Pular para o conteúdo principal

Com renda menor, brasileiro paga preços próximos aos europeus

Do táxi ao restaurante,quem chega do exterior se assusta com os valores cobrados por produtos e serviços no País

GENEBRA - Como milhares de pessoas que desembarcaram no Brasil para a Copa, eu também tive um susto ao chegar: do preço "europeu" de tudo, do táxi ao restaurante, de uma Coca-Cola ao material de trabalho como jornalista. Há mais de uma década eu não passava um mês inteiro no Brasil e, entre as várias redescobertas, o custo de vida chamou a atenção.

Ao voltar para a Europa, decidi confrontar os preços para descobrir até que ponto o Brasil estava mesmo caro ou se eu havia tido uma impressão equivocada.

Com a ajuda da reportagem em São Paulo, vimos que o brasileiro, apesar de ter uma renda bem inferior ao que se registra na União Europeia, paga preços não tão distantes da vida de um cidadão médio em um país europeu.

Segundo o Fundo Monetário Internacional, o brasileiro tem uma renda média de US$ 12,2 mil por ano, inferior à da Romênia, de Botsuana e do Suriname. A renda está muito distante dos US$ 54 mil na Noruega, US$ 53 mil nos EUA e US$ 46 mil na Suíça. A renda brasileira é um terço da média francesa e menos da metade dos US$ 29 mil na Espanha.

Mas, mesmo com a disparidade de renda, muitos preços não são tão diferentes. Para tentar fazer a comparação, visitei supermercados na França, Espanha e Genebra, uma das três cidades mais caras do planeta. Não se trata de uma pesquisa com rigor científico; é apenas a tentativa de comparar os preços de produtos das mesmas marcas e nas mesmas redes.

Algumas comparações: 12 ovos no Carrefour do Bairro do Limão em São Paulo, por exemplo, custam R$ 4,59. No Carrefour de Barcelona, a dúzia sai por R$ 3,64. Nos Estados Unidos, o preço é de R$ 4,51. Um litro de água custa em média R$ 1,40 em São Paulo. Em Barcelona, ele sai por R$ 0,79. No Dia, na França, o custo é de menos de R$ 0,50.

O preço do macarrão é mais barato na Europa que em São Paulo. Na capital paulista, um pacote de 500 gramas sai por R$ 1,79. Na Suíça, custa o equivalente a R$ 1,10, praticamente o mesmo preço da França e da Espanha.

Vários outros itens, porém, mostraram que o Brasil é ainda mais barato, como no caso das carnes, frutas e açúcar, todos produtos que o País exporta.

No que se refere ao preço de automóveis, o Novo Golf 2014, motor 1.2 a gasolina sai no preço de tabela por 22,1 mil francos suíços em Genebra, cerca de R$ 55 mil. Na França, a Volkswagen aponta que o preço seria de 18 mil, ou R$ 54,5 mil, contra 17,8 mil na Espanha, cerca de R$ 53,9 mil. Já no Brasil, o valor chega a R$ 70 mil.

Um aluguel em São Paulo também não fica longe dos preços na Europa. Em média, o metro quadrado é de R$ 25 no centro de São Paulo. Segundo a entidade Observatoire Des Loyers, o valor médio das seis principais cidades francesas - excluindo Paris - é de 9,7 (R$ 29,3) por metro quadrado. Em Barcelona, uma das cidades mais baladas da Europa, a média do preço do aluguel é de 12 por metro quadrado.

Outro serviço que revela os preços elevados do Brasil é a telefonia. Segundo a União Internacional de Telecomunicações, no início de 2013, o Brasil tinha a tarifa de celular mais cara do mundo em termos absolutos. Em média, um minuto no celular em horário de pico custaria US$ 0,71 entre chamadas pelo mesmo operador. Para fazer a comparação, a UIT usou a taxa praticada em São Paulo. O custo naquele ano era três vezes o que um americano pagava para falar ao celular. Na Espanha, sede da Telefônica, um cidadão paga pelo celular um quinto do que se paga no Brasil.

Para que uma conclusão mais definitiva fosse feita sobre os custos de vida, dezenas de outros aspectos teriam de ser incluídos: da saúde à educação, de aparelhos eletrônicos a custos de lazer, como cinema ou até futebol. Mas o levantamento parcial revela que, ainda que a Europa continue tendo um custo de vida superior ao do Brasil, os dois se aproximam em uma grande velocidade.

JAMIL CHADE - O ESTADO DE S. PAULO

Fonte: O Estado de São Paulo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…