Pular para o conteúdo principal

Governo quer obrigar empresas a ter departamento anticorrupção

Os ministros da Advocacia-Geral da União (AGU), Grace Mendonça, e da Transparência, Toquato Jardim, assinam nesta quinta-feira, 15, portaria interministerial que estabelece regras para a celebração de acordos de leniência com empresas envolvidas em corrupção, entre elas as empreiteiras investigadas na Operação Lava Jato.

A ideia é impor às companhias interessadas em manter negócios com o governo a assinatura de “contratos de conduta controlada”, com novas exigências. Em caso de descumprimento das cláusulas previstas ou reincidência nas ilicitudes, benefícios serão anulados e punições aplicadas integralmente.

O texto ainda não foi oficialmente apresentado. Conforme fonte que teve acesso à discussões sobre ele, um dos objetivos é que, para que continuem participando de licitações e contratando com o poder público, as empresas terão de estruturar setores de prevenção e combate à corrupção, os chamados departamentos de compliance, com mecanismos para receber denúncias sobre funcionários envolvidos em ilicitudes e investigá-las. Além disso, terão de confessar ao governo os detalhes do esquema ilegal no qual se envolveram, fornecendo provas e caminhos para a investigação.

As empresas continuam obrigadas a ressarcir prejuízos causados ao poder público, com direito à redução do valor das multas em até dois terços, conforme previsto na Lei Anticorrupção. Em caso de quebra de contrato, no entanto, terão de pagar as sanções integralmente e sem parcelamento.

Em entrevista ao Estado em junho, Torquato Jardim defendeu que a compensação ao poder público pelas perdas com a corrupção fosse paga não só com recursos da pessoa jurídica, mas com o patrimônio pessoal de diretores e controladores acusados de agir com “excesso de poder”. Ele disse ainda que empresas reincidentes em corrupção, que tenham assinado acordos, deveriam ser acionadas na Justiça e sofrer novas penalidades. Uma das hipóteses seria a alienação do controle acionário em leilão e outra, a extinção da sociedade.

A portaria interministerial vai estabelecer um passo-a-passo para os acordos. A AGU, que atualmente participa somente ao fim do processo de negociação, passa a ter papel ativo desde o início. As regras tratam apenas da tramitação do âmbito do Executivo. Mudanças mais amplas, que envolvam o Ministério Público e o Tribunal de Contas da União (TCU), vão ficar para um projeto de lei a ser discutido no Congresso. As iniciativas recentes do governo no Legislativo sofreram fortes críticas da Operação Lava Jato por uma suposta tentativa de anistiar empreiteiras.

Desde o ano passado, ao menos 17 empresas envolvidas em corrupção já demonstraram interesse em acordos de leniência, entre elas as maiores empreiteiras alvos da Lava Jato, como Odebrecht, Andrade Gutierrez, Queiroz Galvão, Camargo Corrêa, Galvão Engenharia e OAS. Nenhuma delas assinou acordo com o governo, no entanto. Divergências entre os órgãos envolvidos nas negociações vêm travando o desfecho das negociações. A expectativa é de que o governo informe nesta quinta ao menos em quais casos as tratativas estão mais avançadas.

Os acordos de leniência são espécies de delações premiadas assinadas por pessoas jurídicas, previstos na Lei Anticorrupção, que entrou em vigor em 2014. Permitem que empresas acusadas de corrupção continuem participando de licitações e firmando contratos com o governo federal, Estados e municípios, desde que cumpram alguns pré-requisitos, entre eles admitir a culpa nos crimes cometidos, colaborar com as investigações sobre o esquema ilegal e restituir integralmente os danos ao erário.

Fonte: Estadão via Mauro Negruni

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…