Pular para o conteúdo principal

Cidadania e Justiça Fiscal

No último dia 9, em Manaus-AM, o programa: Fiscalização Inteligente Seletiva (FIS), sob a coordenação da Secretaria da Fazenda, ganhou o prêmio nacional e-Gov, na categoria e-Administração Pública; com a promoção do Ministério do Planejamento e Abep; cuja premiação é um reconhecimento da inovação promovida por órgãos governamentais na solução de demandas na área de tecnologia da informação.

Feliz coincidência, nesse mesmo dia, o Colégio da Polícia Militar Nestório Ribeiro, de Jataí, conquistou o 1º lugar, da quinta edição do Prêmio Nacional de Educação Fiscal. A premiação foi uma iniciativa da Febrafite e Esaf; programa também coordenado pela SEFAZ, tendo por objetivo explicar a relação entre Estado e cidadão no âmbito das receitas e dos gastos públicos, conscientizando-o sobre a importância de compreender esses elementos para que sejam fiscalizados e criticados com a eficiência e transparência necessárias e conscientizando o cidadão de sua posição em relação ao tributo.

Estudos da Procuradoria da Fazenda Nacional apontam que 500 bilhões de reais são sonegados no Brasil, por ano. Para que tenhamos uma ideia, esse valor é sete vezes maior que o tamanho estimado da corrupção. Corresponde a quase três vezes o rombo do orçamento do Governo Federal estimado para o ano de 2016. Cada real sonegado faz com que o Estado tenha menos recursos para educação, saúde, policiamento e assistência social. A sonegação ainda reflete na concorrência desleal e indiretamente no aumento da carga tributária.

No combate à perniciosa sonegação de tributos, nos anos de 2015 e 2016, o Fisco do Estado de Goiás lavrou mais de 285 mil autos de infração, resultando em mais de 12 bilhões de reais em créditos tributários lançados de ofício. Todavia, apenas uma parte desses autos de infração serão revertidos ao Tesouro Estadual, após o devido processo legal, em razão de vários fatores, tais como:  inexistência de disponibilidade financeira ou de bens em nome dos devedores, morosidade processual nas execuções fiscais e baixíssima expectativa de punição na seara penal, pois, o sonegador é, lamentavelmente, beneficiado pela extinção da punibilidade com o pagamento do crédito tributário suprimido.

No cenário atual, em que o dinheiro do Estado é escasso, com preocupantes reflexos para economia e sociedade, uma boa alternativa ao vintenário congelamento de gastos que a União busca impor, apresenta-se salutar a discussão em âmbito nacional sobre hábitos e medidas no combate à sonegação fiscal, tais como: a inserção da educação fiscal na grade curricular do ensino médio, alterações legislativas relativas aos crimes tributários e aos devedores contumazes e dar efetividade máxima ao disposto no artigo 37, XXII, da Constituição Federal, permitindo inovações da Administração Tributária.

Adonídio Neto Vieira Júnior

Auditor-Fiscal da Receita Estadual

Pós-Graduado em Direito Tributário e Desenvolvimento Gerencial na Administração Pública

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…