Pular para o conteúdo principal

Estado fracassa na proposta da lista de exceções do Difa

Entidades do comércio reforçam que são contra imposto e esperam votação na Assembleia Legislativa amanhã

O governo estadual fracassou na última cartada para tentar convencer entidades do comércio gaúcho a recuar na campanha pelo fim da cobrança da alíquota de fronteira. O Diferencial de Alíquota (Difa) representa 5% sobre mercadorias trazidas de outras regiões ou importadas e incide na contabilidade das micro e pequenas empresas (MPEs) optantes do Simples desde 2009. Reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social do Estado (CDES-RS) foi convocada exclusivamente para tratar da proposta de formar uma lista de exceção, defendida pelo governo, com produtos que não pagariam a alíquota caso não tivessem produção local. Os representantes das entidades descartaram a solução.
A Assembleia Legislativa poderá votar amanhã o Projeto de Lei 376/2013, que expurga a cobrança da lei do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Fecomércio-RS, Associação Gaúcha para o Desenvolvimento do Varejo (AGV), Federasul e Câmara dos Dirigentes Lojistas de Porto Alegre (CDL-POA) recusaram a oferta. O foco agora é a votação do PL de iniciativa da Mesa Diretora da Assembleia, que acelerou a tramitação da proposta originalmente do deputado de oposição Frederico Antunes (PP). Caso o PL seja aprovado, o argumento da área da Fazenda gaúcha de que os parlamentares não podem alterar tributação sem indicar outras fontes para compensar a perda de receita se enfraquecerá.
O secretário adjunto da Fazenda, André Paiva, admitiu, ao Jornal do Comércio, que, se mudar a lei, a saída poderá ser ir à Justiça para recompor a cobrança. Decreto legislativo aprovado em setembro tornou sem efeito o Difa, mas a Fazenda alega que a medida não é válida e mantém a cobrança. A situação gerou confusão sobre o recolhimento entre as MPEs. As entidades do setor orientaram a depositar em juízo. O coordenador executivo do conselhão gaúcho, Marcelo Danéris, ligado ao governo, disse que a intenção era encontrar um “termo médio” entre a cobrança e produtos com fabricação pela indústria. “A lista poderia ser melhorada, não produzimos uma ideia melhor do que ela. Mas as entidades são contra.”
A Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs), que é contra o fim da alíquota, chegou a sugerir a adoção da isenção, mas a lista ficaria sob responsabilidade da Fazenda. A Fiergs defendeu que o Estado seguisse a solução paranaense, que reduziu a alíquota para optantes do Simples dentro do Estado. Paiva citou que esta medida foi possível após elevação de tributos de outros segmentos. Governo e Fiergs alegam que o fim do Difa provocará perda de vendas de fabricantes locais, com a invasão de itens de outros estados e importados.
As entidades do comércio fecharam posição conjunta contra a lista e pelo fim da alíquota. O vice-presidente da Fecomércio-RS, Nelson Lídio Nunes, considerou muito burocrática a ideia da lista livre da tributação e espera que o PL seja aprovado. “Este pagamento representa mais custos ao empresário, que hoje já tem dificuldade em manter em dia seus tributos”, citou Nunes, lembrando o programa Em Dia, lançado pelo Estado para renegociar débitos. Na sexta-feira passada, o governo estadual anunciou fim de multas e juros no parcelamento de 120 meses, tentando esvaziar o movimento anti-Difa.
Nunes lembrou que as entidades tentam convencer o governo de que a perda de receita, estimada em R$ 200 milhões ao ano, é pequena. “A MPE é a que mais gera emprego. Vai ter aumento do salário mínimo regional. Os 5% são outro baque”, alegou. O movimento Chega de Mordida, que reúne CDL-POA, AGV e Federasul, reforçou que mantém a mobilização pela aprovação do projeto.

Patrícia Comunello

Fonte: Jornal do Comércio RS via Jurânio Monteiro

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…