração Digital – SPED, dois agentes fiscalizadores podem estar em locais distintos, digamos um em Bento Goncalves/RS e outro em João Pessoa/PB, e podem levar adiante um projeto de auditoria digital sobre uma instituição localizada em Goiânia/GO, por exemplo. O banco de dados central está onde? Isso não importa. O que realmente importa é o acesso adequado aos serviços da rede (não necessariamente física) para compartilhar informações, discutir, visualizar ou selecionar informações que estão no sistema.

Os bancos de dados estão, e estarão, ainda mais na “rede”, e nós humanos estaremos cada vez mais conectados aos seus dados. Programas que analisam comportamentos de organizações estão sendo utilizados na operação Lava-Jato, por exemplo, para verificar fluxos de ligações telefônicas ou remessas financeiras. As policias investigativas dos estados, no mundo todo, afirmam que só será possível combater o narco-tráfico se houver integração de informações entre os países. Não faz muito tempo que falávamos em integração entre as polícias. Ou seja, o foco mudou porque o mundo mudou. O foco atual é no resultado de garimpagem de dados, qualidade da informação e precisão nas ações baseadas em dados.

Algumas poucas pessoas pensam no grande “circo” que precisa ser montado para realizar uma venda ao consumidor num loja qualquer deste país (e do mundo). A principal é a conexão com o mundo virtual através da Internet. Sem ela não poderemos nos comunicar, pagar ou receber. Não poderemos pesquisar a satisfação do consumidor que está na nossa frente sem ter a “rede” à nossa disposição, pois os dados dos demais consumidores estarão….na “rede”.

Boa a iniciativa dos governos Brasileiros (e do mundo) que migram para a “rede” pois é lá que estará a riqueza de informações. É no mundo conectado que teremos nossa vida virtual com amigos a muitos quilômetros de distância, bem como, nossa atividades profissionais.

Você ainda duvida? Para você é mais importante ter o último modelo de aparelho ou sinal da operadora para usar seu smartphone? Mantenha-se conectado!

Por: Mauro Negruni, Diretor de Conhecimento e Tecnologia da Decision IT

Fonte: Baguete

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…