Pular para o conteúdo principal

Aumento da tributação de CSLL sobre os bancos é confiscatória

O Senado aprovou em 15/09/2015 medida que aumenta alíquota da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido-CSLL para instituições financeiras de 15 para 20%. A medida foi sancionada pela presidente Dilma, com vetos, em 07/10/2015 e vigerá até o dia 31 de dezembro de 2018.

Somando-se essa elevação ao Imposto de Renda Pessoa Jurídica-IRPJ (15% mais 10% de adicional) e aos demais tributos já se começa a falar que a nova tributação beira o confisco, ultrapassando vultuoso patamar de 45% dos lucros tributados.

Estão sujeitos à nova tributação os bancos de qualquer espécie; as distribuidoras de valores mobiliários; as corretoras de câmbio e de valores mobiliários; as sociedades de crédito, financiamento e investimentos; as sociedades de crédito imobiliário; as administradoras de cartões de crédito; as sociedades de arrendamento mercantil; as cooperativas de crédito (para estas, o aumento será para 17%); e as associações de poupança e empréstimo.

A última alteração da alíquota da CSLL referente às instituições financeiras ocorreu em 2008, quando passou de 9 para 15% (Lei 11.727 de 23 de junho de 2008). Tal alteração é objeto da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4101, proposta pela Confederação Nacional do Sistema Financeiro (Consif) perante o Supremo Tribunal Federal. Referida ADI ainda está pendente de julgamento.

Com efeito, não se pode desconsiderar que o legislador deve agir com conduta marcada pelo equilíbrio, pela moderação e pela medida na quantificação dos tributos, tudo tendo em vista um direito tributário justo. Daí a importância da razoabilidade e da proporcionalidade, como forma de não se alijar a livre iniciativa.

O princípio da não-confiscatoriedade (Art. 150, IV da CR/88) limita o direito que as pessoas políticas têm de expropriar bens privados através de tributos. Ressalte-se que o STF já definiu que a confiscatoriedade vedada se dá tanto à luz de um único tributo com alíquota alta, quanto de vários, de um mesmo ente político, ainda que individualmente tenham alíquotas baixas.

Convém notar, outrossim que, na Argentina, país cuja taxa de retorno dos tributos se assemelha ao Brasil, foi fixado o entendimento que a tributação que ultrapassa 33% já possui efeito confiscatório. Ora, uma tributação que chega a ultrapassar 45%, como no caso em apreço, deve também ser tida por confiscatória.

Com efeito, se houvesse um caráter extrafiscal, até poderia se admitir razoabilidade nessa tributação tão alta. Ocorre que o fim da MP 675 é simplesmente arrecadatório. Os princípios constitucionais tributários devem ser aplicados indistintamente a todos os contribuintes, independentemente da simpatia que gozam da população.

Ademais, sabe-se que em nosso país é comum que a população mais pobre sofra maiores danos. Destarte, é de se imaginar que os efeitos do aumento da CSLL sobre os bancos refletirá nas pessoas físicas e/ou jurídicas que necessitam de empréstimos, financiamentos etc. junto às instituições financeiras, por meio de juros e restrições.


por  Teógnis da Silva Leite

Teógnis da Silva Leite é estudante do 9° período do curso de direito da Pontifícia Universidade Católica de Goiás-PUC/GO. Foi estagiário no Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região, no Ministério Publico Estadual de Goiás e no Ministério Público Federal em Goiás. Atualmente estagia no escritório Limiro Advogados.

Fonte: Justificar Direito.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…