Pular para o conteúdo principal

Contabilidade Pública como ferramenta de organização é tema de Simpósio Nacional em JP

A cidade de João Pessoa (PB) sediará entre os próximos dias 15 a 17 de julho o II Simpósio Nacional de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, voltado a professores, estudantes e profissionais ligados à área de gestão pública. O evento será realizado no auditório "Celso Furtado", do TCE, em João Pessoa, promovido pelo Conselho Regional de Contabilidade da Paraíba e coordenado pelo professor Ph.D Jorge Lopes.

Estão sendo disponibilizadas 500 inscrições, que podem ser feitas através do site www.crcpb.org.br  ou pelos números 3044-1329 e 1306, de segunda a sexta-feira.

Segundo o presidente do CRCPB, Glaydson Trajano, o objetivo do encontro é proporcionar aperfeiçoamento e novos conhecimentos convergentes às boas práticas da contabilidade pública na moderna administração brasileira, sobretudo diante da Lei de Responsabilidade Fiscal e das mudanças que vêm ocorrendo no ambiente econômico mundial.

"A busca por uma melhor eficiência e qualidade nos serviços públicos é uma realidade e nesse contexto, eficiência, produtividade e qualidade constituem-se em metas a serem alcançadas por todas as instituições, através de um nível de informação condizente com os objetivos pretendidos", afirmou.

Fórum de Gestores Públicos

O Simpósio será aberto às 14h30 do dia 15, com um Fórum estadual de Prefeitos e Gestores Públicos, através de uma mesa redonda composta por representantes da FAMUP, CGU, TCE, MP e MPF, além de participações especiais a serem confirmadas do senador Aécio Neves, do deputado federal Hugo Mota e do governador Ricardo Coutinho.

As atividades terão início às 18h00, com uma palestra Magna do professor e auditor de contas Públicas do TCE de Pernambuco, João Eudes Bezerra, sobre o tema "Proposta de Aplicação de custos no setor público”, seguida de sessão de autógrafos de livros de sua autoria. Na manhã do dia 16, o Mestre em Ciências Contábeis pela UFRJ Carlos Eduardo Ribeiro discorrerá sobre o Plano de contas aplicado ao setor público. Em seguida, o chefe da Controladoria Geral da União na PB, Fábio Araújo, abordará os Controles internos primários como caminho para eficiência de gestão.

Outros temas

À tarde, será a vez de o Doutorando em Ciências Contábeis pela Universidade de Brasília, Antônio Firmino Neto, proferir palestra acerca das Demonstrações contábeis sob a perspectiva das Ipsa's e normas brasileiras técnicas aplicadas ao setor público. Após, o especialista em Finanças e Controladoria Arnaldo Duarte Ribeiro enfocará as Fraudes na contabilidade pública e a importãncia da implantação de uma controladoria municipal.

O terceiro e último dia do evento será aberto com uma palestra do contador, auditor e perito contábil Elinaldo Barbosa sobre A ética contábil e a prática da contabilidade criativa nas ações governamentais. Ainda na parte da manhã, o tema "Entendendo resultados primário e nominal", será explanado pelo professor Paulo Henrique Feijó. À tarde, as últimas palestras caberão aos professores Diogo Barbosa e Joaquim Osório Liberalquino, respectivamente, sobre "Síntese das alterações na classificação da despesa para aquisições de materiais, softwares e serviços" e "A crise brasileira e a contabilidade pública".

Atenciosamente,

Cândido da Nóbrega F. Filho | candidonobrega@gmail.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…