Pular para o conteúdo principal

Com renda menor, brasileiro paga preços próximos aos europeus

Do táxi ao restaurante,quem chega do exterior se assusta com os valores cobrados por produtos e serviços no País

GENEBRA - Como milhares de pessoas que desembarcaram no Brasil para a Copa, eu também tive um susto ao chegar: do preço "europeu" de tudo, do táxi ao restaurante, de uma Coca-Cola ao material de trabalho como jornalista. Há mais de uma década eu não passava um mês inteiro no Brasil e, entre as várias redescobertas, o custo de vida chamou a atenção.

Ao voltar para a Europa, decidi confrontar os preços para descobrir até que ponto o Brasil estava mesmo caro ou se eu havia tido uma impressão equivocada.

Com a ajuda da reportagem em São Paulo, vimos que o brasileiro, apesar de ter uma renda bem inferior ao que se registra na União Europeia, paga preços não tão distantes da vida de um cidadão médio em um país europeu.

Segundo o Fundo Monetário Internacional, o brasileiro tem uma renda média de US$ 12,2 mil por ano, inferior à da Romênia, de Botsuana e do Suriname. A renda está muito distante dos US$ 54 mil na Noruega, US$ 53 mil nos EUA e US$ 46 mil na Suíça. A renda brasileira é um terço da média francesa e menos da metade dos US$ 29 mil na Espanha.

Mas, mesmo com a disparidade de renda, muitos preços não são tão diferentes. Para tentar fazer a comparação, visitei supermercados na França, Espanha e Genebra, uma das três cidades mais caras do planeta. Não se trata de uma pesquisa com rigor científico; é apenas a tentativa de comparar os preços de produtos das mesmas marcas e nas mesmas redes.

Algumas comparações: 12 ovos no Carrefour do Bairro do Limão em São Paulo, por exemplo, custam R$ 4,59. No Carrefour de Barcelona, a dúzia sai por R$ 3,64. Nos Estados Unidos, o preço é de R$ 4,51. Um litro de água custa em média R$ 1,40 em São Paulo. Em Barcelona, ele sai por R$ 0,79. No Dia, na França, o custo é de menos de R$ 0,50.

O preço do macarrão é mais barato na Europa que em São Paulo. Na capital paulista, um pacote de 500 gramas sai por R$ 1,79. Na Suíça, custa o equivalente a R$ 1,10, praticamente o mesmo preço da França e da Espanha.

Vários outros itens, porém, mostraram que o Brasil é ainda mais barato, como no caso das carnes, frutas e açúcar, todos produtos que o País exporta.

No que se refere ao preço de automóveis, o Novo Golf 2014, motor 1.2 a gasolina sai no preço de tabela por 22,1 mil francos suíços em Genebra, cerca de R$ 55 mil. Na França, a Volkswagen aponta que o preço seria de 18 mil, ou R$ 54,5 mil, contra 17,8 mil na Espanha, cerca de R$ 53,9 mil. Já no Brasil, o valor chega a R$ 70 mil.

Um aluguel em São Paulo também não fica longe dos preços na Europa. Em média, o metro quadrado é de R$ 25 no centro de São Paulo. Segundo a entidade Observatoire Des Loyers, o valor médio das seis principais cidades francesas - excluindo Paris - é de 9,7 (R$ 29,3) por metro quadrado. Em Barcelona, uma das cidades mais baladas da Europa, a média do preço do aluguel é de 12 por metro quadrado.

Outro serviço que revela os preços elevados do Brasil é a telefonia. Segundo a União Internacional de Telecomunicações, no início de 2013, o Brasil tinha a tarifa de celular mais cara do mundo em termos absolutos. Em média, um minuto no celular em horário de pico custaria US$ 0,71 entre chamadas pelo mesmo operador. Para fazer a comparação, a UIT usou a taxa praticada em São Paulo. O custo naquele ano era três vezes o que um americano pagava para falar ao celular. Na Espanha, sede da Telefônica, um cidadão paga pelo celular um quinto do que se paga no Brasil.

Para que uma conclusão mais definitiva fosse feita sobre os custos de vida, dezenas de outros aspectos teriam de ser incluídos: da saúde à educação, de aparelhos eletrônicos a custos de lazer, como cinema ou até futebol. Mas o levantamento parcial revela que, ainda que a Europa continue tendo um custo de vida superior ao do Brasil, os dois se aproximam em uma grande velocidade.

JAMIL CHADE - O ESTADO DE S. PAULO

Fonte: O Estado de São Paulo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…