Pular para o conteúdo principal

Governo quer obrigar empresas a ter departamento anticorrupção

Os ministros da Advocacia-Geral da União (AGU), Grace Mendonça, e da Transparência, Toquato Jardim, assinam nesta quinta-feira, 15, portaria interministerial que estabelece regras para a celebração de acordos de leniência com empresas envolvidas em corrupção, entre elas as empreiteiras investigadas na Operação Lava Jato.

A ideia é impor às companhias interessadas em manter negócios com o governo a assinatura de “contratos de conduta controlada”, com novas exigências. Em caso de descumprimento das cláusulas previstas ou reincidência nas ilicitudes, benefícios serão anulados e punições aplicadas integralmente.

O texto ainda não foi oficialmente apresentado. Conforme fonte que teve acesso à discussões sobre ele, um dos objetivos é que, para que continuem participando de licitações e contratando com o poder público, as empresas terão de estruturar setores de prevenção e combate à corrupção, os chamados departamentos de compliance, com mecanismos para receber denúncias sobre funcionários envolvidos em ilicitudes e investigá-las. Além disso, terão de confessar ao governo os detalhes do esquema ilegal no qual se envolveram, fornecendo provas e caminhos para a investigação.

As empresas continuam obrigadas a ressarcir prejuízos causados ao poder público, com direito à redução do valor das multas em até dois terços, conforme previsto na Lei Anticorrupção. Em caso de quebra de contrato, no entanto, terão de pagar as sanções integralmente e sem parcelamento.

Em entrevista ao Estado em junho, Torquato Jardim defendeu que a compensação ao poder público pelas perdas com a corrupção fosse paga não só com recursos da pessoa jurídica, mas com o patrimônio pessoal de diretores e controladores acusados de agir com “excesso de poder”. Ele disse ainda que empresas reincidentes em corrupção, que tenham assinado acordos, deveriam ser acionadas na Justiça e sofrer novas penalidades. Uma das hipóteses seria a alienação do controle acionário em leilão e outra, a extinção da sociedade.

A portaria interministerial vai estabelecer um passo-a-passo para os acordos. A AGU, que atualmente participa somente ao fim do processo de negociação, passa a ter papel ativo desde o início. As regras tratam apenas da tramitação do âmbito do Executivo. Mudanças mais amplas, que envolvam o Ministério Público e o Tribunal de Contas da União (TCU), vão ficar para um projeto de lei a ser discutido no Congresso. As iniciativas recentes do governo no Legislativo sofreram fortes críticas da Operação Lava Jato por uma suposta tentativa de anistiar empreiteiras.

Desde o ano passado, ao menos 17 empresas envolvidas em corrupção já demonstraram interesse em acordos de leniência, entre elas as maiores empreiteiras alvos da Lava Jato, como Odebrecht, Andrade Gutierrez, Queiroz Galvão, Camargo Corrêa, Galvão Engenharia e OAS. Nenhuma delas assinou acordo com o governo, no entanto. Divergências entre os órgãos envolvidos nas negociações vêm travando o desfecho das negociações. A expectativa é de que o governo informe nesta quinta ao menos em quais casos as tratativas estão mais avançadas.

Os acordos de leniência são espécies de delações premiadas assinadas por pessoas jurídicas, previstos na Lei Anticorrupção, que entrou em vigor em 2014. Permitem que empresas acusadas de corrupção continuem participando de licitações e firmando contratos com o governo federal, Estados e municípios, desde que cumpram alguns pré-requisitos, entre eles admitir a culpa nos crimes cometidos, colaborar com as investigações sobre o esquema ilegal e restituir integralmente os danos ao erário.

Fonte: Estadão via Mauro Negruni

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Saiba quais profissões terão maiores ganhos salariais em 2017

Levantamento da empresa de recrutamento Robert Half mostra quais ocupações têm maiores perspectivas de valorização no ano que vem
Mesmo com o país em recessão e com o desemprego crescente – são 12 milhões de pessoas procurando trabalho, segundo o dado do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgado no último dia 30 -, há profissionais cuja demanda em alta indica salários mais altos para o próximo ano. Um levantamento feito pela empresa de recrutamento e seleção Robert Half, com base nas entrevistas feitas e vagas disponíveis, mostra as tendências em oito áreas:
1. Finanças e contabilidade


- Auditor, empresas pequenas e médias: valorização de 6,6% (R$ 3.400 a R$ 9.500)  - Analista contábil/fiscal sênior, empresas pequenas e médias: valorização de 6,4% (R$ 5.500 a R$ 7.800)  - Gerente de auditoria, empresas de grande porte: valorização de 6,3% (R$ 13.500 a R$ 27.000)

2. Recursos humanos


- Coordenador/especialista em recursos humanos, empresas pequenas e médias: valor…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…