Pular para o conteúdo principal

O mundo do trabalho em 2020

Uma importante pesquisa realizada pela consultoria Pricewaterhouse Coopers entre 2007 e 2008 debruçou-se a levantar perspectivas de como será o mundo do trabalho em 2020. Três mil jovens talentosos de diferentes países foram entrevistados e a PwC também ouviu especialistas dos mais diferentes campos manifestarem suas expectativas acerca das relações de trabalho nos próximos anos.

De posse dos resultados, foi possível identificar três diferentes mundos alternativos ou modelos de negócios que aparecem como grandes tendências norteadoras do pensamento corporativo, podendo impactar a vida de todos nós para o bem e para o mal.

O primeiro modelo é o que eles chamaram de “Mundo Azul”, no qual o capitalismo das grandes corporações reinará de modo supremo. Se o poderio financeiro de algumas das empresas transnacionais já é equiparado ao de países em desenvolvimento e sua influência tem sido cada vez maior na política, economia e cultura das nações onde atuam, imagine só o que poderá acontecer se houver a legitimação desta força!

Quanto aos empregados, estarão diante de uma encruzilhada: trabalharem em grandes companhias que fornecem tudo aquilo que necessitam para o seu bem-estar ou então operarem em empresas menores vivendo excluídos das grandes oportunidades por serem de “outro mundo”.

Só que, ao mesmo tempo em que os trabalhadores das grandes organizações estarão cercados de benefícios e atraídos por ofertas cada vez maiores e melhores, seus níveis de comprometimento e desempenho serão avaliados diariamente pelos olhos do Grande Irmão que não tolerará comportamentos desalinhados ou baixa produtividade, igual ao personagem criado por George Orwell.

O segundo modelo identificado como um possível cenário para 2020 é o “Mundo Verde”. Conforme o estudo, caracteriza-se pela consciência e o senso de responsabilidade ambiental adotado pelas companhias em decorrência do comportamento ético como prioridade máxima da sociedade.

Dentro deste olhar, o lobby ambientalista será tão amplo e poderoso que as empresas terão de reagir às preocupações dos consumidores com uma incrível rapidez para que atitudes consideradas como antiéticas não desvalorizem suas marcas e o preço de suas ações. Portanto, se este mundo subsistir a responsabilidade corporativa tornar-se-á um imperativo dos negócios, não tendo nada a ver com beneficência de fachada.

O impacto para o trabalhador é claro: grande parte das pessoas gozará estabilidade em seus empregos desde que suportem os valores e objetivos corporativos em torno da “agenda verde”. A preocupação dos especialistas é que neste modelo altamente regulamentado a capacidade de inovar tende a diminuir consideravelmente, existindo pouquíssimas empresas dispostas a correrem riscos.

E, por fim, o estudo da PwC trouxe uma terceira perspectiva: o “ Mundo Laranja”. Com barreiras comerciais abolidas pelos países para garantir sua competitividade, as empresas de classe mundial se fragmentarão em companhias locais sustentadas pelos avanços tecnológicos que possibilitarão um modelo de negócios no qual ser pequeno será a coisa certa para empresas e pessoas.

Neste caso, totalmente ambientados às inovações tecnológicas e inseridos em redes de relacionamento, os profissionais desenvolverão carreiras autônomas sustentadas por competências complexas e estarão organizados em associações profissionais que gerenciarão suas oportunidades de trabalho contratadas por curto prazo.

É praticamente impossível antever qual destas três perspectivas irá nos orientar em 2020 ou se coexistirão, o que muitos acreditam ser a hipótese mais provável. Por ora, preocupe-se em refletir bem o que sua empresa está fazendo para não ser pega de surpresa. Como o saudoso Peter Drucker dizia, a melhor maneira de prever o futuro é criá-lo.

Autor: Wellington Moreira – Palestrante e consultor empresarial nas áreas de Desenvolvimento Gerencial e Gestão de Carreiras, também é professor universitário em cursos de pós-graduação. Mestre em Administração de Empresas, possui MBA em Gestão Estratégica de Pessoas e é especialista em Comunicação Empresarial. wellington@caputconsultoria.com.br

Fonte: Caput Consultoria via o gerente

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…