Pular para o conteúdo principal

Burocracia e crescimento

A crise econômica, que desde 2008 atinge o mundo em proporções diferentes e numa espécie de revezamento, parece ainda longe de terminar. O Brasil, mesmo sendo um dos países menos afetados desde o início, como era de se esperar para um País que é visto como uma das maiores promessas entre as nações emergentes, formando junto com Rússia, China, Índia e África do Sul o bloco denominado BRICS, conseguiu se manter em crescimento, mesmo que pequeno, ao mesmo tempo em que praticamente assegurou o pleno emprego. Com uma previsão do PIB (Produto Interno Bruto) para 2013 de 2,5%, de acordo com os dados mais recentes divulgados pelo Banco Central (BC), podemos dizer que não temos o ritmo do desenvolvimento esperado e necessário, mas certamente temos conseguido superar situações difíceis, sobretudo relacionadas ao cenário externo.

Cabe lembrar que em 2012 crescemos 1% e que as projeções para este ano indicam um PIB em torno de 1,8%. De novo, não são dados otimistas, estamos ainda falando de um pibinho, mas estamos muito longe das históricas crises que nos levaram literalmente ao fundo do poço, ao descrédito internacional. Hoje temos reservas perto de US$ 400 bilhões, o que nos dá uma folga muito grande, principalmente quando comparamos ao passado não muito distante. É um crescimento pequeno, mas constante. Se compararmos com países desenvolvidos europeus, estamos com desempenho muito melhor.

Além disso, o Brasil tem diversas vantagens em relação a países desenvolvidos: terra com condições de plantio, grande quantidade de água e clima que favorece a agricultura e a pecuária; temos petróleo e a expectativa ainda grande em torno da camada pré-sal em grande extensão no nosso litoral, o que deve ampliar sobremaneira nossas reservas em petróleo e gás natural; há uma indústria moderna e competitiva e um parque tecnológico em franco crescimento; entre outras coisas, temos ainda estabilidade social e política, em termos comparativos, e uma infraestrutura que poderia ser melhor, mas não é das piores. Ou seja, temos tudo para continuar nesta linha de ampliação da nossa economia e cada estado contribuindo com as suas principais vantagens socioeconômicas.

Infelizmente, o País ainda sofre com alguns entraves burocráticos que atrasam e, até mesmo, paralisam a evolução dos processos de desenvolvimento e crescimento. Atualmente, existem alguns mecanismos, se assim podemos chamar, que facilitam o dia a dia das empresas, sem contar que reduzem os custos operacionais e aumentam o lucro das organizações, já que a fluidez das operações se torna muito mais rápida. Me refiro à Certificação Digital. Mesmo sendo obrigatória para algumas ações junto ao governo e órgãos fiscalizadores, muitos empresários, a despeito dessa obrigatoriedade, já perceberam que o tempo ganho com o uso da assinatura digital traz benefício na gestão das empresas e permite maior rapidez em outras operações. Isso sem falarmos sobre os gastos com papéis, reconhecimentos em cartórios, entrega de documentos, entre outras coisas.

A Certificação Digital atribui autenticidade e garante a integridade dos documentos eletrônicos assinados. Além disso, torna a empresa mais transparente, permite maior controle sobre todas as etapas produtivas e inibi a sonegação por parte de fornecedores. A validade jurídica dos documentos eletrônicos assinados de forma digital está garantida pela legislação brasileira, que concede à assinatura digital o mesmo valor que a assinatura manuscrita, por ser feita por meio de um Certificado Digital ICP-Brasil.

Desburocratizando processos, agilizando as atividades e estabelecendo novas facilidades aos empreendedores, as empresas irão melhorar seus desempenhos cada vez mais e isso fará com que todos os Estados cresçam ainda mais e proporcionem ao País o afastamento da máxima de se andar sempre ao risco de tornar-se novamente a “bola da vez” para investimentos estrangeiros.

Queremos uma nação às claras, que afugente de vez as pechas que nos são atribuídas relatando operações obscuras e permita pela transparência a conquista de espaços cada vez melhores e mais nobres no cenário internacional.

Fonte: DCI – SP via Mauro Negruni.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…