Pular para o conteúdo principal

Saudades dos bons tempos....!

Caros leitores, não sei quanto a vocês, mas eu estava com muita saudade da nossa interação. Esta coluna para mim é puro prazer ao escrevê-la e receber comentários, criticas e ideias para outras produções.
           
Estive ausente por muito tempo – a última coluna postada aqui foi em 07/abril/2014, ou seja, quase dois meses se passaram. Neste tempo troquei de celular, de carro, de computador pessoal, palestrei no Fórum SPED Porto Alegre, palestrei em outros tantos lugares, viajei e trabalhei muito. E foi por isso mesmo que fiquei tanto tempo ausente, por tudo o que fiz e estudei sobre o SPED (Sistema Público de Escrituração Digital) nestes dois meses.

Não foi preguiça para escrever e contar novidades, foi o contrário, muitas novidades que não me permitiram estar mais próximo desta coluna.

As novidades dos registros M205 e M605 na EFD Contribuições, tratando de alimentar a “joia” da Receita Federal do Brasil, a DCTF - Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais. É uma das peças tributárias mais importantes, afinal acaba por constituir uma confissão de dívida do contribuinte.

As novidades do eSocial, e os inúmeros trabalhos realizados de consultoria e diagnóstico em clientes no país, foram outra grande fonte de consumo do meu tempo e exigiram dedicação. A propósito o livro anunciado sobre o tema no Fórum em Porto Alegre está no “forno”. Será lançado brevemente, segundo informações do editor.

A ECF, Escrituração Contábil Fiscal, nome que sugeri que fosse alterado, sem sucesso, já que no varejo ECF, sempre foi Emissor de Cupom Fiscal, está nos caminhos dos analistas de sistemas, contadores e administradores das empresas. Junto com a ECD, Escrituração Contábil Digital, já mostrou sua amplitude sobre a contabilidade e gerou inúmeras  discussões. Boas discussões.

Eu sou um profissional inquieto. As novidades a meu alcance e a minha ignorância  sobre vários assuntos me conduzem para uma posição de pesquisador na busca pelo conhecimento de forma voraz. Então acabo por voltar a projetos sempre que posso. Para atuar na “linha de frente” com meus colegas e exercitar meus conhecimentos. Isso é motivo de grande alegria e satisfação. E como dizem os sábios, “quem faz o que gosta, não trabalha, se diverte.”

Sou “das antigas”, como dizem os gaúchos, trabalho sempre inovando no que posso, mas mantendo algumas raízes e pé no chão. Acredito que inovar é importante, mas porque inovar? Neste caso a resposta traz mais informação do que a pergunta. Algumas vezes é ao contrário. Então chego a conclusão que o conhecimento e a dedicação das pessoas a uma causa são mais importantes do que qualquer tecnologia. E claro que tecnologia é importante e se bem utilizada ajuda a humanidade a progredir. Não há dúvidas.

Confesso que o principal motivador foi ter lido a coluna do Paulo Sant’Ana. Hoje pela manhã, ele mesmo informava na ZH (Zero Hora) a informação que havia ganho novamente o premio de colunista na pesquisa Top of Mind da Revista Amanhã. Singelos e afetuosos cumprimentos ao grande colunista. São raros os casos de tamanho reconhecimento do público, e por tanto tempo (são mais de duas décadas). 

Pronto. Matei a saudade de escrever e publicar. E você. Gostou de ler?

Mauro Negruni

Fonte: Baguete.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…