Pular para o conteúdo principal

Especialistas apontam dificuldades no cumprimento da lei da nota fiscal

A partir da próxima semana começam a vigorar as sanções previstas na chamada lei da nota fiscal (12.741/12), que impõe a divulgação em notas e cupons dos valores dos tributos federais, estaduais e municipais embutidos nos preços cobrados de cada produto ou serviço comercializado. 

Art. 5º Decorrido o prazo de 12 (doze) meses, contado do início de vigência desta Lei, o descumprimento de suas disposições sujeitará o infrator às sanções previstas no Capítulo VII do Título I da Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990. (Redação dada pela Lei nº 12.868, de 2013) 

As empresas que descumprirem as regras ficarão sujeitas ao pagamento de multa de até três milhões de UFIR, que foi extinta em 2011 e hoje é substituída pela Selic e cálculos fixados por portarias dos Procons. Além disso, podem sofrer outras penalidades como apreensão de produtos, suspensão temporária de suas atividades e até interdição. 

Frente à proximidade da data, especialistas destacam que a medida é, de fato, positiva, mas fazem a ressalva de que, diante da complexidade do sistema tributário brasileiro, as empresas certamente enfrentarão dificuldades para implementar seus sistemas, correndo o risco de serem multadas pelos fiscais da Fazenda. 

Como primeiro desafio a ser superado, o advogado Júlio de Oliveira, do escritório Machado Associados Advogados e Consultores, elenca a correta interpretação da lei e a compreensão do nível de detalhamento dos impostos a serem discriminados no corpo da nota fiscal. Tendo em vista a complexidade das leis tributárias, o causídico ainda pondera que será uma tarefa difícil demonstrar ao consumidor a carga à qual está sujeito em relação ao consumo banal, do dia a dia.

Apesar de ressaltar que esse é o ponto meritório da lei, Oliveira pondera que a norma não consegue materializar a publicidade dos tributos em números. "Determinar em termos reais, dentro do preço, o que cada um desses tributos significa será uma grande dificuldade." 

Para o advogado tributarista Luis Eduardo Longo Barbosa, do Trigueiro Fontes Advogados, a norma cria um interessante método para incrementar a cultura tributária do público consumidor, mas sua implementação trará algum custo às empresas. 

"Esse é um aspecto negativo da norma. Assim se verifica a perversa realidade do pleno repasse de encargos e obrigações à sociedade, afinal, até para se evidenciar e expor a abusiva carga tributária de nosso país, algum contribuinte (no caso as empresas) acaba sendo onerado, ainda que indiretamente. Se bem regulamentada e aplicada, não há razão para a lei não pegar, e, nesse particular, acredito na eficiência da fiscalização. Afinal, por mais paradoxal que seja, ela pode incrementar a arrecadação de recursos públicos com a cobrança de multas administrativas."

Ainda de acordo com o também tributarista Marcos Domingos Neto, da banca Marcelo Tostes Advogados, a lei vai gerar grandes custos para as empresas, que terão de alterar o software para emissão de notas fiscais ou equivalentes. 

"Contudo, para evitar tais custos e cumprir a norma legal, as empresas poderão recorrer a qualquer outro meio eletrônico ou impresso como, aliás, já ocorre em alguns ônibus da Região Metropolitana de Belo Horizonte, que circulam com um cartaz impresso, fornecido pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros Metropolitano (Sintram), no qual consta o percentual dos tributos incidentes sobre o valor da passagem." 

Segundo a advogada Nivea Cristina Costa Pulschen, tributarista do escritório Leite, Tosto e Barros - Advogados Associados, essa lei já faz parte do dia a dia dos consumidores brasileiros. 

"Na prática, percebe-se que o setor varejista de médio e grande porte, independentemente da entrada em vigor dessa nova lei, já vem informando nos documentos fiscais que emitem o valor aproximado dos tributos incidentes nos produtos que comercializa. No dia a dia, não sentimos grandes dificuldades por parte do empresariado. Até porque, se um empresário não possuir noção do quanto lhe é exigido a título de tributos, além de em breve descumprir a nova legislação consumerista, estará fadado também a sofrer autuação fiscal." 

Já o advogado civilista Eduardo Vital Chaves, sócio do contencioso cível do Rayes & Fagundes Advogados Associados, lembra que a norma atende a um direito básico dos consumidores, à informação adequada e clara, com a especificação do preço dos produtos e serviços, previsto no artigo 6º, inciso III do CDC. 

"Na prática, atende-se, finalmente, a um reclamo antigo dos consumidores, que é saber, de forma discriminada, o percentual de tributos incidentes nas compras realizadas e serviços prestados pelas mais diversas empresas."

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…