Pular para o conteúdo principal

Especialistas apontam dificuldades no cumprimento da lei da nota fiscal

A partir da próxima semana começam a vigorar as sanções previstas na chamada lei da nota fiscal (12.741/12), que impõe a divulgação em notas e cupons dos valores dos tributos federais, estaduais e municipais embutidos nos preços cobrados de cada produto ou serviço comercializado. 

Art. 5º Decorrido o prazo de 12 (doze) meses, contado do início de vigência desta Lei, o descumprimento de suas disposições sujeitará o infrator às sanções previstas no Capítulo VII do Título I da Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990. (Redação dada pela Lei nº 12.868, de 2013) 

As empresas que descumprirem as regras ficarão sujeitas ao pagamento de multa de até três milhões de UFIR, que foi extinta em 2011 e hoje é substituída pela Selic e cálculos fixados por portarias dos Procons. Além disso, podem sofrer outras penalidades como apreensão de produtos, suspensão temporária de suas atividades e até interdição. 

Frente à proximidade da data, especialistas destacam que a medida é, de fato, positiva, mas fazem a ressalva de que, diante da complexidade do sistema tributário brasileiro, as empresas certamente enfrentarão dificuldades para implementar seus sistemas, correndo o risco de serem multadas pelos fiscais da Fazenda. 

Como primeiro desafio a ser superado, o advogado Júlio de Oliveira, do escritório Machado Associados Advogados e Consultores, elenca a correta interpretação da lei e a compreensão do nível de detalhamento dos impostos a serem discriminados no corpo da nota fiscal. Tendo em vista a complexidade das leis tributárias, o causídico ainda pondera que será uma tarefa difícil demonstrar ao consumidor a carga à qual está sujeito em relação ao consumo banal, do dia a dia.

Apesar de ressaltar que esse é o ponto meritório da lei, Oliveira pondera que a norma não consegue materializar a publicidade dos tributos em números. "Determinar em termos reais, dentro do preço, o que cada um desses tributos significa será uma grande dificuldade." 

Para o advogado tributarista Luis Eduardo Longo Barbosa, do Trigueiro Fontes Advogados, a norma cria um interessante método para incrementar a cultura tributária do público consumidor, mas sua implementação trará algum custo às empresas. 

"Esse é um aspecto negativo da norma. Assim se verifica a perversa realidade do pleno repasse de encargos e obrigações à sociedade, afinal, até para se evidenciar e expor a abusiva carga tributária de nosso país, algum contribuinte (no caso as empresas) acaba sendo onerado, ainda que indiretamente. Se bem regulamentada e aplicada, não há razão para a lei não pegar, e, nesse particular, acredito na eficiência da fiscalização. Afinal, por mais paradoxal que seja, ela pode incrementar a arrecadação de recursos públicos com a cobrança de multas administrativas."

Ainda de acordo com o também tributarista Marcos Domingos Neto, da banca Marcelo Tostes Advogados, a lei vai gerar grandes custos para as empresas, que terão de alterar o software para emissão de notas fiscais ou equivalentes. 

"Contudo, para evitar tais custos e cumprir a norma legal, as empresas poderão recorrer a qualquer outro meio eletrônico ou impresso como, aliás, já ocorre em alguns ônibus da Região Metropolitana de Belo Horizonte, que circulam com um cartaz impresso, fornecido pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros Metropolitano (Sintram), no qual consta o percentual dos tributos incidentes sobre o valor da passagem." 

Segundo a advogada Nivea Cristina Costa Pulschen, tributarista do escritório Leite, Tosto e Barros - Advogados Associados, essa lei já faz parte do dia a dia dos consumidores brasileiros. 

"Na prática, percebe-se que o setor varejista de médio e grande porte, independentemente da entrada em vigor dessa nova lei, já vem informando nos documentos fiscais que emitem o valor aproximado dos tributos incidentes nos produtos que comercializa. No dia a dia, não sentimos grandes dificuldades por parte do empresariado. Até porque, se um empresário não possuir noção do quanto lhe é exigido a título de tributos, além de em breve descumprir a nova legislação consumerista, estará fadado também a sofrer autuação fiscal." 

Já o advogado civilista Eduardo Vital Chaves, sócio do contencioso cível do Rayes & Fagundes Advogados Associados, lembra que a norma atende a um direito básico dos consumidores, à informação adequada e clara, com a especificação do preço dos produtos e serviços, previsto no artigo 6º, inciso III do CDC. 

"Na prática, atende-se, finalmente, a um reclamo antigo dos consumidores, que é saber, de forma discriminada, o percentual de tributos incidentes nas compras realizadas e serviços prestados pelas mais diversas empresas."

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…