Pular para o conteúdo principal

Conheça o CEO que abandonou o posto para ser um pai melhor

Presidente da MongoDB comunicou nesta semana, por meio meu de seu blog, que deixará o cargo para poder se dedicar mais à família

Paternidade: aos homens, dificuldade em conciliar filhos e trabalho não é muito questionada

São Paulo - Histórias de executivas bem-sucedidas que deixaram tudo para trás ou botaram o pé no freio na carreira para cuidar dos filhos não são incomuns. Exatamente por esse motivo, muitas empresas tem criado benefícios exclusivos para ajudar suas funcionárias a conciliarem trabalho e vida pessoal.

Nesta semana, porém, foi um homem que decidiu abrir mão de seu cargo de CEO para ser um pai melhor.  Na terça-feira, Max Schireson, presidente da MongoDB - uma fornecedora de banco de dados que tem clientes como IBM, Intel e Cisco - comunicou em seu blog que deixaria o posto para poder estar mais próximo da família.  A decisão foi bastante repercutida na mídia internacional.

No post, entitulado "Por que estou deixando o melhor emprego da minha vida", o executivo ironizou o fato de nunca ter sido questionado sobre a paternidade. "Como um CEO do sexo masculino, tenho sido perguntado sobre qual tipo carro eu dirijo ou de que estilo de música eu gosto, mas nunca sobre como eu balanceio as demandas de ser um pai e um CEO", escreveu.

Schireson tem três filhos (de 9, 12 e 14 anos) que vivem com sua esposa em Palo Alto, no estado da Califórnia, nos EUA. A maioria das atividades da MongoDB, porém, são baseadas em Nova York. Por conta disso,  ele precisava viajar entre as duas cidades a cada duas ou três semanas, além dos deslocamentos a trabalho. 

"Durante essas viagens, tenho perdido muitos momentos de diversão da minha família, e talvez mais importante que isso, eu não estava com as minhas crianças quando nosso cachorro foi atropelado por um carro ou quando meu filho precisou de uma cirurgia (pequena, bem-sucedida e, é claro, não esperada)", disse no texto.

Na postagem, ele diz que sua esposa também tem uma carreira importante como médica e professora na Universidade de Stanford e que nunca poderá compensá-la por conseguir se dedicar aos filhos, mesmo com tanto trabalho. 

"Ela é uma mãe fantástica, brilhante, linda e infinitamente paciente comigo. Eu a amo, eu estarei infinitamente em débito com ela por ter encontrado um jeito de manter a família unida apesar das minhas viagens loucas. Eu não deveria continuar a abusar da paciência dela", brincou. 

Na carta, ele afirma que dentro de cerca de um mês passará o comando da companhia para outra pessoa e que estará ao lado desse profissional para ajudar no que for preciso "em tempo integral, mas não em tempo integral louco". 

"Eu reconheço que ao escrever isso devo estar me desqualificando para um papel de CEO no futuro. Isso vai me custar dezenas de milhões de dólares um dia? Talvez. Mas a vida é feita de escolhas. Agora, eu escolhi passar mais tempo com a minha família e estou confiante de que posso continuar tendo uma atuação significativa e gratificante no trabalho fazendo isso". 

O executivo também falou sobre a dificuldade de tomar a decisão. "No princípio, pareceu uma escolha difícil, mas quanto mais eu abraço essa escolha, mais convencido eu estou de que ela é a certa".

Fonte: Exame.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…