Pular para o conteúdo principal

O mundo do trabalho em 2020

Uma importante pesquisa realizada pela consultoria Pricewaterhouse Coopers entre 2007 e 2008 debruçou-se a levantar perspectivas de como será o mundo do trabalho em 2020. Três mil jovens talentosos de diferentes países foram entrevistados e a PwC também ouviu especialistas dos mais diferentes campos manifestarem suas expectativas acerca das relações de trabalho nos próximos anos.

De posse dos resultados, foi possível identificar três diferentes mundos alternativos ou modelos de negócios que aparecem como grandes tendências norteadoras do pensamento corporativo, podendo impactar a vida de todos nós para o bem e para o mal.

O primeiro modelo é o que eles chamaram de “Mundo Azul”, no qual o capitalismo das grandes corporações reinará de modo supremo. Se o poderio financeiro de algumas das empresas transnacionais já é equiparado ao de países em desenvolvimento e sua influência tem sido cada vez maior na política, economia e cultura das nações onde atuam, imagine só o que poderá acontecer se houver a legitimação desta força!

Quanto aos empregados, estarão diante de uma encruzilhada: trabalharem em grandes companhias que fornecem tudo aquilo que necessitam para o seu bem-estar ou então operarem em empresas menores vivendo excluídos das grandes oportunidades por serem de “outro mundo”.

Só que, ao mesmo tempo em que os trabalhadores das grandes organizações estarão cercados de benefícios e atraídos por ofertas cada vez maiores e melhores, seus níveis de comprometimento e desempenho serão avaliados diariamente pelos olhos do Grande Irmão que não tolerará comportamentos desalinhados ou baixa produtividade, igual ao personagem criado por George Orwell.

O segundo modelo identificado como um possível cenário para 2020 é o “Mundo Verde”. Conforme o estudo, caracteriza-se pela consciência e o senso de responsabilidade ambiental adotado pelas companhias em decorrência do comportamento ético como prioridade máxima da sociedade.

Dentro deste olhar, o lobby ambientalista será tão amplo e poderoso que as empresas terão de reagir às preocupações dos consumidores com uma incrível rapidez para que atitudes consideradas como antiéticas não desvalorizem suas marcas e o preço de suas ações. Portanto, se este mundo subsistir a responsabilidade corporativa tornar-se-á um imperativo dos negócios, não tendo nada a ver com beneficência de fachada.

O impacto para o trabalhador é claro: grande parte das pessoas gozará estabilidade em seus empregos desde que suportem os valores e objetivos corporativos em torno da “agenda verde”. A preocupação dos especialistas é que neste modelo altamente regulamentado a capacidade de inovar tende a diminuir consideravelmente, existindo pouquíssimas empresas dispostas a correrem riscos.

E, por fim, o estudo da PwC trouxe uma terceira perspectiva: o “ Mundo Laranja”. Com barreiras comerciais abolidas pelos países para garantir sua competitividade, as empresas de classe mundial se fragmentarão em companhias locais sustentadas pelos avanços tecnológicos que possibilitarão um modelo de negócios no qual ser pequeno será a coisa certa para empresas e pessoas.

Neste caso, totalmente ambientados às inovações tecnológicas e inseridos em redes de relacionamento, os profissionais desenvolverão carreiras autônomas sustentadas por competências complexas e estarão organizados em associações profissionais que gerenciarão suas oportunidades de trabalho contratadas por curto prazo.

É praticamente impossível antever qual destas três perspectivas irá nos orientar em 2020 ou se coexistirão, o que muitos acreditam ser a hipótese mais provável. Por ora, preocupe-se em refletir bem o que sua empresa está fazendo para não ser pega de surpresa. Como o saudoso Peter Drucker dizia, a melhor maneira de prever o futuro é criá-lo.

Autor: Wellington Moreira – Palestrante e consultor empresarial nas áreas de Desenvolvimento Gerencial e Gestão de Carreiras, também é professor universitário em cursos de pós-graduação. Mestre em Administração de Empresas, possui MBA em Gestão Estratégica de Pessoas e é especialista em Comunicação Empresarial. wellington@caputconsultoria.com.br

Fonte: Caput Consultoria via o gerente

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…