Pular para o conteúdo principal

Novo procedimento para requerimento de autenticação de livro

A Juceg lançou um novo procedimento para requerimento de autenticação de livros (Instrução Normativa). Agora, depois de requerer a autenticação do SPED (Sistema Público de Escrituração Digital) - no site da Receita Federal - e anexar o arquivo com a contabilidade da empresa, o usuário deve apresentar à Junta Comercial o comprovante do pagamento, do requerimento de autenticação e do recibo de entrega.  Para obtenção do serviço, o usuário deve pagar DARE no valor de 43 reais.
O protocolo desses documentos possibilita ao usuário acompanhar a análise do pedido. Assim, ele poderá consultar se o pedido foi deferido acessando o site da Juceg e retirar o termo de autenticação junto à Receita pelo mesmo sistema que ele utiliza para enviar o requerimento. Se houver exigência, o usuário deverá pegar o processo para corrigir o documento. Terá o prazo de 30 dias para as correções. A não observância deste prazo obriga ao pagamento de nova taxa.
Vantagem – Segundo o presidente da Juceg, Alexandre Caixeta, muitas empresas dependem da autenticação do Sped para participar de licitações, necessitando que a análise seja feita de forma rápida. “Sem o protocolo não tínhamos como saber se o pedido havia sido analisado. Agora, não correremos mais o risco de usuário necessitar do termo de autenticação e ele não estar disponível. Além disso, o usuário terá o controle do andamento do pedido dentro da Juceg”, afirma Caixeta.
Como funcionava antes – O usuário encaminhava o requerimento de autenticação de livro (contabilidade anual da empresa – cujo prazo para o envio até 30 de junho) pelo PVA (Programa de Validação do Arquivo) – no site Receita Federal. Esse pedido ficava no banco de dados, e a Junta Comercial analisava à medida que recebia as solicitações. Não havia prazo para análise, nem prazo para cumprimento de exigência.
Pedidos anteriores à Instrução
Os requerimentos realizados antes da vigência da Instrução podem ser consultados no site da Receita Federal por meio do link http://www1.receita.fazenda.gov.br/.
Passo a Passo para autenticação do Livro Digital
1º Passo: Gerar um arquivo digital de acordo com o formato estipulado na Instrução Normativa 13/2014, a partir do seu sistema de contabilidade;
2º Passo: Acessar o Site da Receita Federal do Brasil RFB e fazer download do Programa Validador e Assinador – PVA e do Receitanet SPED;
3º Passo: Instalar os programas em um computador ligado à internet;
4º Passo: Executar os seguintes procedimentos no PVA:
5º Passo: Importar o arquivo gerado para o PVA;
6º Passo: Validar o arquivo contendo a escrituração;
7º Passo: Assinar digitalmente o livro digital – pela(s) pessoa(s) que têm poderes para assinar, de acordo com os registros da Junta Comercial e pelo Contabilista;
8º Passo: Gerar e assinar digitalmente o requerimento para autenticação dirigido à JUCEG;
9º Passo: Transmitir para o SPED a escrituração e o requerimento assinado.
Atenção:
Quando concluída a transmissão, será fornecido um recibo. Imprima-o, pois ele contém informações importantes para consulta do andamento do serviço de autenticação.
10º Passo: No site da JUCEG, emitir a Guia de Recolhimento com o valor correspondente ao serviço prestado, com código de ATO 9.1 e efetuar o pagamento;
11º Passo: Dar entrada, na JUCEG, com os seguintes documentos:
•          requerimento de autenticação de livro digital (emitido pelo PVA);
•          recibo de entrega de livro digital (transmissão do PVA);
•          via processo da Guia de Recolhimento da JUCEG, devidamente recolhido;
Após confirmação de pagamento o Livro digital será analisado e autenticado pela JUCEG;
Para verificar o andamento dos trabalhos, utilize a funcionalidade “Consulta Situação” do PVA.
Em caso de exigência, o usuário terá o prazo de 30 dias para as correções. A não observância deste prazo obriga ao pagamento de nova taxa. Se houver retorno para cumprimento de exigências, exceto divergência de valores, deve-se proceder da seguinte maneira:
Dar entrada, na JUCEG, com os seguintes documentos:
•          requerimento de autenticação de livro digital (emitido pelo PVA);
•          recibo de entrega de livro digital substituto (transmissão do PVA);
Os termos lavrados pela JUCEG, inclusive o de Autenticação, serão transmitidos automaticamente à empresa durante a consulta no PVA.
O PVA tem ainda as funcionalidades de visualização da escrituração e de geração recuperação de backup.
Autenticada a escrituração, adote as medidas necessárias para evitar a deterioração, extravio ou destruição do livro digital. Ele é composto por dois arquivos principais: o do livro digital e o de autenticação (extensão aut). Faça, também, cópia dos arquivos do requerimento (extensão rqr) e do recibo de entrega (extensão rec). Todos os arquivos têm o mesmo nome, variando apenas a extensão.

Fonte JUCEG via José Adriano.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…