Pular para o conteúdo principal

As demandas "ocultas" do SPED

Em tempos de eSocial, Bloco K, ECF e demais obrigações acessórias conhecidas e já entregues, muito se fala sobre a capacidade fiscalizatória e o amplo poder de cruzamentos possíveis e já estabelecidos pelo fisco - em todas as esferas - sendo este um tema tratado por especialistas (ou não), recorrentemente, e como sendo um dos grandes desafios da era fiscal digital.
Porém, para se tornar "apto" à tais diligências fiscalizatórias, o contribuinte precisa - antes de tudo - possuir dados íntegros e que garantam a aplicação de regras para tais cruzamentos de dados. E neste ponto, há ainda muito o que melhorar.
Os programas de validação e assinatura de arquivos - PVA - possuem a nobre tarefa na relação fisco x contribuinte de  qualificar a integridade técnica e básica dos dados à serem transmitidos. Ou seja, garantir que as informações que comporão o banco de dados do fisco contenha, no mínimo, os dados esperados e no padrão previsto nos guias e manuais de cada uma das obrigações digitais enviadas, além, é claro, de validações aritméticas de primeiro nível e que - de tão elementar - não se caracterizam como regras complexas, ocultas, nem tampouco desconhecidas.
Porém, mesmo diante do conhecimento da necessidade de qualificação das informações da empresa - e que serão transmitidas ao fisco - muitos contribuintes ainda optam pelo estrito cumprimento do prazo como forma de isentar-se da multa pela não entrega e, com isso, entram em uma espiral suicida já que, na grande maioria dos casos, a atenção requerida para melhoria das informações e envio da totalidade destas, não integram a lista da atividades dos setores responsáveis por tal e, com isso, caem no esquecimento até a próxima entrega de arquivo.
Atento a este comportamento o fisco vêm ampliando suas exigências e amplitude das regras de validação - NCM completa, obrigatoriedade de informar o documento fiscal referenciado na NF-e, já orientam neste aspecto - de modo que a qualidade passe a existir já no início da cadeia da informação fiscal. Além disso, cogita-se a habilitação de regra que identifique que o arquivo ora transmitido não contém dados (o famoso "zeradão") e, com isso, o cumprimento da obrigação acessória seja desconsiderado e as multas passíveis de tal ausência sejam aplicadas.
Mas, apesar deste tipo de aceno por parte do fisco orientado ao compliance, há que se considerar que a obrigação de cumprir a lei é - e sempre foi - do contribuinte. O papel do fisco é fiscalizar e não dizer como deve ser feito mas em caso de dúvidas, há mecanismos conhecidos para este tipo consulta, inclusive, com respostas formais e  validade jurídica.
Considerando o cenário "aterrorizante" da aplicação de regras e cruzamentos efetuados pelo fisco, muitas empresas preocupam-se, excessivamente, com as "demandas ocultas" do SPED, mas não consideram realizar operações fiscais com contribuinte habilitado, NCM válida e descrição do produto compatível, base de cálculo, alíquota, entre outros parâmetros existentes nos documentos fiscais atendendo aos requisitos legais vigentes e que contribuiriam para ausência na malha fina das pessoas jurídicas. 
Qualificar informações em todos os níveis da empresa não deve ser considerado uma demanda fiscal, mas sim um requisito do negócio. Este processo deverá estar orientado à identificar riscos e oportunidades, pois apenas com um conjunto de dados saneados é que se pode aplicar regras, estabelecer limites e caminhar em busca do real cumprimento das regras do jogo que todo negócio está sujeito.
Portanto, não basta cumprir o prazo de entrega. É necessário garantir a qualidade do conjunto dos dados entregue ao fisco pois, do contrário, prepare-se para desenvolver melhorias que poderiam ser programadas em um curto espaço de tempo. Afinal de contas, o fisco assim como sua empresa, precisar cumprir metas.

Por Jurânio Monteiro

Diretor de Serviços da GSW RS, palestrante, colaborador do blog do José Adriano, especialista em projetos fiscais digitais e participante ativo em comunidades de discussão do SPED desde 2007.

Fonte: José Adriano.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…