Pular para o conteúdo principal

Home office une qualidade de vida a produtividade

Home office prevê menor custo e mais qualidade de vida ao colaborador
No Brasil, 36% das empresas adotaram o modelo de trabalho em casa, ou home office, entre elas Ticket, Philips e Home Agent. As companhias dizem ter apostado no modelo devido ao aumento da produtividade, qualidade de vida do colaborador e diminuição de custos.

Segundo as organizações, a meta é elevar a satisfação de funcionários e impulsionar o aumento da agilidade dos colaboradores, pois apesar de trabalharem em casa, eles têm mantido o vínculo empregatício e garantidas da CLT.

De acordo com a Pesquisa Home Office 2014, realizada pela SAP Consultoria em Recursos Humanos, com 200 empresas nacionais e multinacionais de vários segmentos e regiões do País, o modelo é mais experimentado pela área de tecnologia da informação, que lidera o ranking com 19,23%. Para o sócio proprietário da SAP, Sebastião Augusto Perossi, a maior presença de empresas da TI está relacionada às características das funções desempenhadas.

“A tecnologia possui diversas funções que podem ser executadas de forma remota, sem perder a qualidade e a produtividade dos resultados esperados pelos gestores.”

Como é o caso da Mandic Cloud Solutions, uma empresa que possui 200 funcionários e adotou o modelo home office, em 2013, para 30 colaboradores da empresa.

Resultados

“Os funcionários que trabalham em casa apresentam em média 30% mais produtividade do que aqueles que vão para a empresa”, afirmou o diretor de tecnologias & operações da Mandic, Antonio Pina.

A Mandic não disponibiliza nenhum equipamento para o funcionário trabalhar em casa ou qualquer ajuda de custo e oferece um sistema chamado desktop virtual, que permite que os funcionários acessem de qualquer lugar a área de trabalho dos computadores físicos das empresas.

Os funcionários podem escolher os dias que pretendem trabalhar em casa. Mas o serviço que o colaborador está desenvolvendo não pode exigir a sua presença no escritório e deve ser cumprido dentro dos prazos e resultados estipulados pelo gestor da área.

Segundo Perossi, um dos fatores que podem dificultar a maior adesão do modelo home office é a legislação trabalhista, que ainda não é muito clara em relação ao assunto. “A falta de informação dos procedimentos do teletrabalho também interfere na anuência do modelo. Já que no País existe um apego á cultura do trabalho presencial.”

Em São Paulo está o maior número de empresas que possuem o modelo de trabalho home office, com cerca de 73,8%, seguido por Rio de Janeiro com 7,69% e Paraná com 7,69%. Porém, apenas 42% das organizações possuem uma prática formal para o trabalho fora do escritório. Como é o caso da Ticket, que decidiu transferir toda sua área comercial para o sistema home office, em 2006. São 210 colaboradores da área que trabalham em casa em regime integral.

Benefícios

“Um dos benefícios que o modelo trouxe foi uma economia de cerca de R$ 3,5 milhões, no primeiro ano de adesão ao formato. Além da redução dos custos, ganhamos também em produtividade – a Ticket estima um crescimento de 40% no número de vendas e incremento de 76% na receita proveniente dessas vendas – agilidade e qualidade de vida para os colaboradores” ressaltou o gerente de recursos humanos da Ticket, Carlos Cavequi.

A Philips também está entre as empresas que colhem resultados positivos com a adoção do modelo para alguns funcionários. Segundo a gerente de saúde e bem-estar da Philips, Cristiane José, o número de viagens dos funcionários teve uma queda.

A Philips possui um programa chamado Workplace Innovation, que dá aos colaboradores uma opção de trabalhar home office. O programa permite a troca de informações e o trabalho em conjunto com os outros remotamente. Todos os funcionários recebem um notebook e um celular quando contratados, e podem trabalhar de qualquer lugar.

“Nossos colaboradores podem fazer home office para os escritórios da Philips no Brasil, os dias são combinados com os gestores de cada área”, afirma Cristiane José.

Oportunidade

O modelo também permitiu que as mulheres fiquem mais próximas de seus filhos após a maternidade e virou um fator de atração e retenção de talentos femininos.

Muitas empresas já optam pela flexibilização das jornadas de trabalho para alguns setores da empresa. Mas hoje existem organizações que já aderem ao modelo de forma total. Como a Home Agent, uma empresa de call center remoto, que possui cerca de 90 operadores trabalhando em casa e funciona desde de 2011 com esse modelo. Os profissionais recebem um suporte com equipamentos como red fone, cadeira, computador, mesa e apoio de pé. A instituição também arca com as despesas de internet dos operadores e investe em treinamento. Ensina o operador a lidar com a família durante o período de seis horas que ele trabalha home office.

Para CEO do Home Agent, Fabio Boucinha, trabalhar em um regime totalmente remoto trouxe benefícios para a operação, como por exemplo, a redução do índice de absenteísmo (ausência no trabalho) e a taxa de rotatividade de funcionários que varia de 0% a 2%.

“Não temos profissionais mal humoradas. O modelo de trabalho é tão atraente, que algumas pessoas deixam salários maiores, para optar por trabalhar em casa e ganhar menos”, destaca Boucinha.

Segundo uma pesquisa feita pela própria Home Agent, cerca de 53% dos funcionários disseram que usam o tempo livre depois do trabalho para estudar e deles, 42,7% estão cursando o nível superior.

A empresa economiza com transporte e infraestrutura. Outro benefício foi na produtividade, já que os funcionários tem maior tempo de permanência na empresa e acumulam conhecimento, com isso agilizam os atendimentos, explica o CEO da Home Agent.

por Ana Paula Silva

Fonte: DCI/SP via Roberto Dias Duarte.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…