Pular para o conteúdo principal

Falhas na gestão de dados dificultam tomadas de decisões

Em busca de melhorias no fluxo de informações, companhias implantam Governança de Dados

O ambiente tecnológico atual concentra muitos debates em torno do Big Data. Nesse cenário, a Governança de Dados, uma nova área de conhecimento dentro das empresas, ganha cada vez mais proeminência, Segundo o professor de pós-graduação da FIAP e presidente do capítulo brasileiro da DAMA – Data Management Association, Rossano Tavares, estimativas indicam que 40% das decisões nas corporações ainda são tomadas na base da intuição. “Isso acontece porque os tomadores de decisão não confiam nos dados que estão disponíveis”, afirma.
Segundo Rossano, palestrante do IT Forum Expo/Black Hat, realizado pela IT Mídia em parceria com a UBM Brazil, o resultado da inabilidade em lidar com informações vêm na forma de diversos erros, sendo que os mais críticos ocorrem nos pontos de contato com o cliente. Uma simples correspondência direcionada a clientes com alguma incorreção, por exemplo, já pode indicar que a companhia tem sérios problemas.
Para o executivo, o primeiro sintoma da falha em lidar com gerenciamento de dados vem da área de negócios. “Ela reclama da qualidade da informação que está recebendo. Nesse momento é possível perceber que não está na cultura da empresa a implementação de programas efetivos de gestão de dados”, diz.
Sob o guarda-chuva da Governança Corporativa e caminhando lado a lado com a Governança de Tecnologia, a Governança de Dados tem como objetivo organizar os dados circulantes dentro das empresas e transformá-los em informações para embasar tomadas de decisões. “O objetivo é trabalhar com todas as funções da empresa que manipulam dados e que deverão ser explorados pelas ferramentas de inteligência e pelos usuários, permeando assim todos os processos da organização”.
Para assegurar a implantação da governança, um tipo de profissional é fundamental nas organizações: o gerente de dados, mais conhecido pelo cargo em inglês data steward. O profissional tem como um dos seus principais objetivos identificar novas oportunidades de negócios por meio da análise estratégica dos dados, levando em conta a credibilidade e qualidade dos mesmos.
Rossano sugere que as empresas façam uma análise de seu estágio de maturidade no que diz respeito à gestão de dados e iniciem a implementação por áreas de negócios. O executivo ressalta ainda a necessidade de criar uma cultura de corresponsabilidade (accountability) logo na assinatura do contrato com o profissional: além de ser responsável por informações estratégicas, hardware e software, ele se comprometeria também com a eficiente manipulação de dados, de acordo com as diretrizes corporativas.

Fonte: InformationWeek

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…