Pular para o conteúdo principal

As demandas "ocultas" do SPED

Em tempos de eSocial, Bloco K, ECF e demais obrigações acessórias conhecidas e já entregues, muito se fala sobre a capacidade fiscalizatória e o amplo poder de cruzamentos possíveis e já estabelecidos pelo fisco - em todas as esferas - sendo este um tema tratado por especialistas (ou não), recorrentemente, e como sendo um dos grandes desafios da era fiscal digital.
Porém, para se tornar "apto" à tais diligências fiscalizatórias, o contribuinte precisa - antes de tudo - possuir dados íntegros e que garantam a aplicação de regras para tais cruzamentos de dados. E neste ponto, há ainda muito o que melhorar.
Os programas de validação e assinatura de arquivos - PVA - possuem a nobre tarefa na relação fisco x contribuinte de  qualificar a integridade técnica e básica dos dados à serem transmitidos. Ou seja, garantir que as informações que comporão o banco de dados do fisco contenha, no mínimo, os dados esperados e no padrão previsto nos guias e manuais de cada uma das obrigações digitais enviadas, além, é claro, de validações aritméticas de primeiro nível e que - de tão elementar - não se caracterizam como regras complexas, ocultas, nem tampouco desconhecidas.
Porém, mesmo diante do conhecimento da necessidade de qualificação das informações da empresa - e que serão transmitidas ao fisco - muitos contribuintes ainda optam pelo estrito cumprimento do prazo como forma de isentar-se da multa pela não entrega e, com isso, entram em uma espiral suicida já que, na grande maioria dos casos, a atenção requerida para melhoria das informações e envio da totalidade destas, não integram a lista da atividades dos setores responsáveis por tal e, com isso, caem no esquecimento até a próxima entrega de arquivo.
Atento a este comportamento o fisco vêm ampliando suas exigências e amplitude das regras de validação - NCM completa, obrigatoriedade de informar o documento fiscal referenciado na NF-e, já orientam neste aspecto - de modo que a qualidade passe a existir já no início da cadeia da informação fiscal. Além disso, cogita-se a habilitação de regra que identifique que o arquivo ora transmitido não contém dados (o famoso "zeradão") e, com isso, o cumprimento da obrigação acessória seja desconsiderado e as multas passíveis de tal ausência sejam aplicadas.
Mas, apesar deste tipo de aceno por parte do fisco orientado ao compliance, há que se considerar que a obrigação de cumprir a lei é - e sempre foi - do contribuinte. O papel do fisco é fiscalizar e não dizer como deve ser feito mas em caso de dúvidas, há mecanismos conhecidos para este tipo consulta, inclusive, com respostas formais e  validade jurídica.
Considerando o cenário "aterrorizante" da aplicação de regras e cruzamentos efetuados pelo fisco, muitas empresas preocupam-se, excessivamente, com as "demandas ocultas" do SPED, mas não consideram realizar operações fiscais com contribuinte habilitado, NCM válida e descrição do produto compatível, base de cálculo, alíquota, entre outros parâmetros existentes nos documentos fiscais atendendo aos requisitos legais vigentes e que contribuiriam para ausência na malha fina das pessoas jurídicas. 
Qualificar informações em todos os níveis da empresa não deve ser considerado uma demanda fiscal, mas sim um requisito do negócio. Este processo deverá estar orientado à identificar riscos e oportunidades, pois apenas com um conjunto de dados saneados é que se pode aplicar regras, estabelecer limites e caminhar em busca do real cumprimento das regras do jogo que todo negócio está sujeito.
Portanto, não basta cumprir o prazo de entrega. É necessário garantir a qualidade do conjunto dos dados entregue ao fisco pois, do contrário, prepare-se para desenvolver melhorias que poderiam ser programadas em um curto espaço de tempo. Afinal de contas, o fisco assim como sua empresa, precisar cumprir metas.

Por Jurânio Monteiro

Diretor de Serviços da GSW RS, palestrante, colaborador do blog do José Adriano, especialista em projetos fiscais digitais e participante ativo em comunidades de discussão do SPED desde 2007.

Fonte: José Adriano.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…