Pular para o conteúdo principal

Saudades dos bons tempos....!

Caros leitores, não sei quanto a vocês, mas eu estava com muita saudade da nossa interação. Esta coluna para mim é puro prazer ao escrevê-la e receber comentários, criticas e ideias para outras produções.
           
Estive ausente por muito tempo – a última coluna postada aqui foi em 07/abril/2014, ou seja, quase dois meses se passaram. Neste tempo troquei de celular, de carro, de computador pessoal, palestrei no Fórum SPED Porto Alegre, palestrei em outros tantos lugares, viajei e trabalhei muito. E foi por isso mesmo que fiquei tanto tempo ausente, por tudo o que fiz e estudei sobre o SPED (Sistema Público de Escrituração Digital) nestes dois meses.

Não foi preguiça para escrever e contar novidades, foi o contrário, muitas novidades que não me permitiram estar mais próximo desta coluna.

As novidades dos registros M205 e M605 na EFD Contribuições, tratando de alimentar a “joia” da Receita Federal do Brasil, a DCTF - Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais. É uma das peças tributárias mais importantes, afinal acaba por constituir uma confissão de dívida do contribuinte.

As novidades do eSocial, e os inúmeros trabalhos realizados de consultoria e diagnóstico em clientes no país, foram outra grande fonte de consumo do meu tempo e exigiram dedicação. A propósito o livro anunciado sobre o tema no Fórum em Porto Alegre está no “forno”. Será lançado brevemente, segundo informações do editor.

A ECF, Escrituração Contábil Fiscal, nome que sugeri que fosse alterado, sem sucesso, já que no varejo ECF, sempre foi Emissor de Cupom Fiscal, está nos caminhos dos analistas de sistemas, contadores e administradores das empresas. Junto com a ECD, Escrituração Contábil Digital, já mostrou sua amplitude sobre a contabilidade e gerou inúmeras  discussões. Boas discussões.

Eu sou um profissional inquieto. As novidades a meu alcance e a minha ignorância  sobre vários assuntos me conduzem para uma posição de pesquisador na busca pelo conhecimento de forma voraz. Então acabo por voltar a projetos sempre que posso. Para atuar na “linha de frente” com meus colegas e exercitar meus conhecimentos. Isso é motivo de grande alegria e satisfação. E como dizem os sábios, “quem faz o que gosta, não trabalha, se diverte.”

Sou “das antigas”, como dizem os gaúchos, trabalho sempre inovando no que posso, mas mantendo algumas raízes e pé no chão. Acredito que inovar é importante, mas porque inovar? Neste caso a resposta traz mais informação do que a pergunta. Algumas vezes é ao contrário. Então chego a conclusão que o conhecimento e a dedicação das pessoas a uma causa são mais importantes do que qualquer tecnologia. E claro que tecnologia é importante e se bem utilizada ajuda a humanidade a progredir. Não há dúvidas.

Confesso que o principal motivador foi ter lido a coluna do Paulo Sant’Ana. Hoje pela manhã, ele mesmo informava na ZH (Zero Hora) a informação que havia ganho novamente o premio de colunista na pesquisa Top of Mind da Revista Amanhã. Singelos e afetuosos cumprimentos ao grande colunista. São raros os casos de tamanho reconhecimento do público, e por tanto tempo (são mais de duas décadas). 

Pronto. Matei a saudade de escrever e publicar. E você. Gostou de ler?

Mauro Negruni

Fonte: Baguete.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…