Pular para o conteúdo principal

Novo procedimento para requerimento de autenticação de livro

A Juceg lançou um novo procedimento para requerimento de autenticação de livros (Instrução Normativa). Agora, depois de requerer a autenticação do SPED (Sistema Público de Escrituração Digital) - no site da Receita Federal - e anexar o arquivo com a contabilidade da empresa, o usuário deve apresentar à Junta Comercial o comprovante do pagamento, do requerimento de autenticação e do recibo de entrega.  Para obtenção do serviço, o usuário deve pagar DARE no valor de 43 reais.
O protocolo desses documentos possibilita ao usuário acompanhar a análise do pedido. Assim, ele poderá consultar se o pedido foi deferido acessando o site da Juceg e retirar o termo de autenticação junto à Receita pelo mesmo sistema que ele utiliza para enviar o requerimento. Se houver exigência, o usuário deverá pegar o processo para corrigir o documento. Terá o prazo de 30 dias para as correções. A não observância deste prazo obriga ao pagamento de nova taxa.
Vantagem – Segundo o presidente da Juceg, Alexandre Caixeta, muitas empresas dependem da autenticação do Sped para participar de licitações, necessitando que a análise seja feita de forma rápida. “Sem o protocolo não tínhamos como saber se o pedido havia sido analisado. Agora, não correremos mais o risco de usuário necessitar do termo de autenticação e ele não estar disponível. Além disso, o usuário terá o controle do andamento do pedido dentro da Juceg”, afirma Caixeta.
Como funcionava antes – O usuário encaminhava o requerimento de autenticação de livro (contabilidade anual da empresa – cujo prazo para o envio até 30 de junho) pelo PVA (Programa de Validação do Arquivo) – no site Receita Federal. Esse pedido ficava no banco de dados, e a Junta Comercial analisava à medida que recebia as solicitações. Não havia prazo para análise, nem prazo para cumprimento de exigência.
Pedidos anteriores à Instrução
Os requerimentos realizados antes da vigência da Instrução podem ser consultados no site da Receita Federal por meio do link http://www1.receita.fazenda.gov.br/.
Passo a Passo para autenticação do Livro Digital
1º Passo: Gerar um arquivo digital de acordo com o formato estipulado na Instrução Normativa 13/2014, a partir do seu sistema de contabilidade;
2º Passo: Acessar o Site da Receita Federal do Brasil RFB e fazer download do Programa Validador e Assinador – PVA e do Receitanet SPED;
3º Passo: Instalar os programas em um computador ligado à internet;
4º Passo: Executar os seguintes procedimentos no PVA:
5º Passo: Importar o arquivo gerado para o PVA;
6º Passo: Validar o arquivo contendo a escrituração;
7º Passo: Assinar digitalmente o livro digital – pela(s) pessoa(s) que têm poderes para assinar, de acordo com os registros da Junta Comercial e pelo Contabilista;
8º Passo: Gerar e assinar digitalmente o requerimento para autenticação dirigido à JUCEG;
9º Passo: Transmitir para o SPED a escrituração e o requerimento assinado.
Atenção:
Quando concluída a transmissão, será fornecido um recibo. Imprima-o, pois ele contém informações importantes para consulta do andamento do serviço de autenticação.
10º Passo: No site da JUCEG, emitir a Guia de Recolhimento com o valor correspondente ao serviço prestado, com código de ATO 9.1 e efetuar o pagamento;
11º Passo: Dar entrada, na JUCEG, com os seguintes documentos:
•          requerimento de autenticação de livro digital (emitido pelo PVA);
•          recibo de entrega de livro digital (transmissão do PVA);
•          via processo da Guia de Recolhimento da JUCEG, devidamente recolhido;
Após confirmação de pagamento o Livro digital será analisado e autenticado pela JUCEG;
Para verificar o andamento dos trabalhos, utilize a funcionalidade “Consulta Situação” do PVA.
Em caso de exigência, o usuário terá o prazo de 30 dias para as correções. A não observância deste prazo obriga ao pagamento de nova taxa. Se houver retorno para cumprimento de exigências, exceto divergência de valores, deve-se proceder da seguinte maneira:
Dar entrada, na JUCEG, com os seguintes documentos:
•          requerimento de autenticação de livro digital (emitido pelo PVA);
•          recibo de entrega de livro digital substituto (transmissão do PVA);
Os termos lavrados pela JUCEG, inclusive o de Autenticação, serão transmitidos automaticamente à empresa durante a consulta no PVA.
O PVA tem ainda as funcionalidades de visualização da escrituração e de geração recuperação de backup.
Autenticada a escrituração, adote as medidas necessárias para evitar a deterioração, extravio ou destruição do livro digital. Ele é composto por dois arquivos principais: o do livro digital e o de autenticação (extensão aut). Faça, também, cópia dos arquivos do requerimento (extensão rqr) e do recibo de entrega (extensão rec). Todos os arquivos têm o mesmo nome, variando apenas a extensão.

Fonte JUCEG via José Adriano.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…