Pular para o conteúdo principal

O PODER DA SIMPLICIDADE

Duas palavras estão na moda: empreendedorismo e inovação. Pelo empreendedorismo, os indivíduos são estimulados a ganhar a vida como autônomos ou como empresários, fora do emprego assalariado. Mas há um problema: nos cursos de treinamento, os estudos de caso trazem uma overdose de Steve Jobs, Bill Gates e outros megaempresários norte-americanos, como exemplos de iniciativa empreendedora bem-sucedida.

O ruim disso é que em sua maioria os alunos de cursos de treinamento médios ou superiores vão passar muito longe desses megaempresários, aves raras no panorama empresarial. A boa notícia é que há milhões de oportunidades abertas a indivíduos com iniciativa para negócios pequenos e atividades simples. Essas oportunidades estão por toda parte, à espera de que alguém as descubra.

Outra palavra da moda é “inovação”. Há uma onda de megalomania nos cursos e conferências, em que os exemplos mais citados são o iPhone, o iPad, o Google e outros produtos da moda, que também estão longe da imensa maioria de empreendedores. Meu questionamento é se, ao focarmos nos exemplos dos iPhones e dos Bill Gates da vida, não desestimulamos os candidatos a empreendedores justamente por eles sentirem que tudo isso está muito distante de sua linha de horizonte.

Entre as grandes inovações estão algumas de acachapante simplicidade e o mundo continua à espera de soluções para problemas simples e pequenos. Durante décadas, pessoas amargaram desconforto e castigaram suas vértebras carregando malas pesadas em rodoviárias e aeroportos do mundo. Demorou até que foram inventados os carrinhos para transporte de malas, uma solução precária e limitada.

Foram necessários seis mil anos desde a invenção da roda pelos mesopotâmios e 30 anos depois que o homem foi à lua para alguém ter a revolucionária ideia de colocar rodinhas miúdas sob a própria mala. Como uma inovação tão simples – e tão importante – pôde demorar tanto? Confúcio dizia que “a simplicidade é o último degrau da sabedoria”. Outros exemplos são o clip e o grampo de papel, dois inventos completamente simples, sem os quais o mundo não funciona direito.

Mas a simplicidade não é fácil. Criou-se no imaginário popular que a humanidade precisa de invenções bombásticas e que empreendedorismo é ser um novo Steve Jobs. Não é nada disso. Um dos exemplos mais malucos de estupidez, que infernizou a vida de milhões de pessoas e empresas, é o caso do selo. Sim, esse selinho que colocamos nos envelopes de cartas, mas que já foram impressos em bilhões de unidades para servirem como recibo de pagamento de impostos e outras contas.

Até os anos 1970, um contribuinte ia à “coletoria de impostos”, levava um cheque e a guia do tributo, pagava o governo e sobre a guia eram colados selos em fila com os valores até os centavos, como prova da quitação do débito. Só que o selo era um produto industrial tão complexo quanto uma cédula de dinheiro e, de vez em quando, a casa da moeda não abastecia de selos as milhares de agências de renda e os bancos... e o país entrava em crise.

Após décadas de ditadura do selo, alguém teve a ideia brutalmente simples de criar uma maquininha autenticadora, que somente as agências de renda e os bancos podiam possuir, a qual imprimia o valor pago sobre a guia de papel e pronto, o recibo estava dado. Foi uma revolução, que vista em retrospecto parece uma brincadeira infantil. Com um pouco de esforço, você pode identificar problemas miúdos que infernizam sua vida à espera de alguma inovação simples e revolucionária da qual o mundo vai rir no futuro.

Texto publicado na edição impressa de 29 de maio da Gazeta do Povo

Por José Pio Martins

José Pio Martins, economista, é reitor da Universidade Positivo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…